Dias 10 e 11 de setembro, os metalúrgicos vão às urnas. Uma só chapa concorrerá ao nosso Sindicato. A Chapa 1, Metalúrgicos em Ação, tem 24 integrantes. Josinaldo José de Barros (ex-Borlem e atual Maxion) encabeça a Chapa.
Ele é bem conhecido na base. Mas vale a pena conhecer mais esse pernambucano de Vertentes, nascido em 1969, que migrou pra Guarulhos em 1983. Por quase 24 anos, trabalhou na Borlem (Itapegica) como operador de máquinas, onde fez carreira profissional e se iniciou no sindicalismo.
 
Josinaldo José de Barros é o atual vice na diretoria do Sindicato. Ele falou em live da entidade, quinta (6).
 
Trechos principais:
 
Migrante - Vim aos 14 anos pra Guarulhos morar com meu irmão Manoel, que ajudou a me criar. Depois fui morar com meu irmão Barros e dois primos em um barraco. Aí entrei na oficina central da Camargo Correa.
 
Trabalho - Fiquei três anos na Camargo; aprendi muito lá. Só fui demitido porque ajudei a fazer greve. Em seguida, entrei na Thamco Indústria de Carrocerias de Ônibus. Lá conheci nosso Sindicato por meio do Hulk e Pereira. Saí da empresa em 1993.
 
Greve - Teve a greve da Thamco em 1990. Em agosto conseguimos mais 40% no salário; a inflação era altíssima. Em novembro, na data-base, tivemos 113% de reajuste.
 
Luta - As assembleias eram na rua do Sindicato, com até 10 mil metalúrgicos. Nossa base tinha mais de 80 mil. Foram muitas conquistas na época.
 
Borlem - Entrei em 1993. Em 1994 fizemos greve andorinha de cinco dias na Campanha Salarial e conseguimos acordo coletivo superior ao da data-base. No reduto de Itapegica, os companheiros da Borlem sempre foram a vanguarda.
 
Sindicato - Tomei posse em 2001. Entrei como primeiro suplente. Em 2010, assumi a presidência do Dieese. Devo muito ao Dieese. É o melhor lugar de preparação de um dirigente sindical.
 
RodCar - Hoje, sou funcionário da RodCar, que fabrica carrinhos de supermercados, aeroporto e outros.
 
Família - Sou casado com Adriane Gomes da Silva Barros. Tenho dois filhos, Henrique de 25 anos, formado em engenharia mecânica, sócio do Sindicato. Trabalha na Continental, antiga VDO. O outro, Vinicius de 21 anos, vai se formar em Administração. Sempre incentivei o estudo deles.
 
Eleição - A “Chapa 1 - Metalúrgicos em Ação” teve algumas mudanças, mas os ideais continuam. A novidade é uma mulher na diretoria Executiva. Também temos trabalhadores jovens, um é da Mahle Behr e tem 23 anos. São cinco novos companheiros jovens.
 
Qualificação - Tanto pro dirigente quanto pra base, o ponto central é a qualificação profissional, cultural e política. Nosso Sindicato foi o primeiro do Brasil a criar uma escola profissionalizante voltada pra indústria, com até 50% de desconto. Em parceria com o Senai. No início, todo maquinário era do Sindicato.
 
Assista - A entrevista completa você assista aqui
 

 

Ele é bem conhecido na base. Mas vale a pena conhecer mais esse pernambucano de Vertentes, nascido em 1969, que migrou pra Guarulhos em 1983. Por quase 24 anos, trabalhou na Borlem (Itapegica) como operador de máquinas, onde fez carreira profissional e se iniciou no sindicalismo.
 
Josinaldo José de Barros é o atual vice na diretoria do Sindicato. Ele falou em live da entidade, quinta (6).
 
Trechos principais:
 
Migrante - Vim aos 14 anos pra Guarulhos morar com meu irmão Manoel, que ajudou a me criar. Depois fui morar com meu irmão Barros e dois primos em um barraco. Aí entrei na oficina central da Camargo Correa.
 
Trabalho - Fiquei três anos na Camargo; aprendi muito lá. Só fui demitido porque ajudei a fazer greve. Em seguida, entrei na Thamco Indústria de Carrocerias de Ônibus. Lá conheci nosso Sindicato por meio do Hulk e Pereira. Saí da empresa em 1993.
 
Greve - Teve a greve da Thamco em 1990. Em agosto conseguimos mais 40% no salário; a inflação era altíssima. Em novembro, na data-base, tivemos 113% de reajuste.
 
Luta - As assembleias eram na rua do Sindicato, com até 10 mil metalúrgicos. Nossa base tinha mais de 80 mil. Foram muitas conquistas na época.
 
Borlem - Entrei em 1993. Em 1994 fizemos greve andorinha de cinco dias na Campanha Salarial e conseguimos acordo coletivo superior ao da data-base. No reduto de Itapegica, os companheiros da Borlem sempre foram a vanguarda.
 
Sindicato - Tomei posse em 2001. Entrei como primeiro suplente. Em 2010, assumi a presidência do Dieese. Devo muito ao Dieese. É o melhor lugar de preparação de um dirigente sindical.
 
RodCar - Hoje, sou funcionário da RodCar, que fabrica carrinhos de supermercados, aeroporto e outros.
 
Família - Sou casado com Adriane Gomes da Silva Barros. Tenho dois filhos, Henrique de 25 anos, formado em engenharia mecânica, sócio do Sindicato. Trabalha na Continental, antiga VDO. O outro, Vinicius de 21 anos, vai se formar em Administração. Sempre incentivei o estudo deles.
 
Eleição - A “Chapa 1 - Metalúrgicos em Ação” teve algumas mudanças, mas os ideais continuam. A novidade é uma mulher na diretoria Executiva. Também temos trabalhadores jovens, um é da Mahle Behr e tem 23 anos. São cinco novos companheiros jovens.
 
Qualificação - Tanto pro dirigente quanto pra base, o ponto central é a qualificação profissional, cultural e política. Nosso Sindicato foi o primeiro do Brasil a criar uma escola profissionalizante voltada pra indústria, com até 50% de desconto. Em parceria com o Senai. No início, todo maquinário era do Sindicato.