Manifestantes reivindicam aumento de salário e contestam retirada da hora extra 100% aos domingos. Aeroporto confirma atraso em ao menos dois voos.
viracopos-internaCrédito: Divulgação

Carregadores de bagagem das companhias aéreas que operam no Aeroporto Internacional de Viracopos, em Campinas (SP), fazem uma paralisação na manhã desta sexta-feira (5). Eles reivindicam aumento de salário e outros benefícios trabalhistas. Alguns voos atrasaram no início da manhã.

Segundo Viracopos, houve um ato num corredor de acesso dos funcionários que ficam diretamente no pátio de aeronaves, e os carregadores participaram. Com apoio das polícias Militar e Federal, alguns conseguiram entrar pra trabalhar.

"Houve atrasos de voos nas saídas entre 5h30 e 6h30 durante o período em que os colaboradores tiveram alguma dificuldade para entrar nos pátios de manobra. O acesso está normalizado e o ambiente calmo, mesmo ainda com algumas manifestações do Sindicato", informou por nota.

A concessionária ressaltou que pode ocorrer atraso na entrega de bagagens e no encaminhamento das malas para os aviões, provocando atraso nos voos.

Em nota a companhia aérea Azul, principal operadora do aeroporto, confirmou os atrasos, mas ainda não informou o número de voos afetados.

"Em função de uma paralisação parcial de funcionários terceirizados que manuseiam as bagagens no aeroporto de Viracopos, alguns voos da companhia registram atraso. No entanto, a operação da Azul em Campinas segue normalizada, sem cancelamentos de voos. A empresa ressalta ainda que presta toda a assistência necessária a seus Clientes, conforme prevê a resolução 400 da Anac."

Ao todo, no período diurno são, em média, 100 voos, entre embarques e desembarques no aeroporto de Campinas. Durante todo o dia são cerca de 250, disse a concessionária.

Terceirizados

Os trabalhadores são funcionários terceirizados contratados pelas companhias aéreas. Além da remuneração, contestam a retirada da hora extra 100% aos domingos.

De acordo com o Sindicato dos Trabalhadores em Empresas Prestadoras de Serviço Auxiliares de Transportes Aéreos de São Paulo (Sinteata), a adesão em Viracopos é de 90%. A entidade afirma que a manifestação tem ocorrido em outros aeroportos do estado.

 

viracopos-internaCrédito: Divulgação

Carregadores de bagagem das companhias aéreas que operam no Aeroporto Internacional de Viracopos, em Campinas (SP), fazem uma paralisação na manhã desta sexta-feira (5). Eles reivindicam aumento de salário e outros benefícios trabalhistas. Alguns voos atrasaram no início da manhã.

Segundo Viracopos, houve um ato num corredor de acesso dos funcionários que ficam diretamente no pátio de aeronaves, e os carregadores participaram. Com apoio das polícias Militar e Federal, alguns conseguiram entrar pra trabalhar.

"Houve atrasos de voos nas saídas entre 5h30 e 6h30 durante o período em que os colaboradores tiveram alguma dificuldade para entrar nos pátios de manobra. O acesso está normalizado e o ambiente calmo, mesmo ainda com algumas manifestações do Sindicato", informou por nota.

A concessionária ressaltou que pode ocorrer atraso na entrega de bagagens e no encaminhamento das malas para os aviões, provocando atraso nos voos.

Em nota a companhia aérea Azul, principal operadora do aeroporto, confirmou os atrasos, mas ainda não informou o número de voos afetados.

"Em função de uma paralisação parcial de funcionários terceirizados que manuseiam as bagagens no aeroporto de Viracopos, alguns voos da companhia registram atraso. No entanto, a operação da Azul em Campinas segue normalizada, sem cancelamentos de voos. A empresa ressalta ainda que presta toda a assistência necessária a seus Clientes, conforme prevê a resolução 400 da Anac."

Ao todo, no período diurno são, em média, 100 voos, entre embarques e desembarques no aeroporto de Campinas. Durante todo o dia são cerca de 250, disse a concessionária.

Terceirizados

Os trabalhadores são funcionários terceirizados contratados pelas companhias aéreas. Além da remuneração, contestam a retirada da hora extra 100% aos domingos.

De acordo com o Sindicato dos Trabalhadores em Empresas Prestadoras de Serviço Auxiliares de Transportes Aéreos de São Paulo (Sinteata), a adesão em Viracopos é de 90%. A entidade afirma que a manifestação tem ocorrido em outros aeroportos do estado.