grupo Vulcabrás/Azaleia confirmou ontem o fechamento de sua unidade de produção de calçados de Parobé, no Rio Grande do Sul, e a demissão dos 800 empregados da fábrica. A empresa atribuiu a medida à perda de competitividade das exportações brasileiras e à concorrência, no mercado nacional, dos calçados produzidos no exterior, facilitadas pelo câmbio.

"Na atual conjuntura econômica brasileira, os setores intensivos em mão de obra têm sido obrigados a realizar ajustes em função de vários fatores adversos que já foram extensivamente diagnosticados, mas que seguem intocados pela política econômica e, incompreensivelmente, com perspectivas cada vez mais claras de consolidação", diz um trecho do comunicado da empresa.

"Temos feito progressos no ajuste a esta conjuntura, mas a crescente participação de calçados importados no mercado interno e a perda de competitividade nas exportações não favorecem uma expansão expressiva dos nossos volumes de venda", prossegue a nota.

"Assim, os ajustes de produtividade que preferencialmente - para nós e nossos colaboradores - poderiam ser feitos com "maior produção com os mesmos meios" têm de ser feitos na base de "mesma produção com menores meios", impondo-nos a dura tarefa de acelerar as reduções de custos para a velocidade determinada pelo avanço das variáveis externas à companhia."

Ajuste. A empresa também considera que, apesar de "relativo, pequeno", por cortar 800 vagas de um total de 44 mil que o grupo tem em suas fábricas e reduzir a produção de 250 mil para 242 mil pares de calçados por dia, o ajuste se tornou uma "medida penosa, porém necessária".

O grupo vai manter em Parobé as diretorias de marketing e desenvolvimento de produtos, de tecnologia e de planejamento, bem como as áreas de suprimentos, logística e recursos humanos, com cerca de 1,5 mil profissionais.

A cidade de Parobé, localizada na encosta da serra, na região nordeste do Rio Grande do Sul, foi o berço da Azaleia, fabricante de calçados femininos e esportivos criada em 1958 e vendida para a Vulcabrás em 2007.

Pé no freio

44 mil
funcionários tem o grupo Vulcabrás/Azaleia, que vai cortar 800 vagas

242 mil
pares de calçados é a produção diária da empresa, após a decisão de fechar a fábrica em Parobé

 grupo Vulcabrás/Azaleia confirmou ontem o fechamento de sua unidade de produção de calçados de Parobé, no Rio Grande do Sul, e a demissão dos 800 empregados da fábrica. A empresa atribuiu a medida à perda de competitividade das exportações brasileiras e à concorrência, no mercado nacional, dos calçados produzidos no exterior, facilitadas pelo câmbio.

"Na atual conjuntura econômica brasileira, os setores intensivos em mão de obra têm sido obrigados a realizar ajustes em função de vários fatores adversos que já foram extensivamente diagnosticados, mas que seguem intocados pela política econômica e, incompreensivelmente, com perspectivas cada vez mais claras de consolidação", diz um trecho do comunicado da empresa.

"Temos feito progressos no ajuste a esta conjuntura, mas a crescente participação de calçados importados no mercado interno e a perda de competitividade nas exportações não favorecem uma expansão expressiva dos nossos volumes de venda", prossegue a nota.

"Assim, os ajustes de produtividade que preferencialmente - para nós e nossos colaboradores - poderiam ser feitos com "maior produção com os mesmos meios" têm de ser feitos na base de "mesma produção com menores meios", impondo-nos a dura tarefa de acelerar as reduções de custos para a velocidade determinada pelo avanço das variáveis externas à companhia."

Ajuste. A empresa também considera que, apesar de "relativo, pequeno", por cortar 800 vagas de um total de 44 mil que o grupo tem em suas fábricas e reduzir a produção de 250 mil para 242 mil pares de calçados por dia, o ajuste se tornou uma "medida penosa, porém necessária".

O grupo vai manter em Parobé as diretorias de marketing e desenvolvimento de produtos, de tecnologia e de planejamento, bem como as áreas de suprimentos, logística e recursos humanos, com cerca de 1,5 mil profissionais.

A cidade de Parobé, localizada na encosta da serra, na região nordeste do Rio Grande do Sul, foi o berço da Azaleia, fabricante de calçados femininos e esportivos criada em 1958 e vendida para a Vulcabrás em 2007.

Pé no freio

44 mil
funcionários tem o grupo Vulcabrás/Azaleia, que vai cortar 800 vagas

242 mil
pares de calçados é a produção diária da empresa, após a decisão de fechar a fábrica em Parobé