O Brasil ultrapassou o Canadá em 2017 e passou a ter a oitava maior capacidade instalada de energia eólica no mundo, segundo relatório divulgado pela Global Wind Energy Council (GWEC).
energia eólicaCrédito: Divulgação

No ano passado, a capacidade eólica no país aumentou em 2,02 GW, subindo para 12,76 GW no total. Quem lidera o ranking no mundo é a China, com 188 GW, 35% do total mundial, seguida pelos Estados Unidos, com 89 GW, e Alemanha, 56 GW.

Como o Brasil ficou dois anos sem leilões na área, em 2016 e 2017, explica a presidente da Abeeólica, Élbia Gannoum, o país pode cair de posição nos próximos anos, porque haverá menos projetos sendo concluídos entre 2019 e 2020.

“Temos hoje uma capacidade instalada que está quase chegando aos 13 GW, com mais de 500 parques eólicos e chegamos a abastecer 11% do país e mais de 60% do Nordeste, na época que chamamos de “safra dos ventos”, que vai mais ou menos de junho a novembro", disse Élbia.

O crescimento da energia eólica no mundo é muito forte. Em 2001, havia apenas 23 GW de potência instalada. Em 2017, o número subiu para 539 GW.

 

energia eólicaCrédito: Divulgação

No ano passado, a capacidade eólica no país aumentou em 2,02 GW, subindo para 12,76 GW no total. Quem lidera o ranking no mundo é a China, com 188 GW, 35% do total mundial, seguida pelos Estados Unidos, com 89 GW, e Alemanha, 56 GW.

Como o Brasil ficou dois anos sem leilões na área, em 2016 e 2017, explica a presidente da Abeeólica, Élbia Gannoum, o país pode cair de posição nos próximos anos, porque haverá menos projetos sendo concluídos entre 2019 e 2020.

“Temos hoje uma capacidade instalada que está quase chegando aos 13 GW, com mais de 500 parques eólicos e chegamos a abastecer 11% do país e mais de 60% do Nordeste, na época que chamamos de “safra dos ventos”, que vai mais ou menos de junho a novembro", disse Élbia.

O crescimento da energia eólica no mundo é muito forte. Em 2001, havia apenas 23 GW de potência instalada. Em 2017, o número subiu para 539 GW.