Sérgio Butka
Sérgio Butka

O Sindicato dos Metalúrgicos da Grande Curitiba informam entrou em contato, no último dia 14 de janeiro, com o governo do Estado do Paraná solicitando que,  junto com os profissionais de saúde, também sejam priorizados para receber a vacina os trabalhadores ativos  do grupo de risco  dos demais setores produtivos que estão afastados e  impedidos de realizar suas funções devido à Pandemia.

A medida, além de proteger os trabalhadores, é uma maneira de acelerar a volta ao trabalho,  trazendo benefícios para toda a sociedade: para o trabalhador que estava afastado e voltará a receber  a integralidade do seu salário,  para as empresas que teriam seus custos amenizados e, consequentemente, para a retomada econômica que se faz tão urgente.

É fato que quanto mais rápido o processo de vacinação andar, mais rápido acontecerá a volta da normalidade para que o trabalhador possa voltar a produzir e garantir o sustento da sua família. Esperamos a sensibilidade do governo com nossas considerações para que os trabalhadores do grupo de risco possam então ser vacinados, se não na primeira leva, pelo menos da segunda leva de vacinação. Ganha a sociedade, a economia e o Brasil.

Sérgio Butka
PRESIDENTE DO SINDICATO DOS METALÚRGICOS DA GRANDE CURITIBA E DA FORÇA SINDICAL\PR

O Sindicato dos Metalúrgicos da Grande Curitiba informam entrou em contato, no último dia 14 de janeiro, com o governo do Estado do Paraná solicitando que,  junto com os profissionais de saúde, também sejam priorizados para receber a vacina os trabalhadores ativos  do grupo de risco  dos demais setores produtivos que estão afastados e  impedidos de realizar suas funções devido à Pandemia.

A medida, além de proteger os trabalhadores, é uma maneira de acelerar a volta ao trabalho,  trazendo benefícios para toda a sociedade: para o trabalhador que estava afastado e voltará a receber  a integralidade do seu salário,  para as empresas que teriam seus custos amenizados e, consequentemente, para a retomada econômica que se faz tão urgente.

É fato que quanto mais rápido o processo de vacinação andar, mais rápido acontecerá a volta da normalidade para que o trabalhador possa voltar a produzir e garantir o sustento da sua família. Esperamos a sensibilidade do governo com nossas considerações para que os trabalhadores do grupo de risco possam então ser vacinados, se não na primeira leva, pelo menos da segunda leva de vacinação. Ganha a sociedade, a economia e o Brasil.

Sérgio Butka
PRESIDENTE DO SINDICATO DOS METALÚRGICOS DA GRANDE CURITIBA E DA FORÇA SINDICAL\PR