Ação foi protocolada hoje no Tribunal de Justiça de São Paulo

O Sindicato Nacional dos Aposentados da Força Sindical e a CNTM (Confederação Nacional dos Trabalhadores nas Indústrias Metalúrgicas) entraram nesta quarta (6) com um pedido de liminar no Tribunal de Justiça de SP contra o governador João Doria para restabelecer a gratuidade do transporte público a idosos maiores de 60 anos no estado.

Vale lembrar que em dezembro, o governador João Dória e o prefeito de São Paulo Bruno Covas determinaram a retirada do benefício a quem tem entre 60 e 64 anos.

Segundo a ação, a medida representa um retrocesso em relação aos direitos dos idosos e foi "ataque feito na surdina". Os representantes dos trabalhadores e aposentados também criticam a mudança durante a pandemia do coronavírus em que essa população usa o transporte público para se recolocar no mercado de trabalho. “Estamos lutando pela volta desse direito”, disse o presidente do Sindicato dos Aposentados, João Inocentini.

"Em 2020 o salário mínimo era de R$ 1.045,00 passando em 2021 para míseros R$ 1.100,00, ou seja, sequer recompõe a inflação, bem como, sequer é suficiente para o idoso agora despender para seu transporte individual", diz a ação.

“É um absurdo penalizar as pessoas menos favorecidas economicamente”, ressaltou o presidente da Força Sindical e CNTM, Miguel Torres.

 

 

 

 

O Sindicato Nacional dos Aposentados da Força Sindical e a CNTM (Confederação Nacional dos Trabalhadores nas Indústrias Metalúrgicas) entraram nesta quarta (6) com um pedido de liminar no Tribunal de Justiça de SP contra o governador João Doria para restabelecer a gratuidade do transporte público a idosos maiores de 60 anos no estado.

Vale lembrar que em dezembro, o governador João Dória e o prefeito de São Paulo Bruno Covas determinaram a retirada do benefício a quem tem entre 60 e 64 anos.

Segundo a ação, a medida representa um retrocesso em relação aos direitos dos idosos e foi "ataque feito na surdina". Os representantes dos trabalhadores e aposentados também criticam a mudança durante a pandemia do coronavírus em que essa população usa o transporte público para se recolocar no mercado de trabalho. “Estamos lutando pela volta desse direito”, disse o presidente do Sindicato dos Aposentados, João Inocentini.

"Em 2020 o salário mínimo era de R$ 1.045,00 passando em 2021 para míseros R$ 1.100,00, ou seja, sequer recompõe a inflação, bem como, sequer é suficiente para o idoso agora despender para seu transporte individual", diz a ação.

“É um absurdo penalizar as pessoas menos favorecidas economicamente”, ressaltou o presidente da Força Sindical e CNTM, Miguel Torres.