Federação dos Sindicatos de Frentistas do Estado de São Paulo (Fepospetro) e a Federação Nacional dos Frentistas (Fenepospetro) vão se fundir em uma única entidade, que vai representar os 60 sindicatos de trabalhadores em postos de abastecimento do país inteiro. O processo de fusão terá início logo após a realização das próximas eleições de diretoria da Fenepospetro, convocadas para 26 de novembro.
plenaria-663x331
Em Plenária digital realizada na tarde dessa segunda-feira (21/9), os dirigentes sindicais frentistas de todo o Brasil chegaram a um consenso e bateram o martelo. A Federação dos Sindicatos de Frentistas do Estado de São Paulo (Fepospetro) e a Federação Nacional dos Frentistas (Fenepospetro) vão se fundir em uma única entidade, que vai representar os 60 sindicatos de trabalhadores em postos de abastecimento do país inteiro.
 
“Somos 500 mil trabalhadores em uma só categoria. Não há porque continuarmos com duas federações. A unidade é o desdobramento natural de 30 anos de nosso projeto de luta”, comemorou o presidente da Fenepospetro, Eusébio Pinto Neto.
 
O processo de fusão terá início logo após a realização das próximas eleições de diretoria da Fenepospetro, convocadas para 26 de novembro. Um grupo de trabalho com representantes de frentistas das cinco regiões brasileiras será formado para tratar de todos os detalhes envolvidos na unificação. Concluído o processo, será convocado um congresso nacional da categoria para a realização de novas eleições de diretoria e a criação de um novo estatuto.
 
Chapa – Os 45 dirigentes sindicais que participaram da Plenária também aprovaram, por unanimidade, a recondução da atual chapa que hoje dirige a Fenepospetro. Serão feitos apenas os indispensáveis ajustes pelo falecimento de três diretores efetivos durante o último mandato – José Porcino Sobrinho (PB), Hozano Feliz Silva (MG) e Vanderlei Roberto dos Santos (SP). O presidente do Sindicato dos Frentistas de São Paulo (Sinpospetro-SP) e atual secretário financeiro da Fenepospetro, Rivaldo Morais da Silva, pediu afastamento do cargo e será substituído na chapa pelo atual presidente da Fepospetro, Luiz de Souza Arraes, que já respondia pelo cargo de secretário de negociação coletiva da Fenepospetro.
 
“Aceito o cargo de tesoureiro da Fenepospetro, mas apenas em caráter transitório, para que logo no dia seguinte às eleições possamos começar a trabalhar pelo processo de unificação das duas federações”, comentou Arraes. Ele lembrou que a Fenepospetro, independente da fusão, teria que de qualquer forma a obrigação legal de realizar em novembro sua eleição de diretoria.
 
Ao final da Plenária, o presidente do Sindicato dos Frentistas do Espírito Santo (Sinpospetro-ES) e atual secretário-geral da Fenepospetro, Wellington Bezerra, explicou que o edital de convocação das eleições será lançado ainda esta semana. Segundo ele, em função da pandemia de covid-19 e das restrições orçamentárias dos sindicatos, a votação terá que ser realizada por videoconferência.
plenaria-663x331
Em Plenária digital realizada na tarde dessa segunda-feira (21/9), os dirigentes sindicais frentistas de todo o Brasil chegaram a um consenso e bateram o martelo. A Federação dos Sindicatos de Frentistas do Estado de São Paulo (Fepospetro) e a Federação Nacional dos Frentistas (Fenepospetro) vão se fundir em uma única entidade, que vai representar os 60 sindicatos de trabalhadores em postos de abastecimento do país inteiro.
 
“Somos 500 mil trabalhadores em uma só categoria. Não há porque continuarmos com duas federações. A unidade é o desdobramento natural de 30 anos de nosso projeto de luta”, comemorou o presidente da Fenepospetro, Eusébio Pinto Neto.
 
O processo de fusão terá início logo após a realização das próximas eleições de diretoria da Fenepospetro, convocadas para 26 de novembro. Um grupo de trabalho com representantes de frentistas das cinco regiões brasileiras será formado para tratar de todos os detalhes envolvidos na unificação. Concluído o processo, será convocado um congresso nacional da categoria para a realização de novas eleições de diretoria e a criação de um novo estatuto.
 
Chapa – Os 45 dirigentes sindicais que participaram da Plenária também aprovaram, por unanimidade, a recondução da atual chapa que hoje dirige a Fenepospetro. Serão feitos apenas os indispensáveis ajustes pelo falecimento de três diretores efetivos durante o último mandato – José Porcino Sobrinho (PB), Hozano Feliz Silva (MG) e Vanderlei Roberto dos Santos (SP). O presidente do Sindicato dos Frentistas de São Paulo (Sinpospetro-SP) e atual secretário financeiro da Fenepospetro, Rivaldo Morais da Silva, pediu afastamento do cargo e será substituído na chapa pelo atual presidente da Fepospetro, Luiz de Souza Arraes, que já respondia pelo cargo de secretário de negociação coletiva da Fenepospetro.
 
“Aceito o cargo de tesoureiro da Fenepospetro, mas apenas em caráter transitório, para que logo no dia seguinte às eleições possamos começar a trabalhar pelo processo de unificação das duas federações”, comentou Arraes. Ele lembrou que a Fenepospetro, independente da fusão, teria que de qualquer forma a obrigação legal de realizar em novembro sua eleição de diretoria.
 
Ao final da Plenária, o presidente do Sindicato dos Frentistas do Espírito Santo (Sinpospetro-ES) e atual secretário-geral da Fenepospetro, Wellington Bezerra, explicou que o edital de convocação das eleições será lançado ainda esta semana. Segundo ele, em função da pandemia de covid-19 e das restrições orçamentárias dos sindicatos, a votação terá que ser realizada por videoconferência.