Menu

Mapa do site

Emissão de boleto

Nacional São Paulo

Emissão de boleto

Nacional São Paulo
16 ABR 2024

Imagem do dia

Veja fotos do Lançamento do 1º de Maio Unitário Na manhã desta terça-feira (16) dezenas de lideranças sindicais fizeram uma panfletagem para iniciar a divulgação da celebração do Dia do Trabalhador – 1º de Maio Unificado das Centrais Sindicais foi realizado, no Largo da Concórdia (Estação de Trem do Brás), em São Paulo SP. O evento, este ano, será realizado no Estacionamento da NeoQuímica Arena (Itaquerão – estádio do Corinthians), na Zona Leste da capital paulista, a partir das 10 horas. O 1º de Maio Unitário é organizado pelas centrais sindicais:

  • Central Única dos Trabalhadores (CUT);
  • Força Sindical;
  • União Geral dos Trabalhadores (UGT);
  • Central de Trabalhadores e Trabalhadoras do Brasil (CTB);
  • Nova Central Sindical de Trabalhadores (NCST);
  • Central de Sindicatos do Brasil (CSB);
  • Intersindical – Central da Classe Trabalhadora e
  • Pública – Central do Servidor
Este ano, o lema do 1º de Maio Unificado será “Por um Brasil mais Justo” e vai destacar emprego decente; correção da tabela do Imposto de Renda, juros mais baixos, aposentadoria digna, salário igual para trabalho igual e valorização do serviço público.

Imagem do dia - Força Sindical

Enviar link da notícia por e-mail

Mulher

Novo certificado vai identificar companhias com equidade salarial

quinta-feira, 7 de junho de 2018

Mulher

Novo certificado vai identificar companhias com equidade salarial

A discussão sobre diferença salarial entre profissionais homens e mulheres vem ganhando espaço no mundo corporativo, mas 2018 é o ano em que ela não poderá mais ser ignorada em diversos países.
salários iguaisCrédito: Divulgação
Em janeiro, uma lei da Islândia passou a obrigar empresas a comprovarem que estão pagando profissionais de ambos os gêneros da mesma forma, mesmo mês em que uma lei na Alemanha passou a permitir que funcionários obtenham informações da empresa onde trabalham sobre como seu salário se compara a colegas do mesmo cargo. Desde abril, organizações do Reino Unido com mais de 250 funcionários precisam publicar a diferença entre a média da remuneração dos funcionários homens e mulheres. Nos EUA, grandes bancos cederam à pressão de investidores ativistas e divulgaram dados sobre como os salários pagos a homens e mulheres se comparam, ao mesmo tempo em que cidades como Nova York vêm criando leis municipais que proíbem recrutadores de perguntarem a candidatos sobre o histórico salarial.

É nesse contexto que a PwC e a fundação suíça Equal Salary querem levar para diversos países uma metodologia que audita as práticas de remuneração em organizações e certifica aquelas que não apresentam discrepância entre os salários pagos a homens e mulheres. O projeto é liderado pelo diretor de pessoas e organizações da PwC Suíça, Johannes Smits, que esteve no Brasil para apresentar a metodologia.

Dados do IBGE de 2016 divulgados no estudo "Estatísticas de Gênero", de março deste ano, apontam que as mulheres brasileiras recebem, em média, o equivalente a 76,5% do rendimento dos homens. Um estudo recente do site de empregos Catho com 8 mil profissionais encontrou discrepância nos salários pagos a homens e mulheres em todos os níveis, começando por uma diferença de 14% nos salários pagos no nível de trainee e estagiário e chegando a 31% na presidência.

Os números refletem algumas das principais desigualdades no mercado de trabalho, como a menor proporção de mulheres empregadas e a presença maior delas em setores com média salarial mais baixa. Segundo o IBGE, a proporção de mulheres em empregos em tempo parcial também é maior do que a de homens (28% das mulheres ocupadas, contra 14% dos homens), ao mesmo tempo em que elas dedicam 18 horas semanais ao – não-remunerado – trabalho doméstico, na comparação com 10,5 horas entre os homens, uma diferença de 73%.

Embora a maioria das legislações, entre elas a brasileira, considere ilegal a remuneração diferente por trabalhos iguais, é inevitável que esse contexto influencie o que acontece dentro das empresas – e é esse ponto que a certificação quer destacar. Para Johannes Smits, a maioria das companhias não mede como as práticas e políticas influenciam na capacidade de mulheres avançarem na carreira e obterem remuneração no mesmo nível dos colegas homens. "Se você perguntar a empresas se seus processos de avaliação de desempenho tratam homens e mulheres da mesma forma, elas vão dizer que sim, mas elas só terão essa certeza se medirem isso", diz.

Para Ana Malvestio, sócia da PwC Brasil e líder de diversidade e inclusão, a maioria das empresas brasileiras ainda negam ter discrepâncias salariais internas, mas ela vê multinacionais – e algumas poucas nacionais – começando a falar sobre o tema. "Depende da maturidade delas em relação à diversidade e inclusão", diz. A consultora explica que a diferença salarial encontrada nas empresas não é decorrente da decisão explícita de pagar menos a uma profissional mulher, mas da desigualdade com que as oportunidades chegam até elas na organização. No geral, elas são menos consideradas para benefícios como cursos subsidiados e períodos de expatriação. Isso eventualmente resulta em salários mais baixos na comparação com os colegas homens. Mapear essas discrepâncias é o primeiro passo para corrigi-los, diz. "Na medida em que se identificam os problemas, é preciso tratar as suas raízes", diz.

Não por acaso, Smits identificou entre as empresas auditadas que os elementos que mais ajudam a evitar a diferença salarial são processos de RH bem desenvolvidos e maduros. Um sistema de avaliação de desempenho que diminua o efeito de aspectos subjetivos, aliado a treinamentos que tragam luz a preconceitos inconscientes, ajuda a mitigar riscos, diz o consultor. O que ele não vê surtir tanto efeito são programas de mentoria para mulheres. O consultor vê mais valor nos programas de "sponsoring", quando profissionais mais seniores são chamados a apoiar a carreira de mulheres e a "patrocinar" iniciativas de diversidade. "Eu acredito menos em programas com foco só nas mulheres porque elas não precisam ser consertadas. Você não deve ensinar mulheres como elas podem ser bem sucedidas em um banco, porque elas não são o problema – o banco é", diz.

Desenvolvida por Yves Flückiger, professor da Universidade de Geneva, a metodologia foi criada para ser usada em processos de equiparação salarial na Justiça. Em 2005, a Equal Salary foi fundada pela empreendedora social Véronique Goy Veenhuys e passou a oferecer a certificação, principalmente para companhias suíças. No ano passado, a PwC se tornou parceira exclusiva para realizar a auditoria das empresas que querem obter a certificação, com a expectativa de levar a metodologia para mais países. Cerca de 30 empresas suíças já possuem a certificação, que tem validade de três anos, e desde que a PwC começou auditar as organizações há seis meses, 12 novos processos foram iniciados. No Brasil, ainda não há nenhuma certificada.

A metodologia usa análise de regressão para identificar a influência de elementos como idade, formação, senioridade, função e qualquer outro elemento selecionado pela companhia na remuneração dos funcionários. A técnica calcula quanto cada elemento representa nos salários e, portanto, quanto cada funcionário deveria receber. Esses resultados são comparados então com os dados reais da empresa, o que revela diferenças salariais decorrentes da discriminação. Além da aplicação da pesquisa, a PwC faz uma auditoria presencial, entrevistas e apresenta casos individuais de discrepância salarial, que devem ser justificados ou corrigidos. A consultoria produz então um relatório indicando ou não a certificação da companhia, mas a decisão final é da fundação Equal Salary.

Até agora, Smits estima que cerca de um terço das companhias que começam o processo deixaram de conseguir a certificação, em geral por falta de dados suficientes para a aplicação da metodologia. Mesmo as empresas certificadas receberam sugestões de como se tornar mais igualitárias. "Nunca emiti um relatório sem observações, sempre há espaço para melhorar", afirma. O maior impacto nos salários das mulheres é a licença-maternidade, que no geral compromete o resultado das profissionais naquele ano, atrasando o avanço na carreira e o salário na comparação com os colegas.

"As empresas muitas vezes têm soluções como creche ou 'soft landing' [quando o retorno após a licença pode ser feito em tempo parcial ou com horário flexível], mas elas não costumam medir o impacto da licença", diz. Sua opinião pessoal é que o tempo passado com o filho não deveria contar como uma "pausa" na carreira, mas como uma forma de melhoria profissional. "Eu me tornei pai e quando isso acontece é como se você se tornasse uma versão 2.0 de você mesmo. Precisamos valorizar essa experiência, e não tratar quem deixou a força de trabalho como se eles não tivessem evoluído nesse tempo", diz.

A nova lei britânica, na sua visão, tem um perfil simplista e populista por exigir a publicação só da diferença entre as médias salariais de homens e mulheres – números que se mostram exorbitantes quando há pouca proporção de profissionais do sexo feminino nos níveis mais altos da empresa. Pela lei, as companhias também precisam publicar a porcentagem de mulheres em cada quartil salarial. "Mas a lei está trazendo muita atenção ao assunto, o que é positivo", diz Smits. Já iniciativas que banem a tradicional pergunta sobre histórico salarial na entrevista de emprego são mais eficientes, na sua opinião, como tentativa de evitar que a desigualdade "migre" de um emprego para o outro. "Isso cria uma discrepância, e por definição é um pouco estranho que a empresa pergunte quanto você ganhava no emprego anterior. Eles deveriam pagar o que cabe no orçamento salarial deles", diz.

 

Fonte: Valor

Últimas de Mulher

Todas de Mulher
SinSaúdeSP lança convocação para Campanha Salarial 2024/2025
Força 23 ABR 2024

SinSaúdeSP lança convocação para Campanha Salarial 2024/2025

Sindicalistas debatem pautas trabalhistas
Força 23 ABR 2024

Sindicalistas debatem pautas trabalhistas

Vídeos 23 ABR 2024

1º de Maio Unitário – Por um Brasil mais justo!

86,1% dos reajuste salarias tiveram ganho real no primeiro trimestre
Força 19 ABR 2024

86,1% dos reajuste salarias tiveram ganho real no primeiro trimestre

Vídeos 19 ABR 2024

Presidente da Força intensifica luta para fortalecer movimento sindical

Em Brasília, sindicalistas debatem necessidades do setor elétrico nacional
Força 19 ABR 2024

Em Brasília, sindicalistas debatem necessidades do setor elétrico nacional

Eusébio Neto representa trabalhadores no Conselho do SENAC
Força 19 ABR 2024

Eusébio Neto representa trabalhadores no Conselho do SENAC

Sintrabor: Prometeon dificulta a antecipação de acordos coletivos
Força 19 ABR 2024

Sintrabor: Prometeon dificulta a antecipação de acordos coletivos

Projeção de AFT para SP é reduzida; “não vamos abrir mão do contingente”, diz Cissor
Força 19 ABR 2024

Projeção de AFT para SP é reduzida; “não vamos abrir mão do contingente”, diz Cissor

Sindsaúde na posse do Conselho Federal de Enfermagem
Força 19 ABR 2024

Sindsaúde na posse do Conselho Federal de Enfermagem

Frentistas do Rio conquistam aumento de 7,3%
Força 18 ABR 2024

Frentistas do Rio conquistam aumento de 7,3%

Servidores públicos debatem financiamento sindical
Força 18 ABR 2024

Servidores públicos debatem financiamento sindical

Mobilização dos Portuários de Santos nesta quinta-feira (18)
Força 18 ABR 2024

Mobilização dos Portuários de Santos nesta quinta-feira (18)

Seminário promove debate sobre o combate ao assédio eleitoral no trabalho
Força 18 ABR 2024

Seminário promove debate sobre o combate ao assédio eleitoral no trabalho

Miguel e Chicão debatem fortalecimento da negociação coletiva
Força 18 ABR 2024

Miguel e Chicão debatem fortalecimento da negociação coletiva

Prevenção de Acidentes do Trabalho: lançada a CANPAT 2024
Saúde e Segurança 18 ABR 2024

Prevenção de Acidentes do Trabalho: lançada a CANPAT 2024

Luiz Marinho e deputado Gastão recebem centrais sindicais
Força 18 ABR 2024

Luiz Marinho e deputado Gastão recebem centrais sindicais

Articulação para atualização do movimento sindical segue em Brasília
Força 18 ABR 2024

Articulação para atualização do movimento sindical segue em Brasília

Dia do Motociclista Profissional em debate no Senado Federal
Força 17 ABR 2024

Dia do Motociclista Profissional em debate no Senado Federal

Sindicalistas debatem temas relacionados à previdência propostos no GT do Setor Químico
Força 17 ABR 2024

Sindicalistas debatem temas relacionados à previdência propostos no GT do Setor Químico

Lideranças da Força Sindical se reúnem com delegação chinesa da ACFTU
Força 17 ABR 2024

Lideranças da Força Sindical se reúnem com delegação chinesa da ACFTU

Após conquistas, Sintrabor exalta organização nos locais de trabalho
Força 17 ABR 2024

Após conquistas, Sintrabor exalta organização nos locais de trabalho

Terceirizada some e unidade de Saúde em Guarulhos fica sem limpeza
Força 17 ABR 2024

Terceirizada some e unidade de Saúde em Guarulhos fica sem limpeza

Reunião do presidente Miguel e assessor jurídico da CNTM
Força 17 ABR 2024

Reunião do presidente Miguel e assessor jurídico da CNTM

Sindnapi reforça divulgação do 1º de Maio Unificado
Força 17 ABR 2024

Sindnapi reforça divulgação do 1º de Maio Unificado

Por que regulamentar a relação entre motoristas de veículos 4 rodas e empresas de aplicativos?
Força 17 ABR 2024

Por que regulamentar a relação entre motoristas de veículos 4 rodas e empresas de aplicativos?

Liberdade sindical sob a ótica dos atos antissindicais em debate
Força 16 ABR 2024

Liberdade sindical sob a ótica dos atos antissindicais em debate

Hoteleiros de Goiás debatem fortalecimento do movimento sindical
Força 16 ABR 2024

Hoteleiros de Goiás debatem fortalecimento do movimento sindical

Ato e Canto pela Vida será domingo (28); confira programação
Força 16 ABR 2024

Ato e Canto pela Vida será domingo (28); confira programação

Veja fotos do Lançamento do 1º de Maio Unitário
Imagem do dia 16 ABR 2024

Veja fotos do Lançamento do 1º de Maio Unitário

Aguarde! Carregando mais artigos...