Clipper TalentCrédito: Arquivo

Os estivadores de Itacoatiara, porto fluvial da região de Manaus (AM), ocuparam o navio ‘Clipper Talent’, nesta quarta-feira (3), em protesto por terem sido substituídos por mão de obra terceirizada.

A ação dos trabalhadores teve apoio da federação dos estivadores, capatazia e portuários do Brasil (Fecpb) e da diretoria dos sindicatos da região.

Segundo o presidente da federação, Rodnei Oliveira da Silva ‘Nei’, o acordo coletivo de trabalho dos estivadores itacoatiarenses tem validade até fevereiro, “mas foi rasgado pelos empresários portuários”.

Também presidente do sindicato dos estivadores de Santos (SP), Nei está na embarcação, junto com a direção dos sindicatos de Manaus e Itacoatiara.

O porto é administrado pela companhia docas de Santana (AM), empresa pública da administração indireta da prefeitura local, mas o terminal onde está o navio ‘Clipper’ é ligado ao grupo Blairo Maggi.

Blairo Maggi é o atual ministro da agricultura e esteve nesta terça-feira (2) no porto de Santana, após agenda oficial em Macapá, capital do Amapá.

Ministro
“O ministro deveria ter aproveitado a visita para conhecer de perto a injustiça com os estivadores de Itacoatiara, substituídos por mão de obra estranha ao porto”, diz o presidente da Fecpb.

Segundo Nei, as atividades do navio continuarão paralisadas até que os estivadores sejam escalados para seus postos de trabalho: “Não aceitamos essa injustiça”.

O líder nacional dos estivadores, que também luta pela manutenção do trabalho avulso nos terminais de contêineres de Santos, foi a Manaus, nesta terça-feira (2), prestigiar a eleição no sindicato local.

Nesta quarta (3), em visita a Itacoatiara, participou de uma assembleia dos estivadores, que estavam bastante indignados com sua exclusão do trabalho.

Antes de ocupar o navio, os sindicalistas tentaram negociar com a administração do terminal, mas não foram recebidos. Por isso, alugaram um barco de se dirigiram ao ‘Clipper’.

Clipper TalentCrédito: Arquivo

Os estivadores de Itacoatiara, porto fluvial da região de Manaus (AM), ocuparam o navio ‘Clipper Talent’, nesta quarta-feira (3), em protesto por terem sido substituídos por mão de obra terceirizada.

A ação dos trabalhadores teve apoio da federação dos estivadores, capatazia e portuários do Brasil (Fecpb) e da diretoria dos sindicatos da região.

Segundo o presidente da federação, Rodnei Oliveira da Silva ‘Nei’, o acordo coletivo de trabalho dos estivadores itacoatiarenses tem validade até fevereiro, “mas foi rasgado pelos empresários portuários”.

Também presidente do sindicato dos estivadores de Santos (SP), Nei está na embarcação, junto com a direção dos sindicatos de Manaus e Itacoatiara.

O porto é administrado pela companhia docas de Santana (AM), empresa pública da administração indireta da prefeitura local, mas o terminal onde está o navio ‘Clipper’ é ligado ao grupo Blairo Maggi.

Blairo Maggi é o atual ministro da agricultura e esteve nesta terça-feira (2) no porto de Santana, após agenda oficial em Macapá, capital do Amapá.

Ministro
“O ministro deveria ter aproveitado a visita para conhecer de perto a injustiça com os estivadores de Itacoatiara, substituídos por mão de obra estranha ao porto”, diz o presidente da Fecpb.

Segundo Nei, as atividades do navio continuarão paralisadas até que os estivadores sejam escalados para seus postos de trabalho: “Não aceitamos essa injustiça”.

O líder nacional dos estivadores, que também luta pela manutenção do trabalho avulso nos terminais de contêineres de Santos, foi a Manaus, nesta terça-feira (2), prestigiar a eleição no sindicato local.

Nesta quarta (3), em visita a Itacoatiara, participou de uma assembleia dos estivadores, que estavam bastante indignados com sua exclusão do trabalho.

Antes de ocupar o navio, os sindicalistas tentaram negociar com a administração do terminal, mas não foram recebidos. Por isso, alugaram um barco de se dirigiram ao ‘Clipper’.