onibus bertiogaCrédito: Arquivo
Na foto, de Otávio Costa, da publicação ‘Ônibus Brasil’, um veículo da viação Bertioga
O TRT (tribunal regional do trabalho) avaliará, às 15 horas desta sexta-feira (16), a demissão por justa causa de cerca de 80% dos 160 empregados da viação Bertioga.
 
Os motoristas, pessoal de manutenção e monitoras de transporte escolar foram demitidos ontem (4ª-feira 14), após cinco dias de greve contra atrasos de salário e vale-refeição.
 
Na manhã desta quinta-feira (15), o vice-presidente do sindicato dos trabalhadores rodoviários (Sindrod), José Alberto Torres Simões ‘Betinho’, esteve com o prefeito Caio Matheus (PSDB).
 
Na quarta-feira (14), o prefeito anulou o contrato com a viação e anunciou a contratação emergencial de outra empresa para operar as linhas de transporte coletivo urbanas.
 
Acompanhado pelo secretário-geral Eronaldo José de Oliveira ‘Ferrugem’, o sindicalista solicitou ao prefeito que interfira junto à empresa que substituirá a viação Bertioga para contratar os demitidos.
 
Segundo Beto, o prefeito mostrou-se favorável ao pedido e garantiu que se empenhará. Também participaram da reunião os diretores Antônio Oliveira Lima ‘Toninho’ e Wálter Gomes da Silva ‘Mineiro’.
 
TRT quer esclarecer ‘a delicada situação’
 
A audiência no TRT, segundo o advogado do sindicato Cleiton Leal Dias Júnior, é um desdobramento da ação cautelar proposta pela empresa para impedir a oitava greve apenas neste ano.
 
O advogado tentará reverter a justa causa, garantindo ao pessoal as verbas rescisórias, além dos salários, benefícios e outras pendências, inclusive depósitos de fundo de garantia, INSS e plano de saúde.
 
Em despacho nesta quinta-feira (15), o desembargador do TRT Cláudio Roberto Sá dos Santos diz que convocou a audiência para “obter maiores subsídios para esclarecer a delicada situação”.
 
O despacho anuncia que a Justiça do Trabalho tentará alcançar a composição das partes. A audiência será telepresencial, a cargo da secretaria da seção especializada em dissídios coletivos.
 
Tristeza e indignação
 
Beto Simões se diz “indignado” com o fato da empresa ter demitido os funcionários pelo WhatsApp, levando alguns a chorar de tristeza, incertezas e dívidas com aluguéis e outros compromissos.
 
A greve começou no final da tarde de sexta-feira (9). A empresa ainda deve o adiantamento salarial de 20 de setembro, o vale-refeição do dia 25 e o salário de 6 de outubro.
onibus bertiogaCrédito: Arquivo
Na foto, de Otávio Costa, da publicação ‘Ônibus Brasil’, um veículo da viação Bertioga
O TRT (tribunal regional do trabalho) avaliará, às 15 horas desta sexta-feira (16), a demissão por justa causa de cerca de 80% dos 160 empregados da viação Bertioga.
 
Os motoristas, pessoal de manutenção e monitoras de transporte escolar foram demitidos ontem (4ª-feira 14), após cinco dias de greve contra atrasos de salário e vale-refeição.
 
Na manhã desta quinta-feira (15), o vice-presidente do sindicato dos trabalhadores rodoviários (Sindrod), José Alberto Torres Simões ‘Betinho’, esteve com o prefeito Caio Matheus (PSDB).
 
Na quarta-feira (14), o prefeito anulou o contrato com a viação e anunciou a contratação emergencial de outra empresa para operar as linhas de transporte coletivo urbanas.
 
Acompanhado pelo secretário-geral Eronaldo José de Oliveira ‘Ferrugem’, o sindicalista solicitou ao prefeito que interfira junto à empresa que substituirá a viação Bertioga para contratar os demitidos.
 
Segundo Beto, o prefeito mostrou-se favorável ao pedido e garantiu que se empenhará. Também participaram da reunião os diretores Antônio Oliveira Lima ‘Toninho’ e Wálter Gomes da Silva ‘Mineiro’.
 
TRT quer esclarecer ‘a delicada situação’
 
A audiência no TRT, segundo o advogado do sindicato Cleiton Leal Dias Júnior, é um desdobramento da ação cautelar proposta pela empresa para impedir a oitava greve apenas neste ano.
 
O advogado tentará reverter a justa causa, garantindo ao pessoal as verbas rescisórias, além dos salários, benefícios e outras pendências, inclusive depósitos de fundo de garantia, INSS e plano de saúde.
 
Em despacho nesta quinta-feira (15), o desembargador do TRT Cláudio Roberto Sá dos Santos diz que convocou a audiência para “obter maiores subsídios para esclarecer a delicada situação”.
 
O despacho anuncia que a Justiça do Trabalho tentará alcançar a composição das partes. A audiência será telepresencial, a cargo da secretaria da seção especializada em dissídios coletivos.
 
Tristeza e indignação
 
Beto Simões se diz “indignado” com o fato da empresa ter demitido os funcionários pelo WhatsApp, levando alguns a chorar de tristeza, incertezas e dívidas com aluguéis e outros compromissos.
 
A greve começou no final da tarde de sexta-feira (9). A empresa ainda deve o adiantamento salarial de 20 de setembro, o vale-refeição do dia 25 e o salário de 6 de outubro.