A CGT (Confederación General del Trabajo), presidida por Julio Roberto Gómez Esguerra, realiza Congresso Nacional de 11 a 14 de setembro, em Bogotá, Colômbia, com debates sobre as reivindicações trabalhistas, econômicas e sociais de inúmeras categorias e comunidades, presença de delegações nacionais e internacionais, reflexões sobre a realidade da classe trabalhadora nas Américas e no mundo e eleição do comitê executivo da entidade.
Miguel e NecoCrédito: Arquivo CNTM
Miguel Torres (ao microfone) e Neco (ao centro)

Pela Força Sindical participam o presidente interino Miguel Torres, o secretário de relações internacionais Nilton Souza Neco, Maria Auxiliadora ( secretária nacional da Mulher), Rubens (hoteleiros) e Walter Fabro (vestuário e calçados).

“Os ataques ao movimento sindical e aos direitos da classe trabalhadora são mundiais. Este Congresso da CGT da Colômbia se insere, portanto, na luta global por mais direitos, trabalho decente para todos e todas e pela retomada do desenvolvimento na região”, diz Miguel Torres, também presidente da CNTM (Confederação Nacional dos Trabalhadores Metalúrgicos) e do Sindicato dos Metalúrgicos de São Paulo e Mogi das Cruzes.

Dentro deste contexto, o Congresso da CGT debaterá os temas Agenda do Trabalho, Diálogo Social e Combate a Terceirização.

Nilton Neco, que também é secretário-geral da ADS (Alternativa Democrática Sindical das Américas), informa que nesta quarta, 12, às 19h, será inaugurada em Bogotá a sede oficial da ADS, entidade composta por 26 entidades, representando 25 milhões de trabalhadores latino-americanos e caribenhos. “Importantes eventos, que valorizam e destacam o mundo do trabalho, neste momento crucial de resistência global em defesa dos interesses e direitos da classe trabalhadora”.

Miguel e NecoCrédito: Arquivo CNTM
Miguel Torres (ao microfone) e Neco (ao centro)

Pela Força Sindical participam o presidente interino Miguel Torres, o secretário de relações internacionais Nilton Souza Neco, Maria Auxiliadora ( secretária nacional da Mulher), Rubens (hoteleiros) e Walter Fabro (vestuário e calçados).

“Os ataques ao movimento sindical e aos direitos da classe trabalhadora são mundiais. Este Congresso da CGT da Colômbia se insere, portanto, na luta global por mais direitos, trabalho decente para todos e todas e pela retomada do desenvolvimento na região”, diz Miguel Torres, também presidente da CNTM (Confederação Nacional dos Trabalhadores Metalúrgicos) e do Sindicato dos Metalúrgicos de São Paulo e Mogi das Cruzes.

Dentro deste contexto, o Congresso da CGT debaterá os temas Agenda do Trabalho, Diálogo Social e Combate a Terceirização.

Nilton Neco, que também é secretário-geral da ADS (Alternativa Democrática Sindical das Américas), informa que nesta quarta, 12, às 19h, será inaugurada em Bogotá a sede oficial da ADS, entidade composta por 26 entidades, representando 25 milhões de trabalhadores latino-americanos e caribenhos. “Importantes eventos, que valorizam e destacam o mundo do trabalho, neste momento crucial de resistência global em defesa dos interesses e direitos da classe trabalhadora”.