Frentistas do RJ se antecipam à Reforma Trabalhista e fortalecem a categoria se associando ao SINPOSPETRO-RJ
Klebson base - frentistaCrédito: Arquivo

Preocupados com as mudanças previstas na Lei 13.467, também conhecida como Reforma Trabalhista, que entra em vigor em novembro, empregados de postos de combustíveis e lojas de conveniência estão buscando informações na sede do Sindicato dos Frentistas do RJ, em Vila Isabel, e também nas subsedes de Volta Redonda e Nova Iguaçu. Para esclarecer os frentistas sobre as alterações na Consolidação das Leis do Trabalho e para garantir os direitos da categoria, conquistados na Convenção Coletiva, a diretoria do SINPOSPETRO-RJ intensificou o trabalho de base em todo o município do Rio de Janeiro e também nas cidades do Sul do estado e da Baixada Fluminense.

Segundo o diretor do SINPOSPETRO-RJ, Klebson Patrício, ao contrário do que se imagina, os trabalhadores estão preocupados com as mudanças na lei trabalhista e com a reforma da Previdência. Ele diz que os frentistas questionam sobre quem vai representar os trabalhadores na mesa de negociação e no momento da rescisão contratual. Klebson afirma que essa incerteza cria a consciência política e leva o trabalhador a se associar ao sindicato para fortalecer a categoria. O diretor acrescenta que esse despertar aumentou em cerca de 30% o número de associados no mês de julho.

SINDICALIZAÇÃO
Klébson Patrício diz que a Reforma Trabalhista está promovendo uma restruturação não só no movimento sindical, mas também com os trabalhadores. Ele cita o exemplo de um posto de combustíveis, no Catumbi, na Zona Norte do Rio, no qual os trabalhadores foram ao Ministério do Trabalho denunciar irregularidades no ambiente laboral, e foram orientados pelos próprios servidores do MT a procurarem o sindicato para garantir os seus direitos. Klebson destaca que o corte no orçamento do Ministério do Trabalho (MT) tem prejudicado o atendimento aos trabalhadores. O diretor afirma que após verificar a denúncia, o sindicato conseguiu resolver as pendências na empresa.

Klebson Patrício diz que a maioria dos trabalhadores do posto do Catumbi se sindicalizou e que um dos funcionários, que apresentava problema de saúde foi encaminhado pelo sindicato para fazer tratamento na Fundação Oswaldo Cruz (Fiocruz).

ATENDIMENTO JURÍDICO
A sede do sindicato na Avenida Professor Manuel de Abreu, nº 850, em Vila Isabel, na Zona Norte do Rio, está aberta aos trabalhadores de segunda a sexta-feira, das 8h às 17h. Quem mora no Sul do estado pode buscar informações e atendimento na subsede de Volta Redonda, que fica na Rua Quinze, nº 5, no bairro Conforto. Na Baixada Fluminense, os trabalhadores podem ligar para o telefone  (21) 2667-5126 para tirar dúvidas. A subsede que fica na Avenida Mário Guimarães, nº 428 (Edifício Le Monde), Sala 902, no Centro de Nova Iguaçu, presta atendimento jurídico todas as terças das 8h às 17 h.

Klebson base - frentistaCrédito: Arquivo

Preocupados com as mudanças previstas na Lei 13.467, também conhecida como Reforma Trabalhista, que entra em vigor em novembro, empregados de postos de combustíveis e lojas de conveniência estão buscando informações na sede do Sindicato dos Frentistas do RJ, em Vila Isabel, e também nas subsedes de Volta Redonda e Nova Iguaçu. Para esclarecer os frentistas sobre as alterações na Consolidação das Leis do Trabalho e para garantir os direitos da categoria, conquistados na Convenção Coletiva, a diretoria do SINPOSPETRO-RJ intensificou o trabalho de base em todo o município do Rio de Janeiro e também nas cidades do Sul do estado e da Baixada Fluminense.

Segundo o diretor do SINPOSPETRO-RJ, Klebson Patrício, ao contrário do que se imagina, os trabalhadores estão preocupados com as mudanças na lei trabalhista e com a reforma da Previdência. Ele diz que os frentistas questionam sobre quem vai representar os trabalhadores na mesa de negociação e no momento da rescisão contratual. Klebson afirma que essa incerteza cria a consciência política e leva o trabalhador a se associar ao sindicato para fortalecer a categoria. O diretor acrescenta que esse despertar aumentou em cerca de 30% o número de associados no mês de julho.

SINDICALIZAÇÃO
Klébson Patrício diz que a Reforma Trabalhista está promovendo uma restruturação não só no movimento sindical, mas também com os trabalhadores. Ele cita o exemplo de um posto de combustíveis, no Catumbi, na Zona Norte do Rio, no qual os trabalhadores foram ao Ministério do Trabalho denunciar irregularidades no ambiente laboral, e foram orientados pelos próprios servidores do MT a procurarem o sindicato para garantir os seus direitos. Klebson destaca que o corte no orçamento do Ministério do Trabalho (MT) tem prejudicado o atendimento aos trabalhadores. O diretor afirma que após verificar a denúncia, o sindicato conseguiu resolver as pendências na empresa.

Klebson Patrício diz que a maioria dos trabalhadores do posto do Catumbi se sindicalizou e que um dos funcionários, que apresentava problema de saúde foi encaminhado pelo sindicato para fazer tratamento na Fundação Oswaldo Cruz (Fiocruz).

ATENDIMENTO JURÍDICO
A sede do sindicato na Avenida Professor Manuel de Abreu, nº 850, em Vila Isabel, na Zona Norte do Rio, está aberta aos trabalhadores de segunda a sexta-feira, das 8h às 17h. Quem mora no Sul do estado pode buscar informações e atendimento na subsede de Volta Redonda, que fica na Rua Quinze, nº 5, no bairro Conforto. Na Baixada Fluminense, os trabalhadores podem ligar para o telefone  (21) 2667-5126 para tirar dúvidas. A subsede que fica na Avenida Mário Guimarães, nº 428 (Edifício Le Monde), Sala 902, no Centro de Nova Iguaçu, presta atendimento jurídico todas as terças das 8h às 17 h.