Os 600 operários terceirizados de montagem, manutenção e operacionais em atividade na Usiminas de Cubatão aprovaram o acordo coletivo de trabalho para a data-base de agosto.
Santos: terceirizados na Usiminas têm 2,69% nos salários e benefíciosCrédito: Arquivo
Acordo, aprovado em assembleia na noite de quinta-feira (foto), mantém as cláusulas econômicas e sociais
Em assembleia na subsede do sindicato dos trabalhadores na construção civil (Sintracomos), na noite de quinta-feira (10), eles concordaram com o reajuste de 2,69% nos salários e benefícios.
 
O acordo mantém as cláusulas econômicas e sociais anteriores, entre elas o plano de saúde, seguro de vida e folgas nos dias 24 e 31 de dezembro e terça-feira de carnaval.
 
Estão também garantidas as horas extras de 100% nos domingos e feriados. E de 70% de segunda-feira a sábado, percentual aplicado nas citadas datas de folga caso tenham que trabalhar.
 
O acordo abrange as empreiteiras Ormec, Enesa, Alfa, Britos e Semag. Segundo o presidente do sindicato, ‘Macaé’ Marcos Braz de Oliveira, “foi uma campanha salarial muito difícil”.
 
Ele explica que as empresas não queriam reajustar salários nem benefícios. O diretor Ramilson Manoel Elói ressalta que “foi preciso muita insistência do sindicato para chegar a esse resultado”.
 
A maioria dos salários varia entre R$ 1,7 e R$ 1,8 mil. O percentual foi aplicado imediatamente na cesta-básica. Nos salários, porém, o índice será aplicado a partir de janeiro de 2021.
 
O retroativo de agosto a dezembro será pago em janeiro, em forma de abono. “Foi o acordo possível, nesta época difícil de pandemia, desemprego e até de redução salarial”, finaliza Macaé.
Santos: terceirizados na Usiminas têm 2,69% nos salários e benefíciosCrédito: Arquivo
Acordo, aprovado em assembleia na noite de quinta-feira (foto), mantém as cláusulas econômicas e sociais
Em assembleia na subsede do sindicato dos trabalhadores na construção civil (Sintracomos), na noite de quinta-feira (10), eles concordaram com o reajuste de 2,69% nos salários e benefícios.
 
O acordo mantém as cláusulas econômicas e sociais anteriores, entre elas o plano de saúde, seguro de vida e folgas nos dias 24 e 31 de dezembro e terça-feira de carnaval.
 
Estão também garantidas as horas extras de 100% nos domingos e feriados. E de 70% de segunda-feira a sábado, percentual aplicado nas citadas datas de folga caso tenham que trabalhar.
 
O acordo abrange as empreiteiras Ormec, Enesa, Alfa, Britos e Semag. Segundo o presidente do sindicato, ‘Macaé’ Marcos Braz de Oliveira, “foi uma campanha salarial muito difícil”.
 
Ele explica que as empresas não queriam reajustar salários nem benefícios. O diretor Ramilson Manoel Elói ressalta que “foi preciso muita insistência do sindicato para chegar a esse resultado”.
 
A maioria dos salários varia entre R$ 1,7 e R$ 1,8 mil. O percentual foi aplicado imediatamente na cesta-básica. Nos salários, porém, o índice será aplicado a partir de janeiro de 2021.
 
O retroativo de agosto a dezembro será pago em janeiro, em forma de abono. “Foi o acordo possível, nesta época difícil de pandemia, desemprego e até de redução salarial”, finaliza Macaé.