MiguelCrédito: Jaélcio Santana
Miguel: "Brasil continua com a maior taxa básica de juros do mundo que impede o desenvolvimento e o crescimento do Brasil travando a economia e prejudicando a criação de novos postos de trabalho"
Mais uma vez, o Comitê de Política Monetária (Copom) do Banco Central frustra o setor produtivo e a classe trabalhadora. A manutenção da taxa de juros em 13,75% a.a. é uma política econômica equivocada e nefasta e que se curva aos especuladores. 
 
É uma insensibilidade social!  O crédito continuará caro e atrasando a recuperação da economia. A taxa exorbitante impõe severos sacrifícios à atividade econômica e representa entrave para as condições de crédito, prejudicando os investimentos das empresas e o consumo das famílias. 
 
Infelizmente, o Banco Central continua insensível ao sofrimento de milhares de brasileiros que estão fora do mercado de trabalho ou em condições precárias na informalidade.
 
A medida, que mantém o Brasil com a maior taxa básica de juros do mundo, impede o desenvolvimento e o crescimento do Brasil travando a economia e prejudicando a criação de novos postos de trabalho.
 
Com juros exorbitantes, o Brasil está na contramão do desenvolvimento.  Por isso, temos que continuar pressionando os tecnocratas do Banco Central por uma drástica queda na taxa básica de juros.
 
Acreditamos, ainda, que apenas a implantação de uma política econômica eficaz, intensos investimentos no setor produtivo, a viabilização de um projeto efetivo de desenvolvimento para o País, e, claro, juros em níveis bem mais baixos, podem fazer com que o Brasil retome o caminho do crescimento econômico e social.
 
Miguel Torres
Presidente da Força Sindical
MiguelCrédito: Jaélcio Santana
Miguel: "Brasil continua com a maior taxa básica de juros do mundo que impede o desenvolvimento e o crescimento do Brasil travando a economia e prejudicando a criação de novos postos de trabalho"
Mais uma vez, o Comitê de Política Monetária (Copom) do Banco Central frustra o setor produtivo e a classe trabalhadora. A manutenção da taxa de juros em 13,75% a.a. é uma política econômica equivocada e nefasta e que se curva aos especuladores. 
 
É uma insensibilidade social!  O crédito continuará caro e atrasando a recuperação da economia. A taxa exorbitante impõe severos sacrifícios à atividade econômica e representa entrave para as condições de crédito, prejudicando os investimentos das empresas e o consumo das famílias. 
 
Infelizmente, o Banco Central continua insensível ao sofrimento de milhares de brasileiros que estão fora do mercado de trabalho ou em condições precárias na informalidade.
 
A medida, que mantém o Brasil com a maior taxa básica de juros do mundo, impede o desenvolvimento e o crescimento do Brasil travando a economia e prejudicando a criação de novos postos de trabalho.
 
Com juros exorbitantes, o Brasil está na contramão do desenvolvimento.  Por isso, temos que continuar pressionando os tecnocratas do Banco Central por uma drástica queda na taxa básica de juros.
 
Acreditamos, ainda, que apenas a implantação de uma política econômica eficaz, intensos investimentos no setor produtivo, a viabilização de um projeto efetivo de desenvolvimento para o País, e, claro, juros em níveis bem mais baixos, podem fazer com que o Brasil retome o caminho do crescimento econômico e social.
 
Miguel Torres
Presidente da Força Sindical