greve na argentinaCrédito: Divulgação
A Força Sindical manifesta total apoio e solidariedade aos(às) trabalhadores(as), ao movimento sindical e ao povo argentino nesta importante greve geral contra a política econômica, contra as reformas que retiram direitos e contra o ataque ao movimento sindical promovido pelo governo do presidente Macri.
 
É importante destacar que a política do governo do presidente Macri na Argentina não é mera coincidência ou um caso isolado, mas sim um grande movimento promovido pela maioria da classe empresarial e corporações financeiras internacionais que investem pesadamente na aprovação de reformas que tiram direitos, precarizam o trabalho, enfraquecem e buscam aniquilar o movimento sindical, e aprofundam a crise, ampliando ainda mais as desigualdades sociais em nível global.
 
No Brasil não tem sido diferente! Hoje os(as) trabalhadores(as) e o povo brasileiro foram profundamente penalizados com a reforma trabalhista, e o movimento sindical tenta sobreviver ao maior ataque da história conduzido por setores empresariais e o atual governo.
 
O sucesso da greve geral organizada pelo sindicalismo argentino demonstra claramente a insatisfação e o repúdio do povo argentino às medidas impopulares daquele governo, e inspiram uma vez mais a nós, brasileiros, a continuar nossa luta para reverter os retrocessos da reforma trabalhista e interromper o curso desta política interferindo claramente no processo eleitoral, elegendo um novo presidente comprometido de fato com os(as) trabalhadores(as) e o povo brasileiro.
 
Parabéns à CGT-AR, e às demais centrais sindicais argentinas, pela coragem e pela luta em defesa dos(as) trabalhadores(as) e do povo argentino.
 
 
Miguel Torres
Presidente interino da Força Sindical
 
João Carlos Gonçalves – Juruna
Secretário-geral da Força Sindical
 
Nilton Souza – Neco
Secretário de Relações Internacionais da Força Sindical
 
greve na argentinaCrédito: Divulgação
A Força Sindical manifesta total apoio e solidariedade aos(às) trabalhadores(as), ao movimento sindical e ao povo argentino nesta importante greve geral contra a política econômica, contra as reformas que retiram direitos e contra o ataque ao movimento sindical promovido pelo governo do presidente Macri.
 
É importante destacar que a política do governo do presidente Macri na Argentina não é mera coincidência ou um caso isolado, mas sim um grande movimento promovido pela maioria da classe empresarial e corporações financeiras internacionais que investem pesadamente na aprovação de reformas que tiram direitos, precarizam o trabalho, enfraquecem e buscam aniquilar o movimento sindical, e aprofundam a crise, ampliando ainda mais as desigualdades sociais em nível global.
 
No Brasil não tem sido diferente! Hoje os(as) trabalhadores(as) e o povo brasileiro foram profundamente penalizados com a reforma trabalhista, e o movimento sindical tenta sobreviver ao maior ataque da história conduzido por setores empresariais e o atual governo.
 
O sucesso da greve geral organizada pelo sindicalismo argentino demonstra claramente a insatisfação e o repúdio do povo argentino às medidas impopulares daquele governo, e inspiram uma vez mais a nós, brasileiros, a continuar nossa luta para reverter os retrocessos da reforma trabalhista e interromper o curso desta política interferindo claramente no processo eleitoral, elegendo um novo presidente comprometido de fato com os(as) trabalhadores(as) e o povo brasileiro.
 
Parabéns à CGT-AR, e às demais centrais sindicais argentinas, pela coragem e pela luta em defesa dos(as) trabalhadores(as) e do povo argentino.
 
 
Miguel Torres
Presidente interino da Força Sindical
 
João Carlos Gonçalves – Juruna
Secretário-geral da Força Sindical
 
Nilton Souza – Neco
Secretário de Relações Internacionais da Força Sindical