Motoristas de seletivos 11 fevereiro 2020Crédito: Arquivo
Na foto, motoristas da empresa Guaiúba, na manhã desta terça-feira

Por determinação judicial, 16 dos 23 micro-ônibus do transporte ‘seletivo’ de Santos passam a circular nesta terça-feira (11), nos horários de pico, apesar dos salários estarem atrasados desde sexta-feira (7).

Na segunda-feira (10), a greve dos motoristas e demais empregados da Guaiúba Transportes paralisou 100% da frota, mas a empresa recorreu ao tribunal regional do trabalho (trt) e conseguiu liminar.

A decisão, da juíza Ivete Bernardes Vieira de Souza, estabelece como horário de pico os períodos compreendidos entre 6 e 9 horas e das 17 às 20 horas.

Das 9 às 17 horas, circulam 50% dos veículos.

Como a juíza determinou multa diária de R$ 10 mil se o sindicato dos trabalhadores em transportes rodoviários descumprisse a liminar, a assembleia da categoria, às 5h30, aprovou a greve parcial.

A juíza alega “evidente risco à locomoção dos cidadãos que necessitam do transporte coletivo para se locomover”. O presidente do sindicato, Valdir de Souza Pestana, ressalta que o serviço é seletivo.

Os motoristas paralisaram voluntariamente as atividades, na manhã de segunda-feira (10), e chamaram o sindicato. Eles também não receberam a cesta-básica na sexta-feira.

Categoria no sufoco
Estão ainda atrasados os vales-refeições, desde 25 de janeiro, e o pagamento das férias do primeiro mês do ano. O fundo de garantia por tempo de serviço (fgts) não é depositado desde 2015.

“O pessoal está no sufoco”, lamenta o vice-presidente do sindicato, José Alberto Torres Simões ‘Betinho’. “Muitos estão sem pagar aluguel e desabastecidos em casa, sem o vale-refeição e a cesta-básica”.

Motoristas de seletivos 11 fevereiro 2020Crédito: Arquivo
Na foto, motoristas da empresa Guaiúba, na manhã desta terça-feira

Por determinação judicial, 16 dos 23 micro-ônibus do transporte ‘seletivo’ de Santos passam a circular nesta terça-feira (11), nos horários de pico, apesar dos salários estarem atrasados desde sexta-feira (7).

Na segunda-feira (10), a greve dos motoristas e demais empregados da Guaiúba Transportes paralisou 100% da frota, mas a empresa recorreu ao tribunal regional do trabalho (trt) e conseguiu liminar.

A decisão, da juíza Ivete Bernardes Vieira de Souza, estabelece como horário de pico os períodos compreendidos entre 6 e 9 horas e das 17 às 20 horas.

Das 9 às 17 horas, circulam 50% dos veículos.

Como a juíza determinou multa diária de R$ 10 mil se o sindicato dos trabalhadores em transportes rodoviários descumprisse a liminar, a assembleia da categoria, às 5h30, aprovou a greve parcial.

A juíza alega “evidente risco à locomoção dos cidadãos que necessitam do transporte coletivo para se locomover”. O presidente do sindicato, Valdir de Souza Pestana, ressalta que o serviço é seletivo.

Os motoristas paralisaram voluntariamente as atividades, na manhã de segunda-feira (10), e chamaram o sindicato. Eles também não receberam a cesta-básica na sexta-feira.

Categoria no sufoco
Estão ainda atrasados os vales-refeições, desde 25 de janeiro, e o pagamento das férias do primeiro mês do ano. O fundo de garantia por tempo de serviço (fgts) não é depositado desde 2015.

“O pessoal está no sufoco”, lamenta o vice-presidente do sindicato, José Alberto Torres Simões ‘Betinho’. “Muitos estão sem pagar aluguel e desabastecidos em casa, sem o vale-refeição e a cesta-básica”.