Começa a funcionar em meados de agosto um núcleo de conciliação no Tribunal Regional do Trabalho (TRT) da 2ª Região, que atende a Grande São Paulo e a Baixa Santista. O órgão será formado por magistrados e membros do Ministério Público aposentados.

De acordo com a desembargadora Lilian Mazzeu, coordenadora do Núcleo Permanente de Métodos Consensuais de Solução de Conflitos, cerca de 1,5 mil ações já estão na fila de espera. As partes interessadas em levar seus casos à conciliação podem se inscrever no site no TRT (www.trt2.gov.br).

"O objetivo é promover mais uma possibilidade de acordo, fora do movimento processual tradicional", afirma a desembargadora, lembrando que a criação do núcleo ocorre poucos meses depois da publicação da Resolução nº 125 do Conselho Nacional de Justiça (CNJ), que instituiu uma política nacional de conciliação.

Processos sobre o mesmo assunto, em diferentes varas, poderão ser levados para uma única sessão de conciliação, segundo a desembargadora. "Isso vai acelerar a tramitação dos processos", diz Lilian.