João Guilherme Vargas Netto
João Guilherme Vargas Netto
Os números redondos são mais fáceis de memorizar e, às vezes, representam algo mais do que quantificam; são símbolos mágicos.
 
Este é o caso dos números 600 e 1000 na atual conjuntura brasileira.
 
600 reais é o que as centrais sindicais lutam para garantir como auxílio emergencial até dezembro.
 
1000 é o número da medida provisória do governo que corta pela metade o auxílio e elimina milhões de possíveis beneficiários.
 
A campanha das centrais sindicais – baseada em um abaixo assinado virtual cujo apoio cresce a cada dia, mas ainda se revela insuficiente – visa mobilizar a base sindical, influenciar os partidos de oposição e todos os outros e comover a opinião pública, levando o presidente da Câmara dos Deputados a colocar em votação a MP 1000.
 
Sobre esta campanha, sobre a justeza e a necessidade da manutenção do auxílio e sobre a MP 1000 tem caído na mídia grande e nas redes sociais uma pesada cortina de silêncio.
 
Levando em conta a redondeza facilitadora dos dois números o interdito chega a ser patético.
 
Enquanto se discutem as possíveis variações de auxílios compensatórios para depois da pandemia não se fala sobre a manutenção dos 600 reais até dezembro. A MP 1000 jamais é mencionada; a única vez que vi impresso seu número nos jornalões foi em artigo da jornalista Maria Cristina Fernandes, do Valor.
 
Para se garantir a votação urgente da MP 1000 e manter os 600 reais é preciso criar um clima de comoção nacional exigente que fure a bolha dos rentistas e fiscalistas, desperte os partidos para tal tarefa afastando-os do “quando pior, melhor”, convença os alienados e leve o Congresso Nacional a votar já.
 
A simplicidade dos dois números redondos pode ajudar nisto, desde que mencionados com a ênfase merecida.
 
João Guilherme Vargas Netto
Consultor sindical
Os números redondos são mais fáceis de memorizar e, às vezes, representam algo mais do que quantificam; são símbolos mágicos.
 
Este é o caso dos números 600 e 1000 na atual conjuntura brasileira.
 
600 reais é o que as centrais sindicais lutam para garantir como auxílio emergencial até dezembro.
 
1000 é o número da medida provisória do governo que corta pela metade o auxílio e elimina milhões de possíveis beneficiários.
 
A campanha das centrais sindicais – baseada em um abaixo assinado virtual cujo apoio cresce a cada dia, mas ainda se revela insuficiente – visa mobilizar a base sindical, influenciar os partidos de oposição e todos os outros e comover a opinião pública, levando o presidente da Câmara dos Deputados a colocar em votação a MP 1000.
 
Sobre esta campanha, sobre a justeza e a necessidade da manutenção do auxílio e sobre a MP 1000 tem caído na mídia grande e nas redes sociais uma pesada cortina de silêncio.
 
Levando em conta a redondeza facilitadora dos dois números o interdito chega a ser patético.
 
Enquanto se discutem as possíveis variações de auxílios compensatórios para depois da pandemia não se fala sobre a manutenção dos 600 reais até dezembro. A MP 1000 jamais é mencionada; a única vez que vi impresso seu número nos jornalões foi em artigo da jornalista Maria Cristina Fernandes, do Valor.
 
Para se garantir a votação urgente da MP 1000 e manter os 600 reais é preciso criar um clima de comoção nacional exigente que fure a bolha dos rentistas e fiscalistas, desperte os partidos para tal tarefa afastando-os do “quando pior, melhor”, convença os alienados e leve o Congresso Nacional a votar já.
 
A simplicidade dos dois números redondos pode ajudar nisto, desde que mencionados com a ênfase merecida.
 
João Guilherme Vargas Netto
Consultor sindical