Edson Bicalho, representando os trabalhadores brasileiros, destaca que no País o bagaço da cana tem potencial similar à quatro usinas do porte de Belo Monte
Edson Bicalho (ao microfone) na reunião da IndustriALLCrédito: Leterra Comunicação

A IndustriALL Global Union, entidade que representa cerca de 50 milhões de trabalhadores dos setores químico, têxtil, de mineração, de energia e metalúrgico em 140 países, está reunida em Bogotá (Colômbia) para discutir sobre energia, mineração e metais básicos. Representantes de trabalhadores do Brasil, Argentina, Chile, Colômbia, República Dominicana, El Salvador, Guatemala, México, Suriname, Trinidad e Tobago, Suíça e Uruguai debatem, durante o evento, que começou na quarta-feira (12/09) e termina nesta sexta-feira (14/09), temas relevantes não somente a quem atua no setor, mas à toda a sociedade.

Entre eles, estão, diagnóstico e conjuntura geopolítica do setor de energia, desenvolvimento sustentável, transição energética, a localização e a força das multinacionais do setor, impacto da indústria 4.0, sindicalismo do futuro e estratégia da IndustriALL visando a proteção dos trabalhadores, do meio ambiente e do desenvolvimento. Edson Bicalho, que é integrante do Comitê Executivo da IndustriALL, secretário-geral da Federação dos Trabalhadores nas Indústrias Químicas e Farmacêuticas do Estado de São Paulo (Fequimfar) e presidente do Sindicato dos Trabalhadores nas Indústrias Químicas de Bauru e Região, participou do painel sobre desenvolvimento sustentável e transição energética e no encerramento do evento, vai falar sobre o potencial da biomassa da cana na geração de energia no Brasil.

Em sua apresentação, vai destacar que, em 2017, o volume de bioeletricidade gerada a partir do bagaço de cana ficou abaixo apenas da quantidade produzida pelas hidrelétricas, térmicas a gás e eólica, de acordo com dados da Unica (União das Indústrias de Cana-de-Açúcar). “Pouco mais da metade das cerca de 380 usinas em operação no Brasil comercializa eletricidade da biomassa da cana. Apenas 15% do potencial técnico da bioeletricidade sucroenergética são aproveitados”, detalha.  

Pelos números divulgados pela Unica, considerando a safra sucroenergética 2017/18, há potencial para produzir, com a biomassa da cana, energia equivalente ao volume de quase quatro usinas do porte de Belo Monte. “São dados que mostram as grandes oportunidades que temos para aproveitar melhor o potencial dessa fonte renovável e sustentável a partir de uma biomassa já existente nos canaviais e ajudar tanto na geração de emprego quanto na retomada do crescimento do Brasil. A biomassa é uma alternativa que o mundo procura para uma matriz energética limpa, mas o setor não entrega toda sua capacidade de geração de energia por falta de rede de transmissão e também por falta de leilão”, completa. A IndustriALL, fundada em 2012, tem como objetivo defender os trabalhadores através da luta por direitos trabalhistas, geração de emprego sustentável considerando fatores ambientais e as alterações climáticas e salário digno.
 

Edson Bicalho (ao microfone) na reunião da IndustriALLCrédito: Leterra Comunicação

A IndustriALL Global Union, entidade que representa cerca de 50 milhões de trabalhadores dos setores químico, têxtil, de mineração, de energia e metalúrgico em 140 países, está reunida em Bogotá (Colômbia) para discutir sobre energia, mineração e metais básicos. Representantes de trabalhadores do Brasil, Argentina, Chile, Colômbia, República Dominicana, El Salvador, Guatemala, México, Suriname, Trinidad e Tobago, Suíça e Uruguai debatem, durante o evento, que começou na quarta-feira (12/09) e termina nesta sexta-feira (14/09), temas relevantes não somente a quem atua no setor, mas à toda a sociedade.

Entre eles, estão, diagnóstico e conjuntura geopolítica do setor de energia, desenvolvimento sustentável, transição energética, a localização e a força das multinacionais do setor, impacto da indústria 4.0, sindicalismo do futuro e estratégia da IndustriALL visando a proteção dos trabalhadores, do meio ambiente e do desenvolvimento. Edson Bicalho, que é integrante do Comitê Executivo da IndustriALL, secretário-geral da Federação dos Trabalhadores nas Indústrias Químicas e Farmacêuticas do Estado de São Paulo (Fequimfar) e presidente do Sindicato dos Trabalhadores nas Indústrias Químicas de Bauru e Região, participou do painel sobre desenvolvimento sustentável e transição energética e no encerramento do evento, vai falar sobre o potencial da biomassa da cana na geração de energia no Brasil.

Em sua apresentação, vai destacar que, em 2017, o volume de bioeletricidade gerada a partir do bagaço de cana ficou abaixo apenas da quantidade produzida pelas hidrelétricas, térmicas a gás e eólica, de acordo com dados da Unica (União das Indústrias de Cana-de-Açúcar). “Pouco mais da metade das cerca de 380 usinas em operação no Brasil comercializa eletricidade da biomassa da cana. Apenas 15% do potencial técnico da bioeletricidade sucroenergética são aproveitados”, detalha.  

Pelos números divulgados pela Unica, considerando a safra sucroenergética 2017/18, há potencial para produzir, com a biomassa da cana, energia equivalente ao volume de quase quatro usinas do porte de Belo Monte. “São dados que mostram as grandes oportunidades que temos para aproveitar melhor o potencial dessa fonte renovável e sustentável a partir de uma biomassa já existente nos canaviais e ajudar tanto na geração de emprego quanto na retomada do crescimento do Brasil. A biomassa é uma alternativa que o mundo procura para uma matriz energética limpa, mas o setor não entrega toda sua capacidade de geração de energia por falta de rede de transmissão e também por falta de leilão”, completa. A IndustriALL, fundada em 2012, tem como objetivo defender os trabalhadores através da luta por direitos trabalhistas, geração de emprego sustentável considerando fatores ambientais e as alterações climáticas e salário digno.