O Sindicato dos Trabalhadores no Transporte de Valores e Escolta Armada do Estado de São Paulo (SindForte) concluiu no último dia 19 de dezembro a campanha salarial no setor de escolta armada. O acordo fechado com o sindicato patronal garantiu aumento acima da inflação nos salários e vale-refeição, além de manter todos os direitos da Convenção Coletiva por mais dois anos.
Presidente Joao Passos comanda mobilizacao em Campinas, dia 23 de novembro de 2015Crédito: Agência Sindical

Aumento - O reajuste nos salários foi de 4,05%, que será aplicado a todos os salários, Pisos e demais verbas de natureza salarial (horas extras, adicional noturno etc.). O índice deve superar o INPC/IBGE acumulado na data-base (1º de janeiro), estimado em 3,56%.

Vale-refeição - A negociação também garantiu aumento real nesse importante benefício. O reajuste ficou em 6%. O valor de face do vale-refeição sobe pra R$ 25,40.

O presidente do SindForte, João Passos, conta que os patrões chegaram na mesa de negociação com uma lista de sete itens, querendo derrubar direitos. Ele afirma: “Nós repudiamos a manobra e no final da negociação todos os nossos direitos foram mantidos”.

A categoria no Estado de São Paulo é formada por cerca de três mil trabalhadores.

Mais informações: www.sindforte.org.br

Presidente Joao Passos comanda mobilizacao em Campinas, dia 23 de novembro de 2015Crédito: Agência Sindical

Aumento - O reajuste nos salários foi de 4,05%, que será aplicado a todos os salários, Pisos e demais verbas de natureza salarial (horas extras, adicional noturno etc.). O índice deve superar o INPC/IBGE acumulado na data-base (1º de janeiro), estimado em 3,56%.

Vale-refeição - A negociação também garantiu aumento real nesse importante benefício. O reajuste ficou em 6%. O valor de face do vale-refeição sobe pra R$ 25,40.

O presidente do SindForte, João Passos, conta que os patrões chegaram na mesa de negociação com uma lista de sete itens, querendo derrubar direitos. Ele afirma: “Nós repudiamos a manobra e no final da negociação todos os nossos direitos foram mantidos”.

A categoria no Estado de São Paulo é formada por cerca de três mil trabalhadores.

Mais informações: www.sindforte.org.br