A Secretaria Nacional de Políticas para as Mulheres da Força Sindical vem por meio desta nota, manifestar seu pesar e profunda indignação ao assassinato da militante feminista e vereadora do PSOL Marielle Franco, assassinada na noite da última quarta-feira (14) no bairro do Estácio, Região Central do Rio de Janeiro.
AuxiliadoraCrédito: Sindicato

A mulher, mãe, vereadora, negra, oriunda da favela da Maré, foi militante de extrema importância para o movimento feminista, pautando a construção de políticas públicas para as mulheres na cidade do Rio de Janeiro, onde lutou pelo enfrentamento à violência e na defesa dos direitos sexuais e reprodutivos das mulheres.

Marielle Franco esteve entre as lideranças contrárias à intervenção militar no Rio de Janeiro, sendo inclusive nomeada relatora da comissão responsável por acompanhar a intervenção, na câmara municipal da cidade.

É lamentável que mulheres como a combativa vereadora Marielle Franco, sejam brutalmente assassinadas por lutar pela igualdade de oportunidade e contra a impunidade social que impera no Brasil. Mais uma vez, o mês de março é manchado pela violência daqueles que não suportam um mundo justo e melhor para todos.

Maria Auxiliadora, secretária de Políticas Públicas para as Mulheres da Força Sindical
 

AuxiliadoraCrédito: Sindicato

A mulher, mãe, vereadora, negra, oriunda da favela da Maré, foi militante de extrema importância para o movimento feminista, pautando a construção de políticas públicas para as mulheres na cidade do Rio de Janeiro, onde lutou pelo enfrentamento à violência e na defesa dos direitos sexuais e reprodutivos das mulheres.

Marielle Franco esteve entre as lideranças contrárias à intervenção militar no Rio de Janeiro, sendo inclusive nomeada relatora da comissão responsável por acompanhar a intervenção, na câmara municipal da cidade.

É lamentável que mulheres como a combativa vereadora Marielle Franco, sejam brutalmente assassinadas por lutar pela igualdade de oportunidade e contra a impunidade social que impera no Brasil. Mais uma vez, o mês de março é manchado pela violência daqueles que não suportam um mundo justo e melhor para todos.

Maria Auxiliadora, secretária de Políticas Públicas para as Mulheres da Força Sindical