Menu

Mapa do site

Emissão de boleto

Nacional São Paulo

Emissão de boleto

Nacional São Paulo
11 ABR 2024

Imagem do dia

[caption id="attachment_60940" align="aligncenter" width="700"]Diálogo Sindical em Saúde do Trabalhador e da Trabalhadora Foto: Jaélcio Santana[/caption]

Imagem do dia - Força Sindical

Enviar link da notícia por e-mail

Força

Revista Fecesp , Ano XIV – Nº 198 – Set/Out 2007

terça-feira, 6 de novembro de 2007

Força

Revista Fecesp , Ano XIV – Nº 198 – Set/Out 2007

Paulinho reconhece no 16° Congresso exemplo de organização e mobilização 

Foto Arquivo FecespPresidente da Força Sindical e Deputado Federal (PDT/SP), manifesta nesta entrevista suas impressões acerca do evento que reuniu mais de 750 pessoas em Praia Grande, litoral paulista, e dos avanços dos dirigentes comerciários do Estado na Força Sindical e no sindicalismo brasileiro, liderados pelo presidente da Fecesp Luiz Carlos Motta, também tesoureiro da Força

 

 

Repórter Fecesp – Paulinho, você participou da abertura do 16° Congresso e manteve-se bem informado sobre as palestras e as deliberações tomadas. O que significa para o movimento sindical a realização de um evento desta magnitude? Paulo Pereira da Silva – Significa acima de tudo que o presidente da Federação, Luiz Carlos Motta, é um grande sindicalista, prestigiado e respeitado, inclusive por ministros de Estado que lá estiveram. Reuniu 750 congressistas que aprovaram deliberações imprescindíveis à categoria como a regulamentação da profissão, combate à in­formalidade e à terceirização e manifestou pleno apoio à medida provisória do trabalho dos comerciários aos domingos e à legalização das centrais, com pressão no Congresso Nacional.RF – E em relação às ações sindicais da categoria?Paulinho – Foi um congresso que eu considero um exemplo de organização e de mobilização da comissão organizadora e dos mais de 750 congressistas, vindos dos 64 Sindicatos Filiados à Federação, que debateram durante os dias 13,14 e 15 de setembro, na Colônia de Férias da Fecesp, em Praia Grande, seus principais desafios e também buscaram soluções. Está é uma prática salutar que garante o sucesso das ações desenvolvidas pelos Sindicatos RF – Estes congressos já são reconhecidos como referências no Estado…Paulinho – Sim. Confesso que durante a abertura me emocionei muito ao ver o filme produzido pela Federação e que mostrou a incansável trajetória sindical do companheiro Paulo Lucania. Recordei suas lutas e conquistas. Lu­cania foi um homem que nos deixou este exemplo de organização e sucesso. Por isso, os congressos estaduais dos comerciários se superam a cada ano e são, de fato, uma referência nacional e não somente estadual. RF – Que reconhecimento um congresso como este tem para a Força Sindical?Paulinho – Reconhecimento total e que vai ao encontro dos nossos objetivos. Por exemplo, nossa meta é fortalecer as categorias por ramo de atividade; estratégia que os comerciários têm seguido à risca. Tenho certeza que todos seguirão as decisões tiradas durante o encontro. RF – Quais deliberações você destacaria?Paulinho – Todas são importantes. Por isso, constaram nas deliberações e foram aprovadas por unanimidade. Mas posso destacar a garantia da regulamentação do trabalho dos comerciários aos domingos, via medida provisória, o combate à terceirização, a luta pela redução da jornada sem diminuição salarial, além das mobilizações por geração de emprego e pagamento de salários dignos. RF – Por sinal, uma das bandeiras da Força é regulamentar a terceirização!Paulinho – Sim. Este é um mal que atinge trabalhadores não somente no Brasil, mas também em muitos outros paí­ses. Ninguém agüenta mais ver o terceirizado sendo tratado como cidadão de segunda categoria. E para cuidar da questão, as centrais estão preparando uma reunião com o ministro do Trabalho, Carlos Lupi, e com a delegada regio­nal do Trabalho do Estado, Lucíola Rodrigues Jaime. Queremos criar um processo de negociação com o setor patronal para chegarmos a um entendimento. Em vez de projeto de lei, proporemos ao Governo baixar uma MP, porque projeto de lei demora para andar no Congresso. RF – Como se daria essa regulamentação?Paulinho – Queremos regulamentar a terceirização que permite a precarização do trabalho. Ou seja, a terceirização abusiva. Concordamos com a OIT que defende o trabalho decente. Será iniciada com discussões bem detalhadas. RF – E sobre a inclusão de uma cláusula acerca da Participação nos Lucros e Resultados na convenção coletiva, também deliberada pelos congressistas. O que acha?Paulinho – Acho muito importante. Apóio a reivindicação e a Força entra com tudo nesta solicitação legítima e necessária. E não somente nesta questão. Vamos juntos pressionar as Delegacias Regionais do Trabalho e respectivas subdelegacias para que a convenção seja cumprida. Fazer mobilizações para se formalizar os trabalhadores informais. Dar fim aos chamados pagamentos “por fora”, de horas extras e complementos salariais e outras mazelas que atingem a categoria que, por sorte, conta com dirigentes preparados e combativos em todo o Estado, como se viu no 16° Congresso.RF – O ministro Lupi, entre outras personalidades, prestigiou a abertura do 16° Congresso. Ele demonstrou bastante disposição em estar bem próximo dos Sindicatos!Paulinho – O ministro Lupi tem marcado seu mandato pelo atendimento dado às entidades sindicais que o procuram em Brasília. É um parceiro que procura atender e ajudar  todas entidades sindicais das mais diferenciadas correntes. RF – A manutenção do veto presidencial à Emenda 3 exemplifica este compromisso do ministro com os Sindicatos? Paulinho – Sem dúvida. Mas acima de tudo, a Emenda 3, que trata da questão das pessoas jurídicas, fragilizando as relações empregatícias, foi barrada graças a mobilização do movimento sindical. E essa mobilização continua. Acho que ganhamos força no primeiro semestre e, com o apoio e empenho do ministro Lupi, por exemplo, conseguimos com que o Governo editasse a Medida Provisória 388 regulamentando o trabalho do comerciá­rio aos domingos. Por sinal, essa mobilização foi bem comandada pelo Motta, representante da Força, e pelo Ricardo Pa­tah, presidente da UGT, durante as negociações com os patrões. Graças à unidade, conseguimos fazer um acordo. Agora, no segundo semestre, vamos avançar nas conquistas. RF – Qual é a sua avaliação sobre a MP 388?Paulinho – Sinceramente não era o que queríamos. Gostaríamos que o comerciário não trabalhasse aos domingos. Mas do jeito que estava, com as decisões nas mãos dos patrões, não podia continuar. Conseguimos fechar um acordo graças à pressão dos trabalhadores e às negociações dos nossos companheiros. RF-  E sobre a legalização das centrais?Paulinho – Considero a decisão mais importante do Presidente Lula tomada nos últimos dias. Ou seja, ter mandado para o Congresso o Projeto de Lei 1990/07, já aprovado na Câmara, com urgência constitucional, reconhecendo as centrais sindicais. Registro também nossos agradecimentos ao ministro Lupi por todo o seu empenho. RF- Trata-se de um luta que não é de hoje!Paulinho – Não, é antiga, e pelos seus benefícios ao sindicalismo e anos de luta que demandou, deve ser muito festejada. Em 1950, já se tentava criar uma central porque a organização sindical feita, a qual agradecemos o presidente Vargas, é por categoria, por setor de produção. No Brasil, sempre foi proibido juntar categorias diferentes. A organização só foi permitida através das nossas categorias, o que enfraquecia o movimento sindical. Depois, o sindicalismo passou pelo golpe de 1964 com o famoso Comando Geral dos Trabalhadores que fazia grandes mobilizações. E, no final da Ditadura Militar, veio a criação da CUT, CGT e Força Sindical. Então, o reconhecimento das centrais legaliza a organização dos trabalhadores. E lógico que essas questões ainda não estão resolvidas. A MP que regulamenta o trabalho dos comerciários aos domingos tem força de lei e 45 dias para ser aprovada no Congresso e a legalização das centrais, embora seja projeto de lei com urgência constitucional, também. Vamos ficar em cima, porque como já disse, as questões favoráveis aos trabalhadores demoram para andar em Brasília. Quando é contra, anda rápido. RF – Com as centrais legalizadas como serão encaminhadas as discussões acerca das contribuições sindicais?Paulinho – Esta é uma guerra entre Ministério Público, Sindicatos e trabalhadores e agora tem esta emenda do deputado Augusto Carvalho, que pede autorização do trabalhador para descontar o imposto sindical. Vamos para cima, por que isso é muito ruim. O Ministério Público, multa a empresa que desconta do trabalhador a contribuição. Isso vai quebrar as entidades e os direitos dos trabalhadores. Queremos fazer uma reunião entre as centrais e o Ministério Público, para contermos essa pressão e regulamentar a contribuição, negociando com o Governo a fim de decidir se continuaremos ou não com as atuais contribuições. A proposta da Força é substituir as três por algum outro sistema de arrecadação, desde que aprovado em assembléia. Com ele poderíamos manter as entidades, realizar as ações sindicais e, entre outros, promover um evento tão grandioso como foi o 16° Congresso, um instrumento de luta, formador, informador e conscientizador de uma forte categoria. Parabéns.  “O presidente da Federação, Luiz Carlos Motta, é um grande sindicalista, prestigiado e respeitado, inclusive por ministros de Estado que lá estiveram. Reuniu 750 congressistas que aprovaram deliberações imprescindíveis à categoria”

Fonte: Assessoria de Imprensa da Fecesp, Robson Gil Gazzola

Últimas de Força

Todas de Força
Presidente da Força participa de Seminário promovido pela FETRAMICO
Força 11 ABR 2024

Presidente da Força participa de Seminário promovido pela FETRAMICO

SMC realiza atividade sobre aplicação da Lei de Igualdade Salarial
Força 11 ABR 2024

SMC realiza atividade sobre aplicação da Lei de Igualdade Salarial

Diálogo Sindical em Saúde do Trabalhador e da Trabalhadora
Imagem do dia 11 ABR 2024

Diálogo Sindical em Saúde do Trabalhador e da Trabalhadora

O esquenta do 1º de Maio
Artigos 11 ABR 2024

O esquenta do 1º de Maio

SINPOSPETRO-RJ rejeita proposta patronal e luta pela equiparação salarial no Rio
Força 11 ABR 2024

SINPOSPETRO-RJ rejeita proposta patronal e luta pela equiparação salarial no Rio

Faça a sua inscrição e participe do 8⁰ Congresso Internacional de Direito Sindical
Força 10 ABR 2024

Faça a sua inscrição e participe do 8⁰ Congresso Internacional de Direito Sindical

Negociação salarial dos frentistas do Rio será retomada hoje (10)
Força 10 ABR 2024

Negociação salarial dos frentistas do Rio será retomada hoje (10)

Sindicatos indianos lutam pelos direitos dos trabalhadores
Imprensa 10 ABR 2024

Sindicatos indianos lutam pelos direitos dos trabalhadores

Vídeos 10 ABR 2024

Resumo das atividades de terça-feira em Brasília; confira!

Centrais reúnem-se com Paim para debater projeto antissindical
Força 10 ABR 2024

Centrais reúnem-se com Paim para debater projeto antissindical

Sindicalistas se reúnem com Secretário Geral da Presidência da República
Força 9 ABR 2024

Sindicalistas se reúnem com Secretário Geral da Presidência da República

Sindnapi inaugura subsede em Campo Grande
Força 9 ABR 2024

Sindnapi inaugura subsede em Campo Grande

1º de Maio unitário das Centrais Sindicais será no Itaquerão
Força 9 ABR 2024

1º de Maio unitário das Centrais Sindicais será no Itaquerão

Sindicalistas se reúnem com ministro do TST
Força 9 ABR 2024

Sindicalistas se reúnem com ministro do TST

Mulheres da Central fazem avaliação do Março Mulher
Mulher 9 ABR 2024

Mulheres da Central fazem avaliação do Março Mulher

Abril Verde $ Abril Azul
Força 9 ABR 2024

Abril Verde $ Abril Azul

SINPOSPETRO-RJ busca novas parcerias em cursos para qualificação dos frentistas
Força 9 ABR 2024

SINPOSPETRO-RJ busca novas parcerias em cursos para qualificação dos frentistas

STF dá ganho de causa ao Sindserv contra prefeitura do Guarujá
Força 9 ABR 2024

STF dá ganho de causa ao Sindserv contra prefeitura do Guarujá

Sindicalistas levam reivindicações dos portuários ao governo
Força 9 ABR 2024

Sindicalistas levam reivindicações dos portuários ao governo

Um inovador primeiro passo
Artigos 8 ABR 2024

Um inovador primeiro passo

Nota: Apoiamos o Ministro Alexandre de Moraes contra as ameaças de Musk
Força 8 ABR 2024

Nota: Apoiamos o Ministro Alexandre de Moraes contra as ameaças de Musk

Força e Sindicato dos Metalúrgicos SP sediam encontro de Saúde do Trabalhador
Força 8 ABR 2024

Força e Sindicato dos Metalúrgicos SP sediam encontro de Saúde do Trabalhador

Seguridade Social uma questão de humanidade
Artigos 8 ABR 2024

Seguridade Social uma questão de humanidade

Agenda em Brasília: destaque para encontros com Ministros do Trabalho e da Previdência
Força 8 ABR 2024

Agenda em Brasília: destaque para encontros com Ministros do Trabalho e da Previdência

Ministro do Trabalho, Luiz Marinho, esclarece a regulação de motoristas de apps
Força 6 ABR 2024

Ministro do Trabalho, Luiz Marinho, esclarece a regulação de motoristas de apps

Nota de pesar pelo falecimento do artista Ziraldo
Força 6 ABR 2024

Nota de pesar pelo falecimento do artista Ziraldo

8º Congresso Internacional de Direito Sindical, participe!
Força 5 ABR 2024

8º Congresso Internacional de Direito Sindical, participe!

Marinho: Trabalhadores devem debater processo de inovações tecnológicas
Força 5 ABR 2024

Marinho: Trabalhadores devem debater processo de inovações tecnológicas

Diretores do Sindnapi e lideranças se reúnem com presidente do CNDPI
Força 5 ABR 2024

Diretores do Sindnapi e lideranças se reúnem com presidente do CNDPI

CMI/SP promove debate sobre Orçamento Participativo na terça (9)
Força 5 ABR 2024

CMI/SP promove debate sobre Orçamento Participativo na terça (9)

Aguarde! Carregando mais artigos...