Trabalhadores aprovaram a pauta com 184 itens que será entregue aos grupos patronais para o início das negociações. O Sindicato defende as conquistas e os direitos da Convenção Coletiva de Trabalho, que são superiores à legislação, e um reajuste digno para a categoria. Entre as principais reivindicações estão: Reajuste salarial, Aumento real de salário, Piso salarial acima da inflação
DSC_5977Crédito: Jaélcio Santana
A assembleia foi coordenada pelo presidente do Sindicato, Miguel Torres, e pelo secretário-geral, Jorge Carlos de Morais, o Arakém, com apoio da diretoria, assistentes e funcionários, com todos os cuidados de prevenção à covid-19 e um minuto de silêncio em memória dos diretores Uélio e Tito, do assistente Nataniel e do companheiro Gilberto, dirigente metalúrgico de Piracicaba.
 
O Sindicato defende as conquistas e os direitos da Convenção Coletiva de Trabalho, que são superiores à legislação, e um reajuste digno para a categoria, em reconhecimento ao esforço de quem produziu, mesmo correndo os riscos da pandemia, garantindo poder de compra aos salários diante do atual quadro de inflação dos alimentos e demais produtos básicos e permitindo que a família metalúrgica tenha segurança financeira para colocar em prática seus projetos de vida.
 
DSC_5844Crédito: Jaélcio Santana
Minuto de silêncio
 
DSC_5859
DSC_5907
DSC_5919
Ao todo são 184 reivindicações. Confira algumas:
 
Reajuste salarial.
Aumento real de salário.
Piso salarial acima da inflação.
Cesta básica ou vale-compra.
Adicional noturno.
Contra o assédio moral e sexual.
Amamentação.
Auxílio creche.
Compromisso com o meio ambiente.
Contratação de empregado com deficiência.
Delegado sindical.
Fornecimento de documentos previdenciários.
Garantia à empregada que sofrer aborto.
Garantia ao empregado por doença.
Garantia ao empregado em vias de aposentadoria.
Contribuição assistencial de até 1% da remuneração anual.
Garantia ao empregado vítima de acidente de trabalho e doença profissional.
Garantia à empregada em situação de violência.
Homologações das rescisões contratuais.
Horas extraordinárias.
Licença em caso de aborto.
Licença maternidade e para a empregada adotante.
Mão de obra temporária.
Medidas de proteção.
Participação nos Lucros ou Resultados.
Programa de prevenção de riscos ambientais.
Promoções.
Contra a terceirização.
Transporte e alimentação.
Manutenção das cláusulas sociais.
 
Outras lutas
 
Miguel Torres, que também preside a Força Sindical e a CNTM, falou ainda sobre a campanha nacional de coletas de assinaturas pela manutenção do auxílio emergencial de R$ 600 até dezembro, a importância do movimento sindical nas lutas por emprego, renda, direitos e saúde da classe trabalhadora e as eleições municipais deste ano.
 
“Precisamos agir com consciência de classe e usar nosso direito de votar para a eleição de parlamentares e governantes que tenham compromissos trabalhistas e sociais e propostas progressistas pela retomada do desenvolvimento, pela cidadania e pela justiça social”, diz Miguel Torres.
DSC_5977Crédito: Jaélcio Santana
A assembleia foi coordenada pelo presidente do Sindicato, Miguel Torres, e pelo secretário-geral, Jorge Carlos de Morais, o Arakém, com apoio da diretoria, assistentes e funcionários, com todos os cuidados de prevenção à covid-19 e um minuto de silêncio em memória dos diretores Uélio e Tito, do assistente Nataniel e do companheiro Gilberto, dirigente metalúrgico de Piracicaba.
 
O Sindicato defende as conquistas e os direitos da Convenção Coletiva de Trabalho, que são superiores à legislação, e um reajuste digno para a categoria, em reconhecimento ao esforço de quem produziu, mesmo correndo os riscos da pandemia, garantindo poder de compra aos salários diante do atual quadro de inflação dos alimentos e demais produtos básicos e permitindo que a família metalúrgica tenha segurança financeira para colocar em prática seus projetos de vida.
 
DSC_5844Crédito: Jaélcio Santana
Minuto de silêncio
 
DSC_5859
DSC_5907
DSC_5919
Ao todo são 184 reivindicações. Confira algumas:
 
Reajuste salarial.
Aumento real de salário.
Piso salarial acima da inflação.
Cesta básica ou vale-compra.
Adicional noturno.
Contra o assédio moral e sexual.
Amamentação.
Auxílio creche.
Compromisso com o meio ambiente.
Contratação de empregado com deficiência.
Delegado sindical.
Fornecimento de documentos previdenciários.
Garantia à empregada que sofrer aborto.
Garantia ao empregado por doença.
Garantia ao empregado em vias de aposentadoria.
Contribuição assistencial de até 1% da remuneração anual.
Garantia ao empregado vítima de acidente de trabalho e doença profissional.
Garantia à empregada em situação de violência.
Homologações das rescisões contratuais.
Horas extraordinárias.
Licença em caso de aborto.
Licença maternidade e para a empregada adotante.
Mão de obra temporária.
Medidas de proteção.
Participação nos Lucros ou Resultados.
Programa de prevenção de riscos ambientais.
Promoções.
Contra a terceirização.
Transporte e alimentação.
Manutenção das cláusulas sociais.
 
Outras lutas
 
Miguel Torres, que também preside a Força Sindical e a CNTM, falou ainda sobre a campanha nacional de coletas de assinaturas pela manutenção do auxílio emergencial de R$ 600 até dezembro, a importância do movimento sindical nas lutas por emprego, renda, direitos e saúde da classe trabalhadora e as eleições municipais deste ano.
 
“Precisamos agir com consciência de classe e usar nosso direito de votar para a eleição de parlamentares e governantes que tenham compromissos trabalhistas e sociais e propostas progressistas pela retomada do desenvolvimento, pela cidadania e pela justiça social”, diz Miguel Torres.