Piorou em 2017 o estado da democracia global, segundo o estudo Índice da Democracia, realizado pela revista britânica "The Economist" desde 2006 por meio da Economist Intelligence Unit.
democracia1Crédito: Gilmar

O relatório, divulgado nesta quarta-feira (31), avalia 165 países e dois territórios —Estados muito inexpressivos são deixados de fora.

O índice, em uma escala de 0 a 10, se baseia na nota de 60 indicadores, reunidos em cinco categorias: processo eleitoral e pluralismo, liberdades civis, funcionamento do governo, participação política e cultura política.

Na média global, houve um declínio de 5,52 em 2016 para 5,48 no ano passado. O nível é o pior desde 2010, quando esteve em 5,46.

O relatório aponta que essa tendência de queda/estagnação vem se refletindo no índice anual desde a primeira edição, em 2006.

As manifestações dessa "recessão na democracia" —termo que o estudo empresta do cientista político americano Larry Diamond, da Universidade Stanford— são: o declínio da participação popular em eleições; a fraqueza no funcionamento dos governos; o declínio da confiança nas instituições; o apelo em queda dos partidos políticos tradicionais; a crescente influência de instituições e órgãos de especialistas não eleitos; o crescente abismo entre as elites políticas e o eleitorado; o declínio na liberdade de expressão; e a erosão das liberdades civis.

A liberdade de imprensa atingiu seu pior nível desde 2006, com restrições até em democracias consolidadas. Apenas 30 dos 167 Estados analisados —ou 11% da população global— foram classificados como "totalmente livres" nessa área.

Regressões no estado da democracia ocorridas na Europa Ocidental —em especial França, Alemanha e Espanha— foram tão significativas quanto as do Leste Europeu.

A nota dos EUA havia caído para 7,98 em 2016 —e se manteve inalterada no ano passado—, quando o país deixou o grupo de "democracias completas" e foi rebaixado ao das "democracias falhas". Esse movimento, aponta o relatório, já refletia "a queda aguda da confiança popular no funcionamento das instituições públicas, uma tendência que precedeu —e ajudou— a eleição de Donald Trump.

Em 2017, nenhuma das regiões do mundo observou uma melhora na média de seu índice de democracia em relação ao ano anterior —a América do Norte (Canadá e EUA) apenas manteve a nota.

Europa Ocidental, Europa Oriental, Oriente Médio/Norte da África, África Subsaariana, América Latina e Ásia (inclui Oceania) tiveram uma piora em suas médias.

A Ásia teve a maior regressão —passou de 5,74 para 5,63, puxada pelo declínio da nota de suas duas maiores democracias emergentes, Índia e Indonésia. Também é de lá o país com a pior nota do mundo, a Coreia do Norte.

Na América Latina, o destaque negativo ficou por conta da Venezuela, que passou de "regime híbrido" para "regime autoritário".

BRASIL

O estado da democracia no Brasil seguiu a tendência global e piorou no ano passado. A nota do país está em queda desde 2014, e chegou a 6,86 na escala de 0 a 10 do Índice da Democracia.

As investigações de corrupção "continuaram a engolfar a classe política brasileira", afirma o relatório.

O estudo destaca as votações das duas denúncias contra o presidente Michel Temer, derrubadas no Congresso com a ajuda da base aliada do governo.

"O presidente do Brasil, Michel Temer, evitou por pouco um julgamento por acusações de corrupção depois que seus aliados no Congresso votaram para bloquear dois pedidos separados do procurador-geral para abertura de inquérito na Suprema Corte."

Além disso, "as consequências das práticas corruptas de uma das empresas no centro do escândalo, a Odebrecht, também foram sentidas em toda a região [América Latina] devido às suas operações ao longo dos anos em vários países".

Índice medido pela revista Economist aponta regressões em todo o mundo


 

democracia1Crédito: Gilmar

O relatório, divulgado nesta quarta-feira (31), avalia 165 países e dois territórios —Estados muito inexpressivos são deixados de fora.

O índice, em uma escala de 0 a 10, se baseia na nota de 60 indicadores, reunidos em cinco categorias: processo eleitoral e pluralismo, liberdades civis, funcionamento do governo, participação política e cultura política.

Na média global, houve um declínio de 5,52 em 2016 para 5,48 no ano passado. O nível é o pior desde 2010, quando esteve em 5,46.

O relatório aponta que essa tendência de queda/estagnação vem se refletindo no índice anual desde a primeira edição, em 2006.

As manifestações dessa "recessão na democracia" —termo que o estudo empresta do cientista político americano Larry Diamond, da Universidade Stanford— são: o declínio da participação popular em eleições; a fraqueza no funcionamento dos governos; o declínio da confiança nas instituições; o apelo em queda dos partidos políticos tradicionais; a crescente influência de instituições e órgãos de especialistas não eleitos; o crescente abismo entre as elites políticas e o eleitorado; o declínio na liberdade de expressão; e a erosão das liberdades civis.

A liberdade de imprensa atingiu seu pior nível desde 2006, com restrições até em democracias consolidadas. Apenas 30 dos 167 Estados analisados —ou 11% da população global— foram classificados como "totalmente livres" nessa área.

Regressões no estado da democracia ocorridas na Europa Ocidental —em especial França, Alemanha e Espanha— foram tão significativas quanto as do Leste Europeu.

A nota dos EUA havia caído para 7,98 em 2016 —e se manteve inalterada no ano passado—, quando o país deixou o grupo de "democracias completas" e foi rebaixado ao das "democracias falhas". Esse movimento, aponta o relatório, já refletia "a queda aguda da confiança popular no funcionamento das instituições públicas, uma tendência que precedeu —e ajudou— a eleição de Donald Trump.

Em 2017, nenhuma das regiões do mundo observou uma melhora na média de seu índice de democracia em relação ao ano anterior —a América do Norte (Canadá e EUA) apenas manteve a nota.

Europa Ocidental, Europa Oriental, Oriente Médio/Norte da África, África Subsaariana, América Latina e Ásia (inclui Oceania) tiveram uma piora em suas médias.

A Ásia teve a maior regressão —passou de 5,74 para 5,63, puxada pelo declínio da nota de suas duas maiores democracias emergentes, Índia e Indonésia. Também é de lá o país com a pior nota do mundo, a Coreia do Norte.

Na América Latina, o destaque negativo ficou por conta da Venezuela, que passou de "regime híbrido" para "regime autoritário".

BRASIL

O estado da democracia no Brasil seguiu a tendência global e piorou no ano passado. A nota do país está em queda desde 2014, e chegou a 6,86 na escala de 0 a 10 do Índice da Democracia.

As investigações de corrupção "continuaram a engolfar a classe política brasileira", afirma o relatório.

O estudo destaca as votações das duas denúncias contra o presidente Michel Temer, derrubadas no Congresso com a ajuda da base aliada do governo.

"O presidente do Brasil, Michel Temer, evitou por pouco um julgamento por acusações de corrupção depois que seus aliados no Congresso votaram para bloquear dois pedidos separados do procurador-geral para abertura de inquérito na Suprema Corte."

Além disso, "as consequências das práticas corruptas de uma das empresas no centro do escândalo, a Odebrecht, também foram sentidas em toda a região [América Latina] devido às suas operações ao longo dos anos em vários países".

Índice medido pela revista Economist aponta regressões em todo o mundo