Apesar de ter pago, no final da tarde de terça-feira (27), o adiantamento salarial que estava atrasado havia uma semana, a empresa Jundiá, que opera os ônibus urbanos e de fretamento para estudantes de Peruíbe, continua dando problemas aos 130 empregados.Por causa do atraso, eles paralisaram os serviços por 48 horas, desde a madrugada de segunda-feira (26), voltando ao trabalho na manhã de quarta-feira (28). Isso porque a empresa pagou os atrasados e conseguiu liminar obrigando-os a operar 50% d
27 novembro IICrédito: Arquivo

No dissídio impetrado pela Jundiá, que resultou na liminar, o tribunal regional do trabalho (trt) de Campinas marcou audiência de instrução e conciliação para as 11 horas desta quinta-feira (29). Mas a empresa não participou.

Alegando que já havia solucionado o problema, ela requereu ao trt, na noite de quarta-feira (28), a suspensão da audiência. O sindicato dos trabalhadores em transportes rodoviários de Santos não foi avisado a tempo, chegou a Campinas no horário marcado e ficou decepcionado.

“Mas não tem problema”, diz o vice-presidente do sindicato, ‘Betinho’ José Alberto Torres Simões. “Aproveitamos a oportunidade para mostrar ao juiz todas as irregularidades trabalhistas cometidas pela empresa, entre elas os constantes atrasos salariais”.

Multa e dias parados
Para o sindicalista, a empresa requereu a suspensão da audiência por basicamente dois motivos. Primeiro, para se livrar de eventual multa, arbitrada pelo juiz, pelo atraso do adiantamento. Segundo, para não ser obrigada a pagar pelos dois dias de paralisação.

Segundo Betinho, o jurídico do sindicato tomará as providências necessárias para conversar com a empresa sobre o pagamento dos dias parados. “Estamos fazendo tudo conforme orientação legal e vamos vencer mais essa luta contra o patrão”, finaliza o sindicalista.

A empresa opera 28 ônibus do transporte coletivo e quatro de fretamento. A mais recente paralisação foi em 1º de outubro. Os salários de julho e agosto foram pagos com atraso nos dois meses subsequentes.

Para esta sexta-feira, está previsto o pagamento de metade do 13º salário. Por enquanto, não há assembleia marcada.

27 novembro IICrédito: Arquivo

No dissídio impetrado pela Jundiá, que resultou na liminar, o tribunal regional do trabalho (trt) de Campinas marcou audiência de instrução e conciliação para as 11 horas desta quinta-feira (29). Mas a empresa não participou.

Alegando que já havia solucionado o problema, ela requereu ao trt, na noite de quarta-feira (28), a suspensão da audiência. O sindicato dos trabalhadores em transportes rodoviários de Santos não foi avisado a tempo, chegou a Campinas no horário marcado e ficou decepcionado.

“Mas não tem problema”, diz o vice-presidente do sindicato, ‘Betinho’ José Alberto Torres Simões. “Aproveitamos a oportunidade para mostrar ao juiz todas as irregularidades trabalhistas cometidas pela empresa, entre elas os constantes atrasos salariais”.

Multa e dias parados
Para o sindicalista, a empresa requereu a suspensão da audiência por basicamente dois motivos. Primeiro, para se livrar de eventual multa, arbitrada pelo juiz, pelo atraso do adiantamento. Segundo, para não ser obrigada a pagar pelos dois dias de paralisação.

Segundo Betinho, o jurídico do sindicato tomará as providências necessárias para conversar com a empresa sobre o pagamento dos dias parados. “Estamos fazendo tudo conforme orientação legal e vamos vencer mais essa luta contra o patrão”, finaliza o sindicalista.

A empresa opera 28 ônibus do transporte coletivo e quatro de fretamento. A mais recente paralisação foi em 1º de outubro. Os salários de julho e agosto foram pagos com atraso nos dois meses subsequentes.

Para esta sexta-feira, está previsto o pagamento de metade do 13º salário. Por enquanto, não há assembleia marcada.