As centrais sindicais Força, CUT, CSB, UGT, CTB e NCST realizaram, nesta quarta-feira (8) ato em frente ao Ministério da Economia, em Brasília. Os sindicalistas cobraram, entre outras medidas, a manutenção do Auxilio Emergencial de R$ 600 até dezembro e mais crédito com acesso facilitado para as micro e pequenas empresas.
Centrais sindicais fazem ato para garantir emprego e renda durante crise da Covid-19Crédito: Arquivo

Os presidentes das centrais entregaram a representantes do ministério da economia as propostas elaboradas para preservação da vida, geração de emprego, renda básica permanente, além de uma agenda à retomada da economia.

Baixe aqui o documento entregue pelos sindicalistas: PROPOSTAS CENTRAIS

Miguel Torres, presidente da Força Sindical, participou do ato e alertou que neste momento é importante garantir renda e empregos para todos os brasileiros até dezembro. “Também queremos mais EPIs para os profissionais de saúde”, afirma o sindicalista.

Os principais pontos do documento são:
 
1. Continuidade do auxílio emergencial para proteger aqueles que tiveram perda parcial ou total de suas rendas, como uma etapa da construção de um programa permanente de Renda Básica para Cidadania;
 
2. Reorganização do Sistema Público de Trabalho, Emprego;
 
3. Urgência de ampliação das medidas de proteção ao emprego
nas micro e pequenas empresas;
 
4. Agenda para a retomada da economia.
 
 

Sem aglomeração
O sindicalista ressalta que neste momento que mundo enfrenta a pandemia da Covid-19 as centrais sindicais realizaram um ato sem aglomeração e utilizaram o manif.app e, deste modo, centenas de pessoas de todo o país puderam participarar virtualmente da manifestação.

Miguel explica ainda que todos os protocolos sanitários e medidas de proteção foram respeitados para evitar contágio e a propagação do Covid-19. “Defendemos o isolamento social e as recomendações da OMS (Organização Mundial de Saúde) como essenciais ao enfrentamento da pandemia de Coronavírus”, esclarece o sindicalista.

Centrais sindicais fazem ato para garantir emprego e renda durante crise da Covid-19Crédito: Arquivo

Os presidentes das centrais entregaram a representantes do ministério da economia as propostas elaboradas para preservação da vida, geração de emprego, renda básica permanente, além de uma agenda à retomada da economia.

Baixe aqui o documento entregue pelos sindicalistas: PROPOSTAS CENTRAIS

Miguel Torres, presidente da Força Sindical, participou do ato e alertou que neste momento é importante garantir renda e empregos para todos os brasileiros até dezembro. “Também queremos mais EPIs para os profissionais de saúde”, afirma o sindicalista.

Os principais pontos do documento são:
 
1. Continuidade do auxílio emergencial para proteger aqueles que tiveram perda parcial ou total de suas rendas, como uma etapa da construção de um programa permanente de Renda Básica para Cidadania;
 
2. Reorganização do Sistema Público de Trabalho, Emprego;
 
3. Urgência de ampliação das medidas de proteção ao emprego
nas micro e pequenas empresas;
 
4. Agenda para a retomada da economia.
 
 

Sem aglomeração
O sindicalista ressalta que neste momento que mundo enfrenta a pandemia da Covid-19 as centrais sindicais realizaram um ato sem aglomeração e utilizaram o manif.app e, deste modo, centenas de pessoas de todo o país puderam participarar virtualmente da manifestação.

Miguel explica ainda que todos os protocolos sanitários e medidas de proteção foram respeitados para evitar contágio e a propagação do Covid-19. “Defendemos o isolamento social e as recomendações da OMS (Organização Mundial de Saúde) como essenciais ao enfrentamento da pandemia de Coronavírus”, esclarece o sindicalista.