Ato foi realizado na sede do Dieese em São Paulo
Fórum das centrais faz ato para lembrar vítimas de acidentes e doenças do trabalhoCrédito: Arquivo Força

O Fórum Nacional das Centrais Sindicais em Saúde do Trabalhador e da Trabalhadora (FNCSSTT) realizou hoje, 26 de abril, das 8 às 13 horas, na sede do Dieese, um debate sobre saúde e segurança. O evento foi alusivo a 28 de abril, Dia Mundial em Memória às Vítimas de Acidentes e de Doenças do Trabalho, surgido no Canadá por iniciativa do Movimento Sindical como um ato de denúncia e protesto contra as mortes, acidentes e adoecimentos causados pelo processo de trabalho.

O secretário-adjunto da Secretaria de Saúde e Segurança da Força Sindical, Luis Carlos Oliveira, Luisinho, falou em nome da Central. “A importância de fazer atos é para que a sociedade não se esqueça dos acidentes e das doenças que ocorrem em nosso País e tome providências para proteger o meio ambiente e exigir medidas de proteção e a adoção de normas do Trabalho Decente”.

A ação do Fórum demonstra a preocupação das Centrais com a saúde do trabalho. A elas se juntaram neste evento o Dieese (Departamento Intersindical de Estatística e Estudos Socioeconômicos) e o Diesat (Departamento Intersindical de Estudos e Pesquisas de Saúde e dos Ambientes de Trabalho).

Segundo a Organização Internacional do Trabalho (OIT), o Brasil é a 4ª nação do mundo que mais registra acidentes laborais. Os registros oficiais somam mais de 700 mil acidentes por ano, entre os quais mortes e mutilações que incapacitam total ou parcialmente. A cada minuto, uma pessoa sofre acidente de trabalho no Brasil. A cada quatro horas e meia, uma pessoa morre no trabalho no Brasil.

Foram debatidos hoje dois temas: “Reforma trabalhista, acidentes, doenças do trabalho, a Convenção 161 da OIT, a Emenda Constitucional 95, o Desmonte da Seguridade Social no Brasil” e “Os riscos da reforma (anti)trabalhista para a saúde da população”.

Também esteve presente Elenildo Queiroz Santos (Nildo), coordenador do Diesat e representantes de categorias ligadas a Força.


 

Fórum das centrais faz ato para lembrar vítimas de acidentes e doenças do trabalhoCrédito: Arquivo Força

O Fórum Nacional das Centrais Sindicais em Saúde do Trabalhador e da Trabalhadora (FNCSSTT) realizou hoje, 26 de abril, das 8 às 13 horas, na sede do Dieese, um debate sobre saúde e segurança. O evento foi alusivo a 28 de abril, Dia Mundial em Memória às Vítimas de Acidentes e de Doenças do Trabalho, surgido no Canadá por iniciativa do Movimento Sindical como um ato de denúncia e protesto contra as mortes, acidentes e adoecimentos causados pelo processo de trabalho.

O secretário-adjunto da Secretaria de Saúde e Segurança da Força Sindical, Luis Carlos Oliveira, Luisinho, falou em nome da Central. “A importância de fazer atos é para que a sociedade não se esqueça dos acidentes e das doenças que ocorrem em nosso País e tome providências para proteger o meio ambiente e exigir medidas de proteção e a adoção de normas do Trabalho Decente”.

A ação do Fórum demonstra a preocupação das Centrais com a saúde do trabalho. A elas se juntaram neste evento o Dieese (Departamento Intersindical de Estatística e Estudos Socioeconômicos) e o Diesat (Departamento Intersindical de Estudos e Pesquisas de Saúde e dos Ambientes de Trabalho).

Segundo a Organização Internacional do Trabalho (OIT), o Brasil é a 4ª nação do mundo que mais registra acidentes laborais. Os registros oficiais somam mais de 700 mil acidentes por ano, entre os quais mortes e mutilações que incapacitam total ou parcialmente. A cada minuto, uma pessoa sofre acidente de trabalho no Brasil. A cada quatro horas e meia, uma pessoa morre no trabalho no Brasil.

Foram debatidos hoje dois temas: “Reforma trabalhista, acidentes, doenças do trabalho, a Convenção 161 da OIT, a Emenda Constitucional 95, o Desmonte da Seguridade Social no Brasil” e “Os riscos da reforma (anti)trabalhista para a saúde da população”.

Também esteve presente Elenildo Queiroz Santos (Nildo), coordenador do Diesat e representantes de categorias ligadas a Força.