Iniciamos esta quarta-feira (25) chocados com a tragédia que matou 41 trabalhadores da indústria têxtil Stattus Jeans, ocorrida por volta das 6h30, no km 172 da Rodovia Alfredo de Oliveira Carvalho, em Taguaí (SP). 
 
O ônibus que transportava cerca de 50 trabalhadores e invadiu a pista contrária chocando-se com uma carreta de esterco, acumula 11 multas e estava com IPVA, licenciamento e DPVAT atrasados, segundo informou o G1. Mais do que isso, o veículo pertence a uma empresa clandestina, que não tem registro junto à Artesp nem à Agência Nacional de Transportes Terrestres. 
 
Frente a tais informações, nos perguntamos: foi acidente? 
 
É revoltante constatar que a morte de 41 pessoas, 41 trabalhadores, é resultado, mais uma vez da negligencia de empresas e do poder público. Negligencia que se manifesta aqui na falta de condições adequadas e seguras para o transporte dos funcionários.
 
E este gravíssimo problema, problema fatal, está inserido em um quadro geral nefasto que é o da reforma trabalhista, da flexibilização das Normas Regulamentadoras de Saúde e Segurança e do fim do Ministério do Trabalho, que era o principal responsável pela fiscalização nos locais de trabalho. Um quadro de profundo descaso com o povo brasileiro.
 
Os trabalhadores da Stattus Jeans pertencem à base do Sindicato dos Têxteis da cidade de Fartura e Região, filiados à Força Sindical. São nossos representados. 
 
Nos solidarizamos, nos colocamos à postos para atendê-los, bem como conclamamos à população local que se solidarize de todas as formas possíveis, como com a doação de sangue, e exigimos a devida apuração dos fatos. 
 
Miguel Torres, presidente da Força Sindical
 
Iniciamos esta quarta-feira (25) chocados com a tragédia que matou 41 trabalhadores da indústria têxtil Stattus Jeans, ocorrida por volta das 6h30, no km 172 da Rodovia Alfredo de Oliveira Carvalho, em Taguaí (SP). 
 
O ônibus que transportava cerca de 50 trabalhadores e invadiu a pista contrária chocando-se com uma carreta de esterco, acumula 11 multas e estava com IPVA, licenciamento e DPVAT atrasados, segundo informou o G1. Mais do que isso, o veículo pertence a uma empresa clandestina, que não tem registro junto à Artesp nem à Agência Nacional de Transportes Terrestres. 
 
Frente a tais informações, nos perguntamos: foi acidente? 
 
É revoltante constatar que a morte de 41 pessoas, 41 trabalhadores, é resultado, mais uma vez da negligencia de empresas e do poder público. Negligencia que se manifesta aqui na falta de condições adequadas e seguras para o transporte dos funcionários.
 
E este gravíssimo problema, problema fatal, está inserido em um quadro geral nefasto que é o da reforma trabalhista, da flexibilização das Normas Regulamentadoras de Saúde e Segurança e do fim do Ministério do Trabalho, que era o principal responsável pela fiscalização nos locais de trabalho. Um quadro de profundo descaso com o povo brasileiro.
 
Os trabalhadores da Stattus Jeans pertencem à base do Sindicato dos Têxteis da cidade de Fartura e Região, filiados à Força Sindical. São nossos representados. 
 
Nos solidarizamos, nos colocamos à postos para atendê-los, bem como conclamamos à população local que se solidarize de todas as formas possíveis, como com a doação de sangue, e exigimos a devida apuração dos fatos. 
 
Miguel Torres, presidente da Força Sindical