Decisão foi tomada após prisão de dirigentes do grupo
Sindicalistas do setor da alimentação vão acompanhar situação dos trabalhadores das unidades da JBSCrédito: Arquivo fetiasp
Antonio Vitor com o presidente Temer. Em pauta a retomada da economia e geração de emprego

O sindicalista Antonio Vítor, presidente da Fetiasp (Federação dos Trabalhadores nas Indústrias da Alimentação do Estado de São Paulo), vai se reunir com dirigentes de sindicatos que têm em suas bases unidades da JBS, empresa considerada a maior produtora de proteína animal do mundo e que detém 80% do mercado brasileiro.

A reunião foi uma sugestão do presidente da Força Sindical, Paulo Pereira da Silva, Paulinho. A intenção é  acompanhar a situação dos trabalhadores do grupo JBS, após a prisão de alguns de seus dirigentes.

Todo este trabalho é para evitar o que aconteceu com o setor da construção, que perdeu cerca de 100 mil empregos depois das denúncias contra a Odebrecht e a prisão de seu proprietário.

No estado de São Paulo existem unidades da JBS nas bases dos sindicatos de trabalhadores da alimentação de Araçatuba, Boituva, Campinas, Franca e São José do Rio Preto.

Antonio Vítor acredita que na área da alimentação a situação será diferente. Em vez de obras paradas, como na construção, outras empresas do setor vão comprar as unidades da JBS.

Ele observa que o frigorífico Minerva comprou as unidades da JBS na Argentina, no Paraguai e no Uruguai.

Antonio Vitor participou hoje (dia 12) da reunião dos representantes das centrais sindicais e empresários com o presidente Temer. Sindicalistas e empresários entregaram documento ao presidente sugerindo medidas para a retomada da economia e do emprego.
 


 

Sindicalistas do setor da alimentação vão acompanhar situação dos trabalhadores das unidades da JBSCrédito: Arquivo fetiasp
Antonio Vitor com o presidente Temer. Em pauta a retomada da economia e geração de emprego

O sindicalista Antonio Vítor, presidente da Fetiasp (Federação dos Trabalhadores nas Indústrias da Alimentação do Estado de São Paulo), vai se reunir com dirigentes de sindicatos que têm em suas bases unidades da JBS, empresa considerada a maior produtora de proteína animal do mundo e que detém 80% do mercado brasileiro.

A reunião foi uma sugestão do presidente da Força Sindical, Paulo Pereira da Silva, Paulinho. A intenção é  acompanhar a situação dos trabalhadores do grupo JBS, após a prisão de alguns de seus dirigentes.

Todo este trabalho é para evitar o que aconteceu com o setor da construção, que perdeu cerca de 100 mil empregos depois das denúncias contra a Odebrecht e a prisão de seu proprietário.

No estado de São Paulo existem unidades da JBS nas bases dos sindicatos de trabalhadores da alimentação de Araçatuba, Boituva, Campinas, Franca e São José do Rio Preto.

Antonio Vítor acredita que na área da alimentação a situação será diferente. Em vez de obras paradas, como na construção, outras empresas do setor vão comprar as unidades da JBS.

Ele observa que o frigorífico Minerva comprou as unidades da JBS na Argentina, no Paraguai e no Uruguai.

Antonio Vitor participou hoje (dia 12) da reunião dos representantes das centrais sindicais e empresários com o presidente Temer. Sindicalistas e empresários entregaram documento ao presidente sugerindo medidas para a retomada da economia e do emprego.