Neste 5 de agosto de 2019, a Confederação Nacional dos Trabalhadores Metalúrgicos (CNTM) celebrou seu 31º aniversário. Filiada à Força Sindical, a entidade congrega importantes e atuantes Sindicatos e Federações que, juntas, representam mais de 1,1 milhão de trabalhadores metalúrgicos em todo o Brasil.
29764-cntm-metalurgicos2Crédito: Arquivo

Miguel Torres, presidente da CNTM, da Força Sindical e do Sindicato dos Metalúrgicos de São Paulo e Mogi das Cruzes, lembra que a entidade foi fundada no mesmo ano da promulgação da Constituição Brasileira de 1988, por iniciativa do líder sindical Luiz Antonio de Medeiros, em uma época de redemocratização do País e de definição de importantes direitos constitucionais, que hoje, infelizmente, estão sendo atacados.

O sindicalistas destaca que ao longo destes 31 anos de existência, a CNTM tem tido expressiva participação nas ações do movimento sindical unificado.

33325-miguel-stf

"Uma importante conquista deste ano de 2019 foi a ação da Confederação no STF que, por 10 votos a 1, suspendeu a norma que admitia que trabalhadoras grávidas e lactantes desempenhassem atividades insalubres. Foi uma primeira grande derrota da reforma trabalhista, um exemplo de que para a classe trabalhadora só a luta faz a lei”, lembra Miguel Torres.

Mais informações: www.cntm.org.br

29764-cntm-metalurgicos2Crédito: Arquivo

Miguel Torres, presidente da CNTM, da Força Sindical e do Sindicato dos Metalúrgicos de São Paulo e Mogi das Cruzes, lembra que a entidade foi fundada no mesmo ano da promulgação da Constituição Brasileira de 1988, por iniciativa do líder sindical Luiz Antonio de Medeiros, em uma época de redemocratização do País e de definição de importantes direitos constitucionais, que hoje, infelizmente, estão sendo atacados.

O sindicalistas destaca que ao longo destes 31 anos de existência, a CNTM tem tido expressiva participação nas ações do movimento sindical unificado.

33325-miguel-stf

"Uma importante conquista deste ano de 2019 foi a ação da Confederação no STF que, por 10 votos a 1, suspendeu a norma que admitia que trabalhadoras grávidas e lactantes desempenhassem atividades insalubres. Foi uma primeira grande derrota da reforma trabalhista, um exemplo de que para a classe trabalhadora só a luta faz a lei”, lembra Miguel Torres.

Mais informações: www.cntm.org.br