Menu

Mapa do site

Emissão de boleto

Nacional São Paulo

Emissão de boleto

Nacional São Paulo
25 ABR 2024

Imagem do dia

8⁰ Congresso Internacional de Direito Sindical 8⁰ Congresso Internacional de Direito Sindical

Imagem do dia - Força Sindical

Enviar link da notícia por e-mail

Artigos

Cooperação Sul-Sul, a Política Externa Brasileira e os Desafios da Sociedade Civil

quinta-feira, 7 de julho de 2016

Artigos

Cooperação Sul-Sul, a Política Externa Brasileira e os Desafios da Sociedade Civil

Por: Ruth Coelho Monteiro

Cooperação Sul-Sul – CSS é a modalidade de cooperação técnica internacional que se dá entre países em desenvolvimento, que compartilham desafios e experiências semelhantes. Ela difere da tradicional Cooperação Norte-Sul – CNS (onde países desenvolvidos do Hemisfério Norte colaboram com países em desenvolvimento do Hemisfério Sul) e da Cooperação Internacional para o Desenvolvimento – CID.

A CSS evoluiu historicamente a partir de uma ampla gama de modalidades em termos setoriais (técnica, econômica, política) e geométricos (bilateral, trilateral, regional, multilateral). Não obstante, os conceitos utilizados para definir a CSS ainda são vagos, ao passo que os marcos utilizados para interpretá-la pecam pelo excesso de normativismo (tratando a CSS não como ela é, mas como ela deve ser) e reducionismo (deixando de dar sentido à multiplicidade de determinantes e dinâmicas que caracterizam a CSS).

As políticas voltadas para o incremento das relações com os países do Sul fundamentam-se em argumentos que buscam sustentar uma perspectiva de mudança de longo prazo, pois envolvem objetivos voltados a alcançar o desenvolvimento e tornar as regras de funcionamento do sistema internacional mais justa. No entanto, para que essas políticas se viabilizem, é necessário atuar no curto prazo, de modo a propiciar recompensas voltadas para atores domésticos e, também, para os parceiros externos.

Assim, enquanto horizonte de possibilidades, as relações Sul-Sul envolvem um discurso de mudança futura ao mesmo tempo em que alimentam expectativa de que estas mudanças já podem ser sentidas no curto prazo, criando oportunidades de políticas de desenvolvimento econômico e social para os países menos desenvolvidos beneficiários de recursos governamentais brasileiros, assim como para os setores domésticos nacionais interessados em expandir seus interesses além das fronteiras.

Consideramos necessário destacar o elemento da reciprocidade, tido como mecanismo iniciador de interações sociais. Em relações que estão se iniciando, a retribuição de benefícios recebidos se coloca como condição para que as trocas continuem acontecendo e para que, no longo prazo, se institucionalizem. Porém, diferentemente das trocas econômicas, baseadas em contratos, as trocas sociais criam obrigações difusas; se uma pessoa faz um favor a outra, existe expectativa de recompensa, mas a natureza dessa recompensa não é objeto de estipulação ou barganha antecipadas.

No caso da cooperação oferecida pelos doadores emergentes, a natureza das recompensas esperadas é ainda mais difusa, já que os diversos propósitos atrelados à ajuda ainda não se encontram suficientemente articulados em uma política coerente de cooperação.

O que importa aqui é chamar a atenção para a ideia de que fornecer ajuda a um país mais pobre, o que se daria no âmbito da modalidade da Cooperação Sul-Sul para o Desenvolvimento – CSSD, pode se tornar um importante mecanismo iniciador das relações entre países do Sul. Não obstante, para que essas relações tenham continuidade ao longo do tempo é necessário que a parte que forneceu a ajuda também se veja recompensada. Há quem aponte, ainda, que quanto mais simétricos forem os benefícios alcançados, melhor será o desempenho das partes engajadas em relações cooperativas.

Acreditamos que, uma vez que a ajuda engatilhe um processo de recompensas mútuas entre os países em desenvolvimento, as trocas entre eles tendem a se repetir, a se aprofundar e se ampliar ao longo do tempo, produzindo uma verdadeira situação de interdependência, da qual poderiam resultar níveis mais avançados de cooperação.

 

Entender a CSS como um processo complexo de trocas é fundamental diante do surgimento de abordagens que buscam tratar a CSS como um fenômeno ligado a trocas simplificadas, como apontam as abordagens baseadas na troca de conhecimentos ou de políticas. O Banco Mundial e agências da ONU vêm insistindo em apontar que o caráter diferencial da CSS em relação à CNS se basearia nessas dimensões. Embora elas existam em bases claras quando observamos parcerias entre países de mesmo desenvolvimento relativo, subsumir a CSS a essas abordagens é reducionista, formando mais uma expressão e um pensamento normativo sobre a CSS.

Cabe ressaltar aqui que essa pluralização dos atores envolvidos na CSS traz também uma pluralidade de objetivos e de possibilidades de recompensas. É possível que atores já engajados em iniciativas de comércio e investimentos Sul-Sul tenham maior capacidade de influenciar a CSSD. Entender em que medida isso se confirma e compreender os mecanismos dessa influência é fundamental para que outros agentes aprendam com essas experiências, qualificando-se para participar também nos rumos da CSSD.

Iniciativas voltadas para o desenvolvimento de outros países requerem engajamento de longo prazo e, quanto mais dilatada for a base de apoio à CSSD – quer dizer, quanto mais atores forem envolvidos no seu desenho, implementação e avaliação -, maior é a chance de que essas iniciativas se sustentem no longo prazo, a despeito de transformações na conjuntura econômica e política. Esse envolvimento, porém, deve se dar de forma minimamente articulada, sendo que cada ator envolvido deve ter clareza a respeito dos seus interesses próprios. Ao contrário do que nos faz crer a literatura sobre a CID em geral, que presume que motivações altruístas levarão a iniciativas mais eficazes de cooperação, acreditamos que, pelo menos em países democráticos, entender e comunicar justificativas para a utilização de fundos públicos baseadas no “interesse nacional” é fundamental para garantir a formação de “constituencies” de apoio ao desenvolvimento internacional.

Entender as múltiplas e complexas trocas envolvidas na CSS é fundamental não apenas para descrevê-la, mas também para que possamos identificar suas lacunas e apontar caminhos possíveis para o seu aprimoramento. Em última instância, classificar determinada relação Sul-Sul como cooperativa é uma questão empírica, que não pode ser analisada levando-se em conta apenas trocas específicas de conhecimento entre os atores envolvidos em iniciativas de cooperação técnica, as quais muitas vezes não se concretizam. A cooperação, conforme nos mostra a teoria social, é um fenômeno complexo que engloba recompensas de várias naturezas – materiais ou não; diretas ou indiretas.

Diferentemente das relações entre os países industrializados, os países do Sul não possuem relações historicamente intensas entre si, a não ser nos contextos regionais, razão pela qual a capacidade interpretativa da teoria neoinstitucionalista é limitada. Embora transformações econômicas e políticas fundamentais dos anos 70 tenham aberto espaço para a intensificação dessas relações em âmbito global, elas não puderam avançar em razão da crise econômica que atingiu vários países então emergentes e dos impactos negativos do ideário neoliberal sobre a mobilização Sul-Sul.

Na última década as relações entre os países em desenvolvimento se intensificaram de forma inédita, o que não significa que elas serão marcadas por uma harmonia automática. A intensificação das relações também gera conflitos, e uma das razões para a isso, no caso da CID, é que raramente as iniciativas geram recompensas para todos os grupos de interesses contidos nos Estados envolvidos. Nisso a CSS, sem dúvida, aproxima-se de dinâmicas mais gerais das relações internacionais.

Apesar disso, acreditamos que as relações Sul-Sul possuem características próprias, sendo talvez a mais relevante delas a confiança criada por uma percepção de maior horizontalidade nessas relações. No caso da cooperação técnica, por exemplo, essa confiança torna os agentes recipiendários mais dispostos a aprender com as experiências de outros países do Sul. Não obstante, sabemos que, empiricamente, essa horizontalidade nem sempre se confirma em todos os âmbitos da CSS, o que pode comprometer essa confiança no médio e longo prazos. Fundamental para mantê-la será agregar e difundir as lições aprendidas durante décadas da CID, promovendo assim uma profissionalização da cooperação oferecida pelos doadores emergentes e garantindo maior coerência entre a retórica e a prática da CSS.

A Cooperação SulSul é uma das prioridades da política externa brasileira. Na última década, o Brasil tem investido esforços e recursos em programas voltados para países da América Latina e Caribe, África e Ásia, através da Agência Brasileira de Cooperação (ABC), ligada ao Ministério das Relações Exteriores. Por essa razão, o Brasil foi o primeiro país a ter Cooperação SulSul como parte integrante do Programa de País do UNFPA.

Durante o governo Lula da Silva o eixo Sul-Sul é privilegiado, sem desconsiderar as relações com o Norte. Além dos elementos discursivos há, também, uma dimensão relevante de pragmatismo na forma como a relação Sul-Sul é visualizada, fruto de fragilidades estruturais do país. Como há interesse em ampliar a capacidade de influência e diminuir a vulnerabilidade no âmbito externo, é importante ter o apoio de outros países.

A construção de mecanismos de diálogo, cooperação e representação diplomática busca edificar, fortalecer ou descentralizar formas de cooperação. Esses espaços de interação mais intensa podem criar incentivos sociais que alimentem a cooperação, influenciem os padrões de comportamento dos parceiros, além de possibilitarem maior conhecimento recíproco sobre a realidade dos países.

A interpretação dos principais formuladores de política externa do governo Lula é que trata-se de uma perspectiva de fortalecimento nacional, das empresas, setores produtivos e estruturas estatais, de ampliação do papel do país no mundo, que busca benefícios gerais para os países em desenvolvimento, mas também fortalece a sua própria posição, a fim de melhorar sua capacidade de negociação com os países desenvolvidos, qualificar-se como um exportador de capital, tecnologia, serviços, práticas de políticas públicas, além de importante exportador de commodities.

No governo Rousseff a linha de atuação anterior foi mantida no primeiro mandato e, no segundo, continuou sendo referência. Entretanto, enfrentou dificuldades de operacionalização em função de dificuldade política e econômica interna e do fortalecimento de atores domésticos e governamentais que visualizaram nos mercados e nas relações com os países desenvolvidos o lócus central da ação externa.

Na América do Sul situações de eleições ou de turbulência política doméstica em um quadro de retração das lideranças políticas regionais, dificuldades econômicas e diminuição dos preços internacionais do petróleo, matérias primas e commodities em geral não fortalecem desenvolvimentos relativos ao que analistas consideravam como “regionalismo pós-liberal”.

Dois fatores ajudam a entender a tendência atual para configuração de uma política externa mais reativa, com repercussão relevante para os assuntos envolvendo a cooperação Sul-Sul: as características da condução presidencial e a dificuldade das condições políticas e econômicas domésticas. Do ponto de vista do governo Dilma houve menor disposição para envolver-se diretamente com os assuntos internacionais, apesar da agenda intensa de viagens internacionais. Isso tem consequências para a atuação política esperada de um país que busca maior influência internacional e diminui também a atividade discursiva relacionada à manutenção e reconstrução contínua de uma argumentação voltada para as relações Sul-Sul.

A menor prioridade para assuntos externos, se comparada principalmente com o governo Lula da Silva, mas também com o governo Cardoso, tem consequências políticas, institucionais e orçamentárias para o Ministério das Relações Exteriores, que parece não ter a delegação presidencial para avançar na cooperação Sul-Sul. Com relação à conjuntura doméstica, os desdobramentos da “Operação Lava Jato”, a opção, no segundo mandato de Dilma Rousseff, de uma política econômica mais ortodoxa e uma composição ministerial que desagradou parte da base de apoio do governo na sociedade, criou um quadro que não contribuiu para o fortalecimento das relações Sul – Sul. Situação essa que parece ter se consolidado e aprofundado com o governo interino de Michel Temer, cuja composição ministerial tem o mesmo perfil, ou ainda mais conservador, e o Ministério das Relações Exteriores encontra-se sob o comando de José Serra.

A situação tem reflexo direto para as ações brasileiras no âmbito Sul-Sul, pois:

a) representam maior contração na disponibilidade de recursos públicos para a manutenção dos acordos já estabelecidos;

b) dificulta a criação de novas frentes de atuação internacional;

c) aumenta a percepção externa de que o Brasil tem seu peso diminuído;

d) aumenta a pressão de setores domésticos contrários à cooperação Sul-Sul.

O cenário fica mais complexo no sentido de coincidir com um momento de arrefecimento da ação política e econômica dos países em desenvolvimento na governança internacional, se comparado com determinadas expectativas e acontecimentos da primeira década do século XXI, como foi o caso da atuação do G-20 Agrícola na Rodada Doha.

A implementação de uma política externa de resultados focados no âmbito comercial que tende a direcionar a política externa para ações em direção a países comercialmente mais dinâmicos parece se fortalecer no segundo mandato do governo Rousseff e pelas declarações públicas de José Serra, deverá ser mantida. Provavelmente nesse quadro, a centralidade da cooperação e das relações Sul-Sul tende a diminuir. Isso pode ter consequências para o próprio peso relativo das exportações do país no conjunto das importações dos países parceiros em desenvolvimento, para a capacidade de atuação brasileira na discussão das grandes questões internacionais e para a diminuição do seu papel no sentido de contribuir para a construção de um sistema internacional multipolar.

Diante dessa situação, o papel a ser desempenhado pela sociedade civil, tanto nos projetos existentes, como na criação de novas demandas e novos projetos de CSS, reveste-se de fundamental importância para dar continuidade às politicas governamentais e aos projetos em andamento, numa perspectiva de criação de formas alternativas de produção e comercialização de bens e serviços, ao mesmo tempo que a aquisição de autossuficiência e independência tecnológica e financeira, colocando em foco a economia social e solidária como um instrumento para a realização do objetivo maior de construção de uma nova ordem mundial baseada na Justiça Social, no Trabalho Decente e no Desenvolvimento Sustentável.

São Vicente, 24 de Junho de 2016.

Ruth Coelho Monteiro

Secretária Nacional de Cidadania e Direitos Humanos da Força Sindical

 

 

Bibliografia:

Cooperação Sul-Sul: Conceito, História e Marcos Interpretativos

Iara Costa Leite

Instituto de Estudos Sociais e Políticos – Observatório Político Sul-Americano

Universidade do Estado do Rio de Janeiro IESP/UERJ

www.opsa.com.br

 

Desafios da Política Externa brasileira em relação à Cooperação Sul-Sul

Haroldo Ramanzini Júnior, professor da Universidade Federal de Uberlândia (UFU) e integrante do Grupo de Reflexão sobre Relações Internacionais/GR-RI.

Marcelo Passini Mariano, professor da Universidade Estadual Paulista (UNESP)

Sindicalismo não recua!
Josinaldo José de Barros (Cabeça)

Sindicalismo não recua!

Tragédia no Sul, o chamado da natureza
Eusébio Pinto Neto

Tragédia no Sul, o chamado da natureza

Cabeça de bacalhau
João Guilherme Vargas Netto

Cabeça de bacalhau

Dia Internacional da Enfermagem: 12 de maio
Jefferson Caproni

Dia Internacional da Enfermagem: 12 de maio

Não à desvinculação das aposentadorias
Milton Cavalo

Não à desvinculação das aposentadorias

Nossa solidariedade ao Rio Grande do Sul
Gilberto Almazan

Nossa solidariedade ao Rio Grande do Sul

Não ao assédio moral
Paulo Ferrari

Não ao assédio moral

Um inovador primeiro passo
Clemente Ganz Lúcio

Um inovador primeiro passo

“Combustível do Futuro” e o futuro do trabalho
Sérgio Luiz Leite, Serginho

“Combustível do Futuro” e o futuro do trabalho

Dia Internacional da Mulher: Desafios e compromissos pela igualdade
Maria Auxiliadora

Dia Internacional da Mulher: Desafios e compromissos pela igualdade

Uma questão de gênero
Aparecida Evaristo

Uma questão de gênero

Avanços reais
João Passos

Avanços reais

Comerciário sindicalizado só tem a ganhar
Milton de Araújo

Comerciário sindicalizado só tem a ganhar

Apagão de responsabilidade
Nilton Souza da Silva, o Neco

Apagão de responsabilidade

Viva a república
Zoel Garcia Siqueira

Viva a república

Congresso da IndustriALL será em 2025, Fequimfar participa da organização
Força 24 MAI 2024

Congresso da IndustriALL será em 2025, Fequimfar participa da organização

RJ: frentistas rejeitam acordo e mantém processo contra empresa
Força 24 MAI 2024

RJ: frentistas rejeitam acordo e mantém processo contra empresa

Peritos Criminais: Servidores SP e Dieese avaliam perdas salariais
Força 24 MAI 2024

Peritos Criminais: Servidores SP e Dieese avaliam perdas salariais

Força e sindicatos enviam doações ao RS
Força 24 MAI 2024

Força e sindicatos enviam doações ao RS

Dieese: 77% dos acordos salariais tiveram ganho real em abril
Imprensa 23 MAI 2024

Dieese: 77% dos acordos salariais tiveram ganho real em abril

Força Sindical participa de debate sobre tributação em evento do G20
Força 23 MAI 2024

Força Sindical participa de debate sobre tributação em evento do G20

Federação dos Servidores SP participa de Plenária das Centrais, em Brasília
Força 23 MAI 2024

Federação dos Servidores SP participa de Plenária das Centrais, em Brasília

SINPOSPETRO-RJ presente na Plenária Nacional das Centrais Sindicais em Brasília
Força 23 MAI 2024

SINPOSPETRO-RJ presente na Plenária Nacional das Centrais Sindicais em Brasília

Força Sindical e Sindicatos enviarão nesta sexta, 24, mais doações ao RS
Força 23 MAI 2024

Força Sindical e Sindicatos enviarão nesta sexta, 24, mais doações ao RS

Sem comunicação prévia eleição de CIPA é impugnada
Força 23 MAI 2024

Sem comunicação prévia eleição de CIPA é impugnada

Saiba mais sobre as Agendas Legislativa e Judiciária
Força 23 MAI 2024

Saiba mais sobre as Agendas Legislativa e Judiciária

Centrais apresentam Agendas Legislativa e Jurídica ao Congresso
Força 23 MAI 2024

Centrais apresentam Agendas Legislativa e Jurídica ao Congresso

Centrais lançam Agenda Jurídica durante Plenária Nacional
Força 22 MAI 2024

Centrais lançam Agenda Jurídica durante Plenária Nacional

Eletricitários SP somam força a Plenária das Centrais em Brasília
Força 22 MAI 2024

Eletricitários SP somam força a Plenária das Centrais em Brasília

MTE simplifica registro sindical com novas ferramentas online
Imprensa 22 MAI 2024

MTE simplifica registro sindical com novas ferramentas online

“22 de Maio por Mais Direitos” tem adesão do Sincomerciários de Jundiaí
Força 22 MAI 2024

“22 de Maio por Mais Direitos” tem adesão do Sincomerciários de Jundiaí

Pauta da Classe Trabalhadora pede medidas para reconstrução do RS
Força 22 MAI 2024

Pauta da Classe Trabalhadora pede medidas para reconstrução do RS

Renault/Horse: 15º dia de greve na luta por melhores condições de trabalho
Força 22 MAI 2024

Renault/Horse: 15º dia de greve na luta por melhores condições de trabalho

Veja fotos da Plenária Nacional das Centrais Sindicais
Força 22 MAI 2024

Veja fotos da Plenária Nacional das Centrais Sindicais

Vídeos 22 MAI 2024

Miguel Torres: Todo apoio aos trabalhadores da Renault no Paraná

Solidariedade aos trabalhadores da Renault
Força 22 MAI 2024

Solidariedade aos trabalhadores da Renault

Plenária Nacional das centrais sindicais!
Força 22 MAI 2024

Plenária Nacional das centrais sindicais!

Sindicalismo não recua!
Artigos 22 MAI 2024

Sindicalismo não recua!

Trabalhadores fazem protesto na empresa Líder, em Mauá
Força 21 MAI 2024

Trabalhadores fazem protesto na empresa Líder, em Mauá

Metalúrgicos de Mococa enviam doações para o Rio Grande do Sul
Força 21 MAI 2024

Metalúrgicos de Mococa enviam doações para o Rio Grande do Sul

Metalúrgicos da Força vão à Brasília
Força 21 MAI 2024

Metalúrgicos da Força vão à Brasília

Presidente do SINPOSPETRO-RJ visita postos de combustíveis na madrugada
Força 21 MAI 2024

Presidente do SINPOSPETRO-RJ visita postos de combustíveis na madrugada

Seminário valoriza atuação e memoria metalúrgica
Força 21 MAI 2024

Seminário valoriza atuação e memoria metalúrgica

Subsede do Sindnapi em Porto Alegre fica fechada por tempo indeterminado
Força 20 MAI 2024

Subsede do Sindnapi em Porto Alegre fica fechada por tempo indeterminado

Tragédia no Sul, o chamado da natureza
Artigos 20 MAI 2024

Tragédia no Sul, o chamado da natureza

Aguarde! Carregando mais artigos...