A bancada dos trabalhadores rejeitou de imediato a oferta da empresa de manutenção do ACT sem nenhuma correção econômica e proteção social. Na reunião de 23 de setembro, a Claro apresentou uma proposta indecorosa para o Acordo Coletivo.
sintetel_acordo_coletivo_claroCrédito: Arquivo
A proposta (se é que podemos chamar isso de proposta) está abaixo da realidade do mercado, abaixo do que outras operadoras de telecom apresentaram e totalmente fora do resultado consolidado da empresa.
 
A proposta da Claro é de ZERO de reajuste, manutenção do Acordo vigente, sem nenhuma contrapartida. Ou seja, a empresa quer manter tudo como está, sem valorizar quem mais contribui para o alto desempenho da operadora: os trabalhadores.
 
A direção do Sindicato reafirmou a Pauta de Reivindicações e pontuou condições para as quais espera respostas: 
 
•  Reajustes nos salários e nos benefícios na data base 1º de setembro/2020 
•  Aumento Real de 5% 
•  Adiantamento de PPR 
•  Garantia de emprego 
•  Regras para o teletrabalho, com custeamento de despesas e equipamentos, a exemplo do que nós conquistamos em outras operadoras
•  Acordo de 2 anos.
 
Claro S/A tem resultado de fazer inveja a bancos
 
A empresa fala uma coisa para o mercado e outra para os trabalhadores. Veja os resultados da Claro:
 
1. Crescimento de 25,8% na base de pós-pago contra 2019, adicionando 6,5 milhões de clientes; 
2. Aumento de 27,0% do ARPU móvel, refletindo o desempenho destacado neste segmento, tanto em pós-pago quanto em pré-pago; 
3. Segue com a liderança consolidada em banda larga, com destaque em “ultrabroadband” (conexões acima de 34 Mbps) na qual tem 43,01% de market share; 
4. Receita líquida de serviços móveis e de banda larga residencial cresceram 8,4% e 10,4%, respectivamente, no 2º trimestre de 2020 contra o mesmo período de 2019; 
5. Margem EBITDA de 40,9% no segundo trimestre de 2020, 3,8 p.p. acima do mesmo período do ano anterior, mantendo a jornada de crescimento contínuo da rentabilidade dos negócios; 
6. Pandemia do Covid-19 trouxe desafios importantes, mas a Claro "segue firme com as ações de enfrentamento da crise, buscando manter a qualidade dos serviços, a satisfação de seus clientes, funcionários e parceiros em geral, assim como a melhoria sustentada de seus resultados". (fonte ClaroPar). 
• A receita líquida total cresceu 0,1% no segundo trimestre de 2020 em relação ao mesmo período de 2019. 
• A receita de serviços móveis cresceu 8,4% no segundo trimestre de 2020 em relação ao mesmo período de 2019. 
• Destaque para a receita de serviços pós-pago, impulsionada por planos com voz ilimitada, internet de alta qualidade e serviços digitais, como Claro Música e Claro Vídeo, de alto valor agregado. 
• Em relação aos serviços fixos, destaque para a banda larga residencial, que cresceu 10,4% no 2º trimestre de 2020 quando comparado ao mesmo período de 2019.
 
Os trabalhadores que realizaram tudo isso exigem sua parte no bolo!
Sintetel, na luta pela vida, emprego e renda
sintetel_acordo_coletivo_claroCrédito: Arquivo
A proposta (se é que podemos chamar isso de proposta) está abaixo da realidade do mercado, abaixo do que outras operadoras de telecom apresentaram e totalmente fora do resultado consolidado da empresa.
 
A proposta da Claro é de ZERO de reajuste, manutenção do Acordo vigente, sem nenhuma contrapartida. Ou seja, a empresa quer manter tudo como está, sem valorizar quem mais contribui para o alto desempenho da operadora: os trabalhadores.
 
A direção do Sindicato reafirmou a Pauta de Reivindicações e pontuou condições para as quais espera respostas: 
 
•  Reajustes nos salários e nos benefícios na data base 1º de setembro/2020 
•  Aumento Real de 5% 
•  Adiantamento de PPR 
•  Garantia de emprego 
•  Regras para o teletrabalho, com custeamento de despesas e equipamentos, a exemplo do que nós conquistamos em outras operadoras
•  Acordo de 2 anos.
 
Claro S/A tem resultado de fazer inveja a bancos
 
A empresa fala uma coisa para o mercado e outra para os trabalhadores. Veja os resultados da Claro:
 
1. Crescimento de 25,8% na base de pós-pago contra 2019, adicionando 6,5 milhões de clientes; 
2. Aumento de 27,0% do ARPU móvel, refletindo o desempenho destacado neste segmento, tanto em pós-pago quanto em pré-pago; 
3. Segue com a liderança consolidada em banda larga, com destaque em “ultrabroadband” (conexões acima de 34 Mbps) na qual tem 43,01% de market share; 
4. Receita líquida de serviços móveis e de banda larga residencial cresceram 8,4% e 10,4%, respectivamente, no 2º trimestre de 2020 contra o mesmo período de 2019; 
5. Margem EBITDA de 40,9% no segundo trimestre de 2020, 3,8 p.p. acima do mesmo período do ano anterior, mantendo a jornada de crescimento contínuo da rentabilidade dos negócios; 
6. Pandemia do Covid-19 trouxe desafios importantes, mas a Claro "segue firme com as ações de enfrentamento da crise, buscando manter a qualidade dos serviços, a satisfação de seus clientes, funcionários e parceiros em geral, assim como a melhoria sustentada de seus resultados". (fonte ClaroPar). 
• A receita líquida total cresceu 0,1% no segundo trimestre de 2020 em relação ao mesmo período de 2019. 
• A receita de serviços móveis cresceu 8,4% no segundo trimestre de 2020 em relação ao mesmo período de 2019. 
• Destaque para a receita de serviços pós-pago, impulsionada por planos com voz ilimitada, internet de alta qualidade e serviços digitais, como Claro Música e Claro Vídeo, de alto valor agregado. 
• Em relação aos serviços fixos, destaque para a banda larga residencial, que cresceu 10,4% no 2º trimestre de 2020 quando comparado ao mesmo período de 2019.
 
Os trabalhadores que realizaram tudo isso exigem sua parte no bolo!
Sintetel, na luta pela vida, emprego e renda