A mobilização é organizada pelo movimento Brasil Metalúrgico*, integrado por sindicatos, federações e confederações de metalúrgicos de todo o País.
Metalúrgicos de LemeCrédito: Sindicato

As manifestações serão: Contra o fim dos direitos sociais e trabalhistas; em defesa das conquistas das Convenções Coletivas de Trabalho, Contra o desmonte da Previdência Social e sua reforma, contra a lei da terceirização e das privatizações do governo Temer.
Em vários Estados haverá paralisações e manifestações em portas de fábricas e atos unificados em SP, Rio de Janeiro, Minas Gerais, Bahia, Paraná, Rio Grande do Sul, Goiás.

Em São Paulo, haverá assembleias estendidas em mais de 40 empresas metalúrgicas, entre elas: Sabó, SPTF, Fame, Neade e Alfa Elevadores (veja endereços abaixo).

A partir das 8h, trabalhadores da capital, ABC, Guarulhos e do Interior vão se concentrar na Praça Ramos (centro) e, por volta das 9h30, sair em passeata pela rua Xavier de Toledo até a Rua Martins Fontes, sede da Superintendência Regional do Trabalho, onde será realizada uma grande manifestação. Os dirigentes também pediram audiência com o superintendente, Eduardo Anastasi, para as 10h30.

O presidente do Sindicato dos Metalúrgicos de São Paulo e Mogi das Cruzes e da CNTM, Miguel Torres, participará das assembleias na Sabó, SPTF, Neade e Alfa Elevadores e do ato na Superintendência.

O movimento reúne também outras categorias da indústria, todos em Campanha Salarial neste segundo semestre e unidos para defender suas convenções coletivas da destruição que as reformas podem provocar.

Alguns locais de protestos

São Paulo
- Sabó (5h45- rua Mateo Forte, 216, Lapa),
- SPTF (7h - Av. Presidente Wilson, 2.264, Mooca),
- Fame (7h – Rua Cajuru, 746, Belenzinho)
- Neade e Alfa Elevadores (8h –Rua Cesário Ramalho, 800 – Cambuci)
- Ato unificado na Superintendência Regional do Trabalho – 10h – Rua Martins Fontes, 109 (centro)

Guarulhos
empresas Tower (Arujá, 6h), Continental (Itapegica, 7h), ABB (Jd. São Roque, 7h), New Power (Cumbica, 7h), Permetal (V. Nova Cumbica, 7h)

Osasco
Assembleias a partir das 5h em 15 fábricas, entre elas, Meritor e Belgo/Cimaf

Rio de Janeiro
Protesto em frente à sede da Petrobras (centro)

Curitiba (PR)
Movimento em frente às fábricas, entre elas, Renault/Volks (5h), em São José dos Pinhais, e Volvo (6h), na Cidade Industrial

Rio Grande do Sul
Haverá paralisações em 28 empresas

Minas Gerais
Protestos em Itajubá, Belo Horizonte e Vale do Aço

Catalão (GO)
John Deere e Mitsubishi

*Integram o movimento:
CNTM/Força, CNM/CUT, FEM/CUT, Federação Democrática dos Metalúrgicos de Minas Gerais, FemetalMinas/CNTM, Federação dos Metalúrgicos do ESP/ Força, metalúrgicos da UGT, FITMETAL/CTB, Intersindical, CSP-Conlutas, CSB
 

Metalúrgicos de LemeCrédito: Sindicato

As manifestações serão: Contra o fim dos direitos sociais e trabalhistas; em defesa das conquistas das Convenções Coletivas de Trabalho, Contra o desmonte da Previdência Social e sua reforma, contra a lei da terceirização e das privatizações do governo Temer.
Em vários Estados haverá paralisações e manifestações em portas de fábricas e atos unificados em SP, Rio de Janeiro, Minas Gerais, Bahia, Paraná, Rio Grande do Sul, Goiás.

Em São Paulo, haverá assembleias estendidas em mais de 40 empresas metalúrgicas, entre elas: Sabó, SPTF, Fame, Neade e Alfa Elevadores (veja endereços abaixo).

A partir das 8h, trabalhadores da capital, ABC, Guarulhos e do Interior vão se concentrar na Praça Ramos (centro) e, por volta das 9h30, sair em passeata pela rua Xavier de Toledo até a Rua Martins Fontes, sede da Superintendência Regional do Trabalho, onde será realizada uma grande manifestação. Os dirigentes também pediram audiência com o superintendente, Eduardo Anastasi, para as 10h30.

O presidente do Sindicato dos Metalúrgicos de São Paulo e Mogi das Cruzes e da CNTM, Miguel Torres, participará das assembleias na Sabó, SPTF, Neade e Alfa Elevadores e do ato na Superintendência.

O movimento reúne também outras categorias da indústria, todos em Campanha Salarial neste segundo semestre e unidos para defender suas convenções coletivas da destruição que as reformas podem provocar.

Alguns locais de protestos

São Paulo
- Sabó (5h45- rua Mateo Forte, 216, Lapa),
- SPTF (7h - Av. Presidente Wilson, 2.264, Mooca),
- Fame (7h – Rua Cajuru, 746, Belenzinho)
- Neade e Alfa Elevadores (8h –Rua Cesário Ramalho, 800 – Cambuci)
- Ato unificado na Superintendência Regional do Trabalho – 10h – Rua Martins Fontes, 109 (centro)

Guarulhos
empresas Tower (Arujá, 6h), Continental (Itapegica, 7h), ABB (Jd. São Roque, 7h), New Power (Cumbica, 7h), Permetal (V. Nova Cumbica, 7h)

Osasco
Assembleias a partir das 5h em 15 fábricas, entre elas, Meritor e Belgo/Cimaf

Rio de Janeiro
Protesto em frente à sede da Petrobras (centro)

Curitiba (PR)
Movimento em frente às fábricas, entre elas, Renault/Volks (5h), em São José dos Pinhais, e Volvo (6h), na Cidade Industrial

Rio Grande do Sul
Haverá paralisações em 28 empresas

Minas Gerais
Protestos em Itajubá, Belo Horizonte e Vale do Aço

Catalão (GO)
John Deere e Mitsubishi

*Integram o movimento:
CNTM/Força, CNM/CUT, FEM/CUT, Federação Democrática dos Metalúrgicos de Minas Gerais, FemetalMinas/CNTM, Federação dos Metalúrgicos do ESP/ Força, metalúrgicos da UGT, FITMETAL/CTB, Intersindical, CSP-Conlutas, CSB