Ano será difícil, mas é preciso muita calma e mobilização

Seminário MetalúrgicosCrédito: Jaélcio Santana

Foi realizado hoje, dia 31, no Sindicato dos Metalúrgicos de São Paulo, um seminário sobre o fortalecimento da negociação coletiva. “O evento foi de extrema importância para preparar os dirigentes sindicais, que enfrentarão muitos desafios em 2019”, disse Miguel Torres, presidente da Força Sindical.

“Os sindicalistas”, afirmou Gerson Marques, procurador do Ministério Público do Trabalho do Ceará, “tiveram um 2018 de negociações coletivas muito difíceis. E o cenário para 2019 é terrível para a classe trabalhadora”. Devemos, além da pauta sindical a ser entregue aos empregadores, apresentar outra, uma pauta política, à sociedade e aos governos – Executivo, Legislativo e Judiciário.

Essa pauta política deve ser pela democracia, pelo respeito à Constituição, ao pensamento liberal, à liberdade de cátedra e à liberdade de manifestação. Os dirigentes devem se  preparar com extrema calma.

Segundo ele, o custeio sindical não é matéria de negociação coletiva: “A questão deve ser resolvida entre o sindicato e os trabalhadores em assembleia, e cabe aos patrões cumprir todas as decisões da assembleia, que deve ser democrática e transparente”, destacou.

Ano será difícil, mas é preciso muita calma e mobilização

Seminário MetalúrgicosCrédito: Jaélcio Santana

Foi realizado hoje, dia 31, no Sindicato dos Metalúrgicos de São Paulo, um seminário sobre o fortalecimento da negociação coletiva. “O evento foi de extrema importância para preparar os dirigentes sindicais, que enfrentarão muitos desafios em 2019”, disse Miguel Torres, presidente da Força Sindical.

“Os sindicalistas”, afirmou Gerson Marques, procurador do Ministério Público do Trabalho do Ceará, “tiveram um 2018 de negociações coletivas muito difíceis. E o cenário para 2019 é terrível para a classe trabalhadora”. Devemos, além da pauta sindical a ser entregue aos empregadores, apresentar outra, uma pauta política, à sociedade e aos governos – Executivo, Legislativo e Judiciário.

Essa pauta política deve ser pela democracia, pelo respeito à Constituição, ao pensamento liberal, à liberdade de cátedra e à liberdade de manifestação. Os dirigentes devem se  preparar com extrema calma.

Segundo ele, o custeio sindical não é matéria de negociação coletiva: “A questão deve ser resolvida entre o sindicato e os trabalhadores em assembleia, e cabe aos patrões cumprir todas as decisões da assembleia, que deve ser democrática e transparente”, destacou.