Segundo publicou o Diário, neste ano, a categoria pede 5% de reajuste real (além da reposição da inflação) - índice superior ao solicitado pelo Sindicato dos Frentistas de São Paulo; PLR (Participação nos Lucros e Resultados) - benefício esse que ainda não foi conquistado -; melhoria do tíquete-refeição (de R$ 8,20/por dia para R$ 12/por dia) e reajuste do piso salarial, de R$ 669 para R$ 800.

Segundo o presidente do Sindicato dos Frentistas do ABC, Miguel Gama Neto, a pauta deverá ser entregue ainda em dezembro, logo depois da apresentação, em assembleia, aos trabalhadores. "A ideia é antecipar o processo o quanto antes, já que as negociações sempre são demoradas e difíceis com o sindicato patronal", enfatiza.

Gama Neto conta que a grande dificuldade é de incorporar na pauta a PLR, já que comprovar o lucro dos donos de postos é praticamente impossível. "Eles sempre dizem que estão no vermelho. Mas, sabemos que o faturamento cresceu já que a cada dia mais pessoas compram seus veículos, devido às facilidades de financiamento."

SALÁRIO - Um frentista que atua entre as sete cidades recebe, em média, R$ 809,71, já somado os 30% de periculosidade sobre o salário-base. Esse cálculo é feito para as atividades de risco, que envolvem inflamáveis, explosivos, eletricidade ou radiações.

"Mesmo assim, queremos melhorar a renda da categoria, por isso pedimos o reajuste no piso salarial", conta Gama Neto.

A classe trabalhista responde por 3.000 funcionários no Grande ABC, que estão divididos entre, cerca de, 400 postos ativos. "Este é um segmento muito rentável, quando bem administrado. É só olhar o quanto a frota de veículos cresceu nos últimos anos. Todos que possuem carro precisam abastecê-lo, independentemente do preço do combustível", destaca o presidente do sindicato regional.

Neste ano, a campanha é voltada às cláusulas econômicas, já que as sociais foram firmadas em 2009, e valerá pelo período de dois anos.

ASSEMBLEIA - A apresentação da pauta acontece no dia 12 (domingo) na sede do sindicato, em Santo André (Rua Manoel Vaz, 341, Vila Leopoldina). O horário não foi definido.