Fruto da campanha salarial do sindicato, o prefeito de Guarujá, Válter Suman (PSB), publicou, no diário oficial do município, a lei que reajusta os salários dos servidores em 4% na data-base de abril.
VICrédito: Arquivo
Na foto, a assembleia que aprovou, em 2 de abril, o acordo salarial deste ano

Em junho, haverá mais 1%, sobre o salário de março, com base na campanha de 2018, que garantiu esse percentual durante três anos, até 2020, ratificado em 2019. A soma garante 5% de revisão geral anual.
O percentual de 1%, em três vezes, visa compensar a perda de 6% da gratificação de desempenho individual (gdi), em 2016, causada por uma ação direta de inconstitucionalidade (adin).
Segundo o presidente do Sindserv, Zoel Garcia Siqueira, a defasagem dos 3% restantes com a perda da ‘gdi’ fará parte da pauta de reivindicações de datas-bases futuras.
O reajuste foi publicado no diário oficial desta quarta-feira (17). Outras conquistas da campanha deste ano estão em fase de tramitação e elaboração, em projetos legislativos e expedientes, alguns já publicados.
O sindicalista lembra que a categoria perdeu, ainda em 2016, o salário-família e consorte, além da gratificação de assiduidade, pontualidade e produtividade (gapp) dos médicos.
“Temos que recuperar esses direitos porque é para isso que serve o sindicato. Não fosse assim, não teria porque existir a representação constitucional e democrática dos trabalhadores”, pondera Zoel.
Ele explica que os reajustes salariais “equilibram a economia ao recompor o poder de compra perdido com a inflação. O poder aquisitivo propicia consumo e ativa os setores econômicos produtivos”.
O sindicato, para ele, visa, entre tantas outras atribuições, garantir representativamente a recomposição geral anual, na forma do inciso 'x', artigo 37 da constituição federal.

Segurança ocupacional
Há poucos dias, também fruto da campanha salarial, a prefeitura convocou um engenheiro e dois técnicos de segurança do trabalho concursados.
Essa medida, para o secretário-geral do sindicato, Edler Antônio da Silva, melhorará o atendimento técnico da prefeitura em matéria de segurança e saúde do trabalho.
“Enfim, após anos de luta, conseguimos um avanço importante no dimensionamento do serviço de segurança e medicina do trabalho (sesmt)”, diz o sindicalista.
“Agora”, finaliza Edler, “esperamos que a prefeitura implemente os programas e laudos atualizados ‘ppra’, ‘pcmso’, ‘ltcat’, ‘ppp’, ‘epi’, insalubridade e outros não menos preponderantes”.

VICrédito: Arquivo
Na foto, a assembleia que aprovou, em 2 de abril, o acordo salarial deste ano

Em junho, haverá mais 1%, sobre o salário de março, com base na campanha de 2018, que garantiu esse percentual durante três anos, até 2020, ratificado em 2019. A soma garante 5% de revisão geral anual.
O percentual de 1%, em três vezes, visa compensar a perda de 6% da gratificação de desempenho individual (gdi), em 2016, causada por uma ação direta de inconstitucionalidade (adin).
Segundo o presidente do Sindserv, Zoel Garcia Siqueira, a defasagem dos 3% restantes com a perda da ‘gdi’ fará parte da pauta de reivindicações de datas-bases futuras.
O reajuste foi publicado no diário oficial desta quarta-feira (17). Outras conquistas da campanha deste ano estão em fase de tramitação e elaboração, em projetos legislativos e expedientes, alguns já publicados.
O sindicalista lembra que a categoria perdeu, ainda em 2016, o salário-família e consorte, além da gratificação de assiduidade, pontualidade e produtividade (gapp) dos médicos.
“Temos que recuperar esses direitos porque é para isso que serve o sindicato. Não fosse assim, não teria porque existir a representação constitucional e democrática dos trabalhadores”, pondera Zoel.
Ele explica que os reajustes salariais “equilibram a economia ao recompor o poder de compra perdido com a inflação. O poder aquisitivo propicia consumo e ativa os setores econômicos produtivos”.
O sindicato, para ele, visa, entre tantas outras atribuições, garantir representativamente a recomposição geral anual, na forma do inciso 'x', artigo 37 da constituição federal.

Segurança ocupacional
Há poucos dias, também fruto da campanha salarial, a prefeitura convocou um engenheiro e dois técnicos de segurança do trabalho concursados.
Essa medida, para o secretário-geral do sindicato, Edler Antônio da Silva, melhorará o atendimento técnico da prefeitura em matéria de segurança e saúde do trabalho.
“Enfim, após anos de luta, conseguimos um avanço importante no dimensionamento do serviço de segurança e medicina do trabalho (sesmt)”, diz o sindicalista.
“Agora”, finaliza Edler, “esperamos que a prefeitura implemente os programas e laudos atualizados ‘ppra’, ‘pcmso’, ‘ltcat’, ‘ppp’, ‘epi’, insalubridade e outros não menos preponderantes”.