artigo / opinião
secretarias
Relações Internacionais
qui, 23 de out/2014
jornal da força
Edição nº 94 sex, 03 de out/2014
agenda

OUT/2014

D
S
T
Q
Q
S
S
 
 
 
01
02
03
04
05
06
070809
10
11
12
131415161718
19
20
21
22
23
24
25
2627
28
2930
31
 
Notícias da Força
Compartilhe esta notícia com seus contatos das Redes Sociais
sex, 22 de fev/2013
FONTE: Assessoria de Imprensa da Força Sindical

São Paulo (SP): Portuários realizam greve em todo País por mudanças na MP dos portos

De norte a sul do Brasil, os portuários cruzaram os braços desde as 7 horas desta sexta-feira. A paralisação foi pacifica segundo os dirigentes sindicais que comandaram os protestos contra a MP dos Portos (Medida Provisória 595) que precariza suas condições de trabalho.

Arquivo: Força Sindical

Vários dirigentes da Força Sindical engrossaram as manifestações em vários estados, especialmente no porto de Santos, no litoral paulista. Levantamento feito pela Força Sindical mostra que fizeram greve os trabalhadores dos portos nos seguintes estados: Amapá; Amazonas (Itacoatira, Manaus e Parintins); Pernambuco;  Bahia (Salvador, Ilheus e Aratu); Sudeste (Santos/SP; Vitória, Capuava e Vila Velha/ES; e Rio de Janeiro); Sul (Paranaguá/PR; Itajaí/SC e Rio Grande/RS).

Rodnei Oliveira da Silva, presidente do Sindicato dos Estivadores de Santos, São Vicente, Guarujá e Cubatão, informou que a manifestação dos trabalhadores, realizada no Posto de Escalação nº 3, na Ponta da Praia, foi pacifica.

No Porto de Paranaguá (PR), a mobilização envolveu as diferentes categorias, como estiva, avulsos, arrumadores, consertadores, vigias, conferentes, pessoal da administração do porto e até os caminhoneiros”, declarou NelsonAntonio Carlos Bonzato, presidente do Sindicato dos Estivadores.

Em Macapá(AP), “os trabalhadores estão conscientes dos malefícios da MP”, destacou Jarbas Gomes Pereira, presidente do Sindicato dos Estivadores. Segundo ele, o governo quer passar os portos ao setor privado, sem o compromisso de modernizar concretamente os portos.

No Porto do Rio Grande (RS), todas as categorias aderiram à greve, informou Paulo Roberto Issaurriga Cabral, presidente do Sindicato dos Estivadores.
De acordo com Aurélio de Moura, presidente do sindicato dos Estivadores de Angra dos Reis (RJ), a greve foi pacífica e os trabalhadores estão firmes na defesa de seus direitos.

A intenção é esclarecer a sociedade sobre a precarização do trabalho nos portos e as perdas para as cidades portuárias devido a MP dos Portos, que está tramitando no Congresso Nacional.

Em Pernambuco a adesão dos trabalhadores foi de 100% segundo, Josias Martins Santiago, presidente do Sindicato dos Estivadores.

Osvaldo Mafra, presidente da Central em Santa Catarina, disse que os manifestantes fizeram a manifestação na parte interna do porto e a adesão foi de 100%.

Antonio Carlos Castro da Silva, presidente do Sindicato dos Estivadores de Itacoatiara, informou que a paralisação dos portos no Amazonas foi de 100% nos portos de Manaus, Parintins e Itacoatiara.

No Amapá, Jarbas Gomes Pereira, presidente do Sindicato dos Estivadores do Amapá, declarou que todos os trabalhadores aderiram a paralisação e vão permanecer mobilizados até que a situação seja resolvida.

Claudir Macedo, presidente do Sindicato dos Estivadores RJ, destacou que a greve foi total no porto e que a mobilização contou com o apoio da Força Sindical.

Ao mesmo tempo que os trabalhadores paralisaram as atividades nos portos, o presidente da Força Sindical, Paulo Pereira da Silva (Paulinho) e dirigentes sindicais dos portuários estão reunidos com o governo para discutir alterações na MP dos portos. “Vamos manter as mobilizações até que possamos garantir condições de trabalho dignas nos portos e a manutenção dos empregos no setor”, afirma o presidente da Força Sindical, Paulo Pereira da Silva o Paulinho.

Dirigentes sindicais portuários também falaram sobre o protesto para o site G1.

Segundo o Sindicato dos Estivadores, cerca de 30 mil portuários em todo o país participam da paralisação.

Em Santos, os portuários se reuniram em frente ao posto de escalação do Orgão Gestor de Mão de Obra (Ogmo) com faixas para protestar contra da MP 595 nesta sexta-feira. Os trabalhadores participaram da escalação do Ogmo como fazem todos os dias. Eles foram para os terminais portuários, mas paralisam as atividades. Eles ficarão um turno em greve, das 7h às 13h. Sobre a determinação do TST, os sindicatos de Santos dizem que não foram avisados.

De acordo com David Silva, segundo secretário do Sindicato dos Trabalhadores Administrativos em Capatazia (Sindaport), a greve continua até as 13h. Em seguida, os trabalhadores voltam ao trabalho, respeitando a escala feita pelo Ogmo. David explica que às 11h30 os trabalhadores se reúnem em frente ao portão da presidência do órgão gestor. O secretário informou que os trabalhadores aguardam o resultado da reunião em Brasília com representantes da federação e dos sindicatos. Outra greve está prevista para terça-feira.

Na Bahia, os trabalhadores do Porto de Salvador aderem à paralisação nacional nesta sexta-feira e proíbem o acesso de pessoas e cargas no terminal. De acordo com os manifestantes, a paralisação acontece até as 13h desta sexta-feira.

"Somos contrários a essa medida,  já que se ela for aprovada como ela está, ela vai acabar com o trabalhador portuário. Vai acabar com o nosso mercado de trabalho", explica o presidente do Sindicato dos Portuário da Bahia, Ulisses Oliveira Júnior.

Dentre os questionamentos, eles pedem uma análise mais detalhada sobre as definições do porto organizado, uma autoridade portuária, conselho de supervisão, além do fortalecimento financeiro. A categoria prevê nova paralisação na terça-feira (26), das 13h às 19h.

Todos os portos do Espírito Santo estão parados, sem nenhum tipo de exercício, nesta manhã. De acordo com o Sindicato Unificado da Orla Portuária (Suport-ES), mais de cinco mil trabalhadores vão ficar com os braços cruzados até às 13h. O presidente da Companhia Docas do Espírito Santo (Codesa) informou que quatro navios de carga estão atracados nos portos, mas sem movimentação, o que representa um prejuízo estimado em R$ 280 mil.

De acordo com o presidente do Suport-ES, Ernani Pereira Pinto, os trabalhadores portuários do estado temem uma demissão em massa com a terceirização dos portos públicos. Os manifestantes estenderam faixas em frente ao Palácio Anchieta, no Centro de Vitória, e se concentram com cartazes nos portos de Vitória, de Vila Velha, e Aracruz.

“Esta medida provisória traz prejuízos gritantes para a nossa categoria e por isso precisamos analisar alguns pontos. Além da garantia de não demitir integrantes da nossa categoria, queremos ter direito de voz e voto no conselhos administrativo e de autoridade portuária”, explicou Pinto

Os trabalhadores do porto de Rio Grande, no Sul do Rio Grande do Sul, também aderiram à paralisação nacional dos portuários. Conforme o diretor do sindicato no município, Claudio Gonçalves, a maioria dos funcionários deve aderir à manifestação. A concentração em frente ao porto começou pela manhã, e deve ir até as 13h. Eles são contrários à Medida Provisória 595 do governo federal, que prevê mudanças nas atividades portuárias.

"Estamos manifestando contra a medida provisória, não concordamos com as mudanças nas regras", disse ele ao G1. O diretor acrescentou que acredita na participação de cerca de mil trabalhadores.

Mesmo diante da decisão do TST, os funcionários de Rio Grande não devem mudar os planos. "Não ficamos sabendo disso. Agora que já começamos, vamos continuar", afirmou Gonçalves.

No Paraná, cerca de 800 estivadores que trabalham no Porto de Paranaguá, no litoral do estado, aderiram nesta à mobilização nacional que paralisa por seis horas as atividades. A categoria é contra a Medida Provisória (MP) 595/12, que prevê mudanças nas atividades portuárias. O movimento deve  terminar às 13h e ocorre mesmo com a liminar concedida pelo Tribunal Superior de Trabalho (TST) que impediu a articulação.

O presidente do Sindicato dos Estivadores de Paranaguá e Pontal do Paraná (Sindestiva), Antonio Carlos Bonzato, afirmou que está em Brasília e não tem conhecimento da liminar. Segundo ele, a categoria não foi chamada para discutir este pacote divulgado pelo governo e isso foi um dos motivos da paralisação.

“No nosso entendimento, o nosso sindicato tem mais de 110 anos, a médio prazo a medida provisória vai quebrar os portos que são públicos e os terminais privados que estão dentro”, afirmou Bonzato.  Ele avalia que a MP 595 cria uma concorrência desleal entre os futuros investidores e os que já atuam no setor. A MP, de acordo com Bonzato, traz melhores condições para quem vai investir.

 

download de arquivos relacionados
nenhum comentário enviado
faça seu comentário
600
conteúdo relacionado
áudios
qua, 15 de out/2014

palavra do presidente
Miguel Torres, presidente da Força Sindical
cultura
filmes relacionados ao mundo do trabalho

Dica de filme: Tempos Modernos (Modern Times)

Na década de 1930 a produção em série industrial era a imagem da modernidade, impondo um estilo de vida que se baseava no tempo de trabalho, na hierarquia do sistema produtivo e no poder de consumo que cada camada desta hierarquia passou a ter. Leia mais ...
imagens
2014-09-01 00:00:00
charges

Rua Rocha Pombo, 94
Liberdade / SP - Brasil
CEP 01525-010

pabx
55 11 3348.9000