Realizada na última segunda-feira, 11, assinatura da Federação Estadual dos Frentistas (Fepospetro) e do sindicato patronal Sincopetro, local do encontro, formaliza o acordo firmado durante a reunião de 22 de março, após quase três meses de negociações
FepospetroCrédito: Fepospetro

A nova convenção coletiva, já em prática em todo o estado, onde atuam cem mil frentistas com data-base em 1º de março, aumenta os salários em 2,1% – percentual acima da inflação de 1,81% acumulada no período, indicada pelo INPC-IBGE. Também mantém válidos na Convenção Coletiva todos os direitos construídos ao longo de mais de duas décadas, tais como vale-refeição – cujo valor passa de R$ 17,50 para R$ 18,00 –, cesta básica mensal de trinta quilos, desconto máximo permitido sobre o vale-transporte de somente 1% do piso salarial (por Lei esse índice chega a 6%) e seguro de vida em grupo, pagamento de 100% para as horas extras oficiais trabalhadas, entre outros. “Esta campanha é histórica porque representa uma vitória sobre a lei da reforma trabalhista, criada pelo governo de Michel Temer (MDB) para reduzir direitos e piorar as condições de vida da classe trabalhadora”, analisa Luiz Arraes, presidente da Fepospetro, entidade que unifica entre os dezesseis sindicatos dos frentistas de SP a negociação salarial.

Repercussão

Na página da Fepospetro no facebook, curtida por mais de mil e quinhentas pessoas, o post com o resultado da campanha salarial foi o mais visualizado do ano. Sem fazer uso de nenhum recurso de impulsionamento, a publicação alcançou quase vinte mil pessoas e foi compartilhada 115 vezes. Recebeu ainda quase a mesma quantidade de curtidas e foi comentada por dezenas de usuários. “Parabéns por manter nossos direitos, foi realmente uma grande vitória”, escreveu Sara Andrade, frentista em São Paulo. Em outro comentário, a trabalhadora Fabiana P. F. Santana faz coro à colega: “Parabéns ao sindicato. Paguei a contribuição deste mês com gosto. Vocês nos representam. O aumento foi singelo, mas não perdemos nenhum direito”, reconheceu. Sobre as críticas manifestadas ao resultado das negociações, a Fepospetro afirma estar conseguindo reverter a maioria delas ao explicar o ambiente em que se deu as negociações e lembrar o histórico de luta de 25 anos da entidade de jamais ter finalizado uma campanha sem aumento salarial ou com perdas de direitos. “Com informação e acompanhamento diário das postagens”, explica Luiz Arraes, “temos conseguido mudar para reconhecimento o curso das críticas ao nosso trabalho”. “Também nas bases”, conta ele, “a receptividade tem sido bastante positiva”. O dirigente afirma que a nova tabela salarial, válida para todo o estado de São Paulo, já está disponível nos sites e redes sociais dos dezesseis sindicatos do estado. Ele informa também que a Fepospetro está à disposição para sanar dúvidas e direcionar, para as devidas entidades, os pedidos de trabalhadores por esclarecimentos que se fizerem necessários. Os endereço da Fepospetro na internet é: http://federacaodosfrentistassp.org.br/.
 

FepospetroCrédito: Fepospetro

A nova convenção coletiva, já em prática em todo o estado, onde atuam cem mil frentistas com data-base em 1º de março, aumenta os salários em 2,1% – percentual acima da inflação de 1,81% acumulada no período, indicada pelo INPC-IBGE. Também mantém válidos na Convenção Coletiva todos os direitos construídos ao longo de mais de duas décadas, tais como vale-refeição – cujo valor passa de R$ 17,50 para R$ 18,00 –, cesta básica mensal de trinta quilos, desconto máximo permitido sobre o vale-transporte de somente 1% do piso salarial (por Lei esse índice chega a 6%) e seguro de vida em grupo, pagamento de 100% para as horas extras oficiais trabalhadas, entre outros. “Esta campanha é histórica porque representa uma vitória sobre a lei da reforma trabalhista, criada pelo governo de Michel Temer (MDB) para reduzir direitos e piorar as condições de vida da classe trabalhadora”, analisa Luiz Arraes, presidente da Fepospetro, entidade que unifica entre os dezesseis sindicatos dos frentistas de SP a negociação salarial.

Repercussão

Na página da Fepospetro no facebook, curtida por mais de mil e quinhentas pessoas, o post com o resultado da campanha salarial foi o mais visualizado do ano. Sem fazer uso de nenhum recurso de impulsionamento, a publicação alcançou quase vinte mil pessoas e foi compartilhada 115 vezes. Recebeu ainda quase a mesma quantidade de curtidas e foi comentada por dezenas de usuários. “Parabéns por manter nossos direitos, foi realmente uma grande vitória”, escreveu Sara Andrade, frentista em São Paulo. Em outro comentário, a trabalhadora Fabiana P. F. Santana faz coro à colega: “Parabéns ao sindicato. Paguei a contribuição deste mês com gosto. Vocês nos representam. O aumento foi singelo, mas não perdemos nenhum direito”, reconheceu. Sobre as críticas manifestadas ao resultado das negociações, a Fepospetro afirma estar conseguindo reverter a maioria delas ao explicar o ambiente em que se deu as negociações e lembrar o histórico de luta de 25 anos da entidade de jamais ter finalizado uma campanha sem aumento salarial ou com perdas de direitos. “Com informação e acompanhamento diário das postagens”, explica Luiz Arraes, “temos conseguido mudar para reconhecimento o curso das críticas ao nosso trabalho”. “Também nas bases”, conta ele, “a receptividade tem sido bastante positiva”. O dirigente afirma que a nova tabela salarial, válida para todo o estado de São Paulo, já está disponível nos sites e redes sociais dos dezesseis sindicatos do estado. Ele informa também que a Fepospetro está à disposição para sanar dúvidas e direcionar, para as devidas entidades, os pedidos de trabalhadores por esclarecimentos que se fizerem necessários. Os endereço da Fepospetro na internet é: http://federacaodosfrentistassp.org.br/.