Há cerca de um ano o Sindicato vem tentando negociar com a Hyundai a data base e o piso salarial, mas as tentativas são frustradas.
        
A Hyundai informou ao Sindicato que vai seguir a Convenção Coletiva negociada  entre a entidade e o Simespi (sindicato patronal) e aí acontece a divergência, já que o Sindicato entende que a empresa, que é uma montadora, tem que seguir o Sinfavea, sindicato patronal que a representaria. “Não é possível uma montadora querer seguir uma fundição, caldeiraria, serralheria e outras empresas do setor metalúrgico. Ela tem que negociar como uma montadora”, disse o presidente do Sindicato, José Luiz Ribeiro. O piso salarial de uma montadora atinge R$ 1.600,00 e de outras empresas da cidade, que não são montadoras, é de cerca de R$ 1.100,00.
        
“Não dá para aceitar que os trabalhadores da Ford, GM, Volks, FIAT, tenham o piso de R$ 1.600,00 e os companheiros da Hyundai de Piracicaba, montadora igual as demais, ganhem menos. O Sindicato não vai aceitar essa prática. Desse jeito a Hyundai começa muito mal em Piracicaba”, disse.
        
Outra reivindicação do Sindicato é a data base correta de uma montadora. Os metalúrgicos têm data base em 1º de novembro, enquanto que os trabalhadores das montadoras têm data base em setembro. A Hyundai informou que vai seguir a data base de 1º de novembro. “Isso está errado e também não vamos aceitar”, disse Zé Luiz. Os trabalhadores das montadoras, devido ao período inflacionário de setembro/2010 a agosto/2011 tiveram aumento de cerca de 12% este ano, enquanto que os trabalhadores metalúrgicos tiveram reajuste de 9,5% graças à inflação do período novembro/2010 a outubro/2011.
        
Durante a Assembleia o presidente do Sindicato disse que a Hyundai é bem-vinda em Piracicaba, mas que deve respeitar a legislação brasileira e não querer impor algo danoso aos conjunto dos trabalhadores.
        
Os trabalhadores se manifestaram na Assembleia e fizeram uma série de denúncias ao Sindicato. Elas serão levadas ao Ministério Público. Entre as denúncias estão casos graves de assédio moral, falta de higiene, falta de qualidade na alimentação e convênio médico diferenciado entre gerentes (escritório) e os trabalhadores da produção.
        
Zé Luiz informou aos trabalhadores que esse ano, em negociação com a Hyundai, o Sindicato conquistou a PLR (Participação nos Lucros e Resultados) no valor de R$ 1.000,00 e projetou R$ 2.700,00 para o ano que vem. “Isso porque não temos carro sendo produzido. Em 2013, quando a montadora estiver funcionando a todo vapor, a PLR tem que acompanhar o valor das demais montadoras, que é de R$ 10.000,00 a R$ 15.000,00”, disse.
        
A entidade deixou claro que quer dialogar e manter uma agenda de negociação permanente com a empresa, principalmente quanto ao fim das irregularidades denunciadas pelos trabalhadores na Assembleia.

Construção Civil

Os trabalhadores da construção civil, que trabalham nas obras da Hyundai e empresas satélites denunciaram ao Sindicato uma série de irregularidades como péssimas condições de higiene, banheiros químicos que são limpos uma vez por mês apenas, refeições que são feitas dentro dos banheiros, já que eles são proibidos de se alimentarem juntamente com os demais trabalhadores da Hyundai, falta de água, assédio moral, alojamento precários e outras.
        
“É um absurdo o que ouvimos aqui hoje”, disse Zé Luiz. O Sindicato dos Metalúrgicos está solidário aos companheiros da construção civil e vai encaminhar essas denúncias so sindicato da categoria e a todo o movimento sindical de Piracicaba.