Voltaram a circular, na madrugada desta quarta-feira (28), os 28 ônibus do transporte coletivo e quatro de fretamento para estudantes de Peruíbe, da empresa Jundiá.
IndiceCrédito: Arquivo

Diante de liminar que obrigava os trabalhadores a colocarem em circulação 50% da frota, eles resolveram, em assembleia às 4h20, pôr nas ruas todos os veículos.
Está marcada uma audiência de instrução e conciliação para as 11 horas desta quinta-feira (29), no tribunal regional do trabalho (trt) de Campinas.
O resultado da audiência será apresentado em nova assembleia do sindicato dos trabalhadores em transportes rodoviários de Santos e região, na manhã de sexta-feira (30).
A categoria reclama o vale salarial, correspondente a 40% do pagamento de novembro, que deveria ter sido quitado na terça-feira da semana passada (20), conforme o acordo coletivo de trabalho.
Os motoristas, monitores, pessoal de manutenção e administrativo, num total de 130 empregados, paralisaram o trabalho, espontaneamente, na manhã de segunda-feira (26).
O vice-presidente do sindicato, ‘Betinho’ José Alberto Torres Simões, diz que a decisão de acatar a liminar e colocar toda a frota em circulação foi tomada pelos empregados “em consideração aos usuários”.
“A população sempre é afetada numa paralisação, mas entende a situação dos motoristas e demais empregados, que são os principais prejudicados”, pondera o sindicalista.
O secretário-geral do sindicato, ‘Ferrugem’ Eronaldo José de Oliveira, reclama que os atrasos salariais são frequentes. A mais recente paralisação foi em 1º de outubro.
Betinho e Ferrugem lembram que os salários de julho e agosto foram pagos com atraso nos dois meses subsequentes. Eles esperam que a empresa reconheça o erro e não o repita.
 

IndiceCrédito: Arquivo

Diante de liminar que obrigava os trabalhadores a colocarem em circulação 50% da frota, eles resolveram, em assembleia às 4h20, pôr nas ruas todos os veículos.
Está marcada uma audiência de instrução e conciliação para as 11 horas desta quinta-feira (29), no tribunal regional do trabalho (trt) de Campinas.
O resultado da audiência será apresentado em nova assembleia do sindicato dos trabalhadores em transportes rodoviários de Santos e região, na manhã de sexta-feira (30).
A categoria reclama o vale salarial, correspondente a 40% do pagamento de novembro, que deveria ter sido quitado na terça-feira da semana passada (20), conforme o acordo coletivo de trabalho.
Os motoristas, monitores, pessoal de manutenção e administrativo, num total de 130 empregados, paralisaram o trabalho, espontaneamente, na manhã de segunda-feira (26).
O vice-presidente do sindicato, ‘Betinho’ José Alberto Torres Simões, diz que a decisão de acatar a liminar e colocar toda a frota em circulação foi tomada pelos empregados “em consideração aos usuários”.
“A população sempre é afetada numa paralisação, mas entende a situação dos motoristas e demais empregados, que são os principais prejudicados”, pondera o sindicalista.
O secretário-geral do sindicato, ‘Ferrugem’ Eronaldo José de Oliveira, reclama que os atrasos salariais são frequentes. A mais recente paralisação foi em 1º de outubro.
Betinho e Ferrugem lembram que os salários de julho e agosto foram pagos com atraso nos dois meses subsequentes. Eles esperam que a empresa reconheça o erro e não o repita.