José Pereira dos Santos
José Pereira dos Santos

Na última quinzena de agosto, participei na Rússia de uma competição muito interessante: a 45ª edição da WorldSkills. Trata-se da maior competição de educação profissional do mundo.

Em Kazan, onde aconteceu o evento, nossa delegação conquistou medalhas em 13 das 56 ocupações em disputa, ganhando também certificados de excelência em 28 delas. O Brasil ficou na honrosa terceira colocação geral, superando até a Coreia do Sul, a quarta colocada. A competição reuniu 1.354 jovens, de 63 países.

Conseguimos duas medalhas de ouro (Desenho Mecânico em CAD e Manutenção de Veículos Pesados), cinco prata (Computação em Nuvem, Tecnologia da Moda, Tornearia CNC, Engenharia de Moldes para Polímeros e Cuidados de Saúde e Apoio Social) e seis bronze (Instalações Elétricas Prediais, Segurança Cibernética, Aplicação de Revestimento Cerâmico, Tecnologia de Laboratório Químico, Mecatrônica e Soldagem).

Como já publiquei aqui, integro o Conselho do Senai - Serviço Nacional de Aprendizagem Industrial, onde represento a Força Sindical. Pois bem: dos 63 brasileiros na disputa, 56 foram treinados pelo Senai e sete pelo Senac - o que mostra a eficácia do Sistema S na qualificação e formação dos trabalhadores, especialmente os jovens.
Mas na Rússia eu não vi apenas jovens promissores, capazes de renovar nossa esperança na evolução técnica e científica do nosso País. Estive na Rússia no período em que as queimadas devastaram parte da Mata Amazônica, com um governo paralisado e sob forte crítica internacional.

A Rússia é o maior país do mundo (mais de 17 milhões de quilômetros quadrados). Tem muito gelo e também mata típica. Mas quero falar aqui daquilo que vi nas cidades. Vi cidades bem cuidadas, em ordem, com muitas praças, parques e rios limpos. Sim. Vi pessoas pescando em rios que cortam grandes cidades.

Também me chamou atenção o cuidado que eles dedicam à Educação. O índice de alfabetização - entre os nove e os 49 anos de idade - chega a 99,8%. O ciclo educacional secundário só se completa com onze anos de estudos. Herança ainda da extinta União Soviética, o ensino é centrado na ciência e na tecnologia.

O evento do qual participei teve presença do primeiro-ministro Dmitri Medvedev. Ele exerce seu papel institucional, embora o comando político e efetivo esteja nas mãos de Vladimir Putin, que ainda tem muito prestígio.

Sistema S - O excelente desempenho do Brasil nessa copa do mundo do ensino técnico merece nosso reconhecimento. Esse reconhecimento precisa ser estendido ao Sistema S, que desde os anos 40, forma gerações de brasileiros tecnicamente qualificados. Vale sempre registrar: trabalhador qualificado ganha mais, encontra trabalho com mais facilidade e seu ciclo no emprego é mais longo. Com isso, ganha o trabalhador, ganha a empresa e ganha o Brasil.

Viva a Rússia. E viva o Brasil.

José Pereira dos Santos - Presidente do Sindicato dos Metalúrgicos de Guarulhos e Região
e secretário nacional de Formação da Força Sindical

Na última quinzena de agosto, participei na Rússia de uma competição muito interessante: a 45ª edição da WorldSkills. Trata-se da maior competição de educação profissional do mundo.

Em Kazan, onde aconteceu o evento, nossa delegação conquistou medalhas em 13 das 56 ocupações em disputa, ganhando também certificados de excelência em 28 delas. O Brasil ficou na honrosa terceira colocação geral, superando até a Coreia do Sul, a quarta colocada. A competição reuniu 1.354 jovens, de 63 países.

Conseguimos duas medalhas de ouro (Desenho Mecânico em CAD e Manutenção de Veículos Pesados), cinco prata (Computação em Nuvem, Tecnologia da Moda, Tornearia CNC, Engenharia de Moldes para Polímeros e Cuidados de Saúde e Apoio Social) e seis bronze (Instalações Elétricas Prediais, Segurança Cibernética, Aplicação de Revestimento Cerâmico, Tecnologia de Laboratório Químico, Mecatrônica e Soldagem).

Como já publiquei aqui, integro o Conselho do Senai - Serviço Nacional de Aprendizagem Industrial, onde represento a Força Sindical. Pois bem: dos 63 brasileiros na disputa, 56 foram treinados pelo Senai e sete pelo Senac - o que mostra a eficácia do Sistema S na qualificação e formação dos trabalhadores, especialmente os jovens.
Mas na Rússia eu não vi apenas jovens promissores, capazes de renovar nossa esperança na evolução técnica e científica do nosso País. Estive na Rússia no período em que as queimadas devastaram parte da Mata Amazônica, com um governo paralisado e sob forte crítica internacional.

A Rússia é o maior país do mundo (mais de 17 milhões de quilômetros quadrados). Tem muito gelo e também mata típica. Mas quero falar aqui daquilo que vi nas cidades. Vi cidades bem cuidadas, em ordem, com muitas praças, parques e rios limpos. Sim. Vi pessoas pescando em rios que cortam grandes cidades.

Também me chamou atenção o cuidado que eles dedicam à Educação. O índice de alfabetização - entre os nove e os 49 anos de idade - chega a 99,8%. O ciclo educacional secundário só se completa com onze anos de estudos. Herança ainda da extinta União Soviética, o ensino é centrado na ciência e na tecnologia.

O evento do qual participei teve presença do primeiro-ministro Dmitri Medvedev. Ele exerce seu papel institucional, embora o comando político e efetivo esteja nas mãos de Vladimir Putin, que ainda tem muito prestígio.

Sistema S - O excelente desempenho do Brasil nessa copa do mundo do ensino técnico merece nosso reconhecimento. Esse reconhecimento precisa ser estendido ao Sistema S, que desde os anos 40, forma gerações de brasileiros tecnicamente qualificados. Vale sempre registrar: trabalhador qualificado ganha mais, encontra trabalho com mais facilidade e seu ciclo no emprego é mais longo. Com isso, ganha o trabalhador, ganha a empresa e ganha o Brasil.

Viva a Rússia. E viva o Brasil.

José Pereira dos Santos - Presidente do Sindicato dos Metalúrgicos de Guarulhos e Região
e secretário nacional de Formação da Força Sindical