Centenas de trabalhadores e sindicalistas da Força Sindical fizeram hoje um protesto em frente ao Ministério da Fazenda, em Brasília, com churrasco de sardinha.
Daniel Cardoso

A manifestação aconteceu durante o almoço oferecido pelo governo aos maiores peso-pesados da economia. Os manifestantes cobravam a correção da tabela do Imposto de Renda e a manutenção da política de valorização do salário mínimo.

Além da sardinhada, os sindicalistas serviram abacaxi como sobremesa. Os trabalhadores tentaram entregar um prato de sardinhas com farofa para o ministro da Fazenda. Como não conseguiram fazer a entrega, os representantes da Força Sindical comeram as sardinhas sentados na porta da entrada. “Ficou clara a diferença de tratamento que o governo dispensa aos trabalhadores e aos empresários”, declara Miguel Torres, presidente da Força Sindical, destacando que nenhuma reivindicação da Pauta Trabalhista foi atendida até agora.
“Enquanto o governo e empresários fazem um grandioso banquete, o povo come sardinha e sempre ficam com o abacaxi”, critica o líder sindical e presidente da Força Sindical.

Paulo Pereira da Silva, o Paulinho da Força, deputado federal, que participou do ato, observa que nestes últimos anos os trabalhadores foram muito prejudicados com o Fator Previdenciário e com a não correção da tabela do Imposto de Renda. Isto porque o governo se nega a negociar com os trabalhadores. “Queremos o mesmo tratamento que o governo dá para os poderosos, temos uma pauta e queremos abrir diálogo”, disse o parlamentar que também é presidente do Solidariedade.

"Mantega dá banquete para os poderosos e o povo fica na sardinha", dizia uma das faixas do movimento. Outra faixa, com fotos da presidenta Dilma Rousseff, do ministro da Fazenda Guido Mantega e do presidente do Banco Central, Alexandre Tombini, dizia: "Jurão e Pibinho, dupla preferida do governo".
Vale lembrar que, na última terça-feira, os sindicalistas da Força Sindical já fizeram outra manifestação com sardinhas assadas em frente ao Banco do Brasil, na Avenida Paulista, onde seria inicialmente a reunião do ministro com os empresários, mas o encontro foi estrategicamente transferido para esta quarta-feira em Brasília.

Daniel Cardoso

A manifestação aconteceu durante o almoço oferecido pelo governo aos maiores peso-pesados da economia. Os manifestantes cobravam a correção da tabela do Imposto de Renda e a manutenção da política de valorização do salário mínimo.

Além da sardinhada, os sindicalistas serviram abacaxi como sobremesa. Os trabalhadores tentaram entregar um prato de sardinhas com farofa para o ministro da Fazenda. Como não conseguiram fazer a entrega, os representantes da Força Sindical comeram as sardinhas sentados na porta da entrada. “Ficou clara a diferença de tratamento que o governo dispensa aos trabalhadores e aos empresários”, declara Miguel Torres, presidente da Força Sindical, destacando que nenhuma reivindicação da Pauta Trabalhista foi atendida até agora.
“Enquanto o governo e empresários fazem um grandioso banquete, o povo come sardinha e sempre ficam com o abacaxi”, critica o líder sindical e presidente da Força Sindical.

Paulo Pereira da Silva, o Paulinho da Força, deputado federal, que participou do ato, observa que nestes últimos anos os trabalhadores foram muito prejudicados com o Fator Previdenciário e com a não correção da tabela do Imposto de Renda. Isto porque o governo se nega a negociar com os trabalhadores. “Queremos o mesmo tratamento que o governo dá para os poderosos, temos uma pauta e queremos abrir diálogo”, disse o parlamentar que também é presidente do Solidariedade.

"Mantega dá banquete para os poderosos e o povo fica na sardinha", dizia uma das faixas do movimento. Outra faixa, com fotos da presidenta Dilma Rousseff, do ministro da Fazenda Guido Mantega e do presidente do Banco Central, Alexandre Tombini, dizia: "Jurão e Pibinho, dupla preferida do governo".
Vale lembrar que, na última terça-feira, os sindicalistas da Força Sindical já fizeram outra manifestação com sardinhas assadas em frente ao Banco do Brasil, na Avenida Paulista, onde seria inicialmente a reunião do ministro com os empresários, mas o encontro foi estrategicamente transferido para esta quarta-feira em Brasília.