O VIII Brics Sindical (Reunião de Representantes Sindicais do Brasil, Russia, Índia, China e África do Sul) acontecerá entre os dias 16 e 20 de setembro em Brasília. O evento acontece no mesmo período da reunião de líderes dos países que compõem o Brics.
brics

A realização do encontro sindical no Brasil é fundamental neste momento de tentativas de diminuir direitos e enfraquecer o movimento sindical. Os cinco países do bloco representam quase metade da população mundial.  “Nossa meta é fortalecer o bloco econômico e compartilhar esperiência e  mais direitos para os trabalhadores", destacou o presidente da Força Sindical, Miguel Torres, que fará uma exposição no dia 18.

"Todas as Centrais Sindicais farão o possível para que o evento seja um marco importante neste momento de desmonte dos direitos promovido pelo atual governo", afirmou. 

O secretário-geral da Força, João Carlos Gonçalves, o Juruna,  destaca que a troca de informação e o ampliação do diálogo entre os sindicalistas do países são instrumentos importante para fortalecer a luta dos trabalhadores. "Continuamos apostando na perspectiva  de transformar o Brics numa importante articulação internacional que atue fortemente para na luta por sindicatos fortes e com atuação conujunta contra as tentativas de desmonte dos  movimentos sindicais".

Durante a abertura do Fórum de ministros e secretários do trabalho do Brics, que cocorreu nesta segunda-feira, o 1º secretário da Força Sindical, Sérgio Luiz Leite oSerginho, falou em nome do Fórum Sindical dos Brics. "Cobramos os governos oficialização do Brics Sindical nos organismos oficiais de governança e o combate a precarização no trabalho". Serginho alertou ainda, em sua fala, a necessidade do fortalecimento do diálogo tripartite permanente e equilibrado, valorizando os parceiros sociais e ainda o protagonismo na transição justa no futuro do trabalho".

Veja programação

brics

A realização do encontro sindical no Brasil é fundamental neste momento de tentativas de diminuir direitos e enfraquecer o movimento sindical. Os cinco países do bloco representam quase metade da população mundial.  “Nossa meta é fortalecer o bloco econômico e compartilhar esperiência e  mais direitos para os trabalhadores", destacou o presidente da Força Sindical, Miguel Torres, que fará uma exposição no dia 18.

"Todas as Centrais Sindicais farão o possível para que o evento seja um marco importante neste momento de desmonte dos direitos promovido pelo atual governo", afirmou. 

O secretário-geral da Força, João Carlos Gonçalves, o Juruna,  destaca que a troca de informação e o ampliação do diálogo entre os sindicalistas do países são instrumentos importante para fortalecer a luta dos trabalhadores. "Continuamos apostando na perspectiva  de transformar o Brics numa importante articulação internacional que atue fortemente para na luta por sindicatos fortes e com atuação conujunta contra as tentativas de desmonte dos  movimentos sindicais".

Durante a abertura do Fórum de ministros e secretários do trabalho do Brics, que cocorreu nesta segunda-feira, o 1º secretário da Força Sindical, Sérgio Luiz Leite oSerginho, falou em nome do Fórum Sindical dos Brics. "Cobramos os governos oficialização do Brics Sindical nos organismos oficiais de governança e o combate a precarização no trabalho". Serginho alertou ainda, em sua fala, a necessidade do fortalecimento do diálogo tripartite permanente e equilibrado, valorizando os parceiros sociais e ainda o protagonismo na transição justa no futuro do trabalho".

Veja programação