João Guilherme Vargas Netto
João Guilherme Vargas Netto

Um dos exemplos fortes da confusão que se procura causar em nossas fileiras é a MP 881, dita da “liberdade econômica” e que deverá ser votada logo após terminarem os trâmites da deforma previdenciária na Câmara dos Deputados e no Senado.
Já a classifiquei de “caldeirão da bruxa” tal a quantidade e a disparidade de ingredientes malévolos que ela contém.
Para dar um exemplo só agora a mídia grande descobriu que entre seus artigos há o que libera os jogos nas corridas de cavalo. Eu mesmo, quando tentei resenhá-la, subestimei a quase completa proibição de fiscalizações das atividades empresariais, fiscalizações trabalhistas, ambientais e todas as outras.
Para enfrentar com seriedade o “caldeirão da bruxa” sugiro a hierarquia seguinte de ações que se casam com todas as iniciativas já propostas pelas centrais sindicais:
1-    Identificar em cada base, em cada setor, em cada categoria os cinco pontos negativos da medida provisória, aqueles que mais agridem os trabalhadores, as trabalhadoras e a ação sindical, bem como os que os desguarnecem de proteção social e sindical;
2-    Referendar nas bases respectivas esta percepção de negatividade obtendo por meio de assembleias e mobilizações a aprovação de um programa mínimo de resistência que reforce a ação das direções;
3-    Mandatadas assim e articuladas entre si as direções devem procurar, desde já, deputados e senadores sensíveis às nossas posições capazes de relacionar os pontos contestados a outros, de interesses diversos, capazes de derrotar aqueles da medida provisória lesivos a uma coalisão de nossos interesses.
Registre-se que não será fácil esta luta porque além de “caldeirão da bruxa” a medida provisória é uma chuva de granizo disparatada que cai em nossa lavoura já prejudicada pela seca de votos.

João Guilherme Vargas Netto
Consultor sindical

Um dos exemplos fortes da confusão que se procura causar em nossas fileiras é a MP 881, dita da “liberdade econômica” e que deverá ser votada logo após terminarem os trâmites da deforma previdenciária na Câmara dos Deputados e no Senado.
Já a classifiquei de “caldeirão da bruxa” tal a quantidade e a disparidade de ingredientes malévolos que ela contém.
Para dar um exemplo só agora a mídia grande descobriu que entre seus artigos há o que libera os jogos nas corridas de cavalo. Eu mesmo, quando tentei resenhá-la, subestimei a quase completa proibição de fiscalizações das atividades empresariais, fiscalizações trabalhistas, ambientais e todas as outras.
Para enfrentar com seriedade o “caldeirão da bruxa” sugiro a hierarquia seguinte de ações que se casam com todas as iniciativas já propostas pelas centrais sindicais:
1-    Identificar em cada base, em cada setor, em cada categoria os cinco pontos negativos da medida provisória, aqueles que mais agridem os trabalhadores, as trabalhadoras e a ação sindical, bem como os que os desguarnecem de proteção social e sindical;
2-    Referendar nas bases respectivas esta percepção de negatividade obtendo por meio de assembleias e mobilizações a aprovação de um programa mínimo de resistência que reforce a ação das direções;
3-    Mandatadas assim e articuladas entre si as direções devem procurar, desde já, deputados e senadores sensíveis às nossas posições capazes de relacionar os pontos contestados a outros, de interesses diversos, capazes de derrotar aqueles da medida provisória lesivos a uma coalisão de nossos interesses.
Registre-se que não será fácil esta luta porque além de “caldeirão da bruxa” a medida provisória é uma chuva de granizo disparatada que cai em nossa lavoura já prejudicada pela seca de votos.

João Guilherme Vargas Netto
Consultor sindical