Acordo evita novas demissões na Mitsubishi
Sexta, dia 25, a montadora japonesa demitiu 80 trabalhadores. Nesta segunda (28), havia novos cortes anunciados, elevando para 150 o número de dispensados. As dispensas ocorreram em meio à campanha salarial, data-base 1º de novembro.
 
A alegação da empresa, em Catalão, Goiás, é queda nas vendas. Até novembro, houve produção de menos três mil carros. A previsão de vendas para 2022 era de 27 mil carros, mas, até outubro, foram vendidos 19 mil veículos.
 
Carlos Albino, presidente do Sindicato, propôs à empresa não aplicar reajuste salarial em troca da manutenção dos empregos. A montadora não aceitou. As negociações prosseguiram neste final de semana e o Sindicato conseguiu segurar os novos cortes.
 
“Infelizmente não conseguimos reverter as 80 demissões. Não houve acordo. Mas conseguimos evitar a dispensa de 70 trabalhadores e ainda garantimos reajuste nos salários e benefícios e a manutenção do Abono”, explica Albino.
 
Para Albino, diante do atual cenário de queda de produção e vendas, foi uma vitória. “Num cenário totalmente desfavorável, conquistamos aumento real e ainda evitamos novas demissões”, afirma.
 
Campanha – Nas negociações, se fechou o acordo coletivo da Campanha Salarial local. O reajuste será de 7%, ante INPC acumulado de 6.46%. Na manhã desta segunda, o Sindicato conduziu assembleia na empresa e os trabalhadores aprovaram o acordo.
 
Outros itens – O vale-refeição terá aumento de 13%. de R$ 570,00 para R$644,00. O Sindicato, ao renovar o acordo, conseguiu manter o Abono de final de ano, de R$ 1.500,00. Também em dezembro, o vale-refeição será fornecido em dobro.
 
Redução – No início das suas atividades, na planta de Catalão, a Mitsubishi chegou a empregar 3,5 mil trabalhadores. Hoje, tem por volta de 1.700. A segunda maior empregadora metalúrgica local é a John Deere, fabricante de máquinas agrícolas.
Acordo evita novas demissões na Mitsubishi
Sexta, dia 25, a montadora japonesa demitiu 80 trabalhadores. Nesta segunda (28), havia novos cortes anunciados, elevando para 150 o número de dispensados. As dispensas ocorreram em meio à campanha salarial, data-base 1º de novembro.
 
A alegação da empresa, em Catalão, Goiás, é queda nas vendas. Até novembro, houve produção de menos três mil carros. A previsão de vendas para 2022 era de 27 mil carros, mas, até outubro, foram vendidos 19 mil veículos.
 
Carlos Albino, presidente do Sindicato, propôs à empresa não aplicar reajuste salarial em troca da manutenção dos empregos. A montadora não aceitou. As negociações prosseguiram neste final de semana e o Sindicato conseguiu segurar os novos cortes.
 
“Infelizmente não conseguimos reverter as 80 demissões. Não houve acordo. Mas conseguimos evitar a dispensa de 70 trabalhadores e ainda garantimos reajuste nos salários e benefícios e a manutenção do Abono”, explica Albino.
 
Para Albino, diante do atual cenário de queda de produção e vendas, foi uma vitória. “Num cenário totalmente desfavorável, conquistamos aumento real e ainda evitamos novas demissões”, afirma.
 
Campanha – Nas negociações, se fechou o acordo coletivo da Campanha Salarial local. O reajuste será de 7%, ante INPC acumulado de 6.46%. Na manhã desta segunda, o Sindicato conduziu assembleia na empresa e os trabalhadores aprovaram o acordo.
 
Outros itens – O vale-refeição terá aumento de 13%. de R$ 570,00 para R$644,00. O Sindicato, ao renovar o acordo, conseguiu manter o Abono de final de ano, de R$ 1.500,00. Também em dezembro, o vale-refeição será fornecido em dobro.
 
Redução – No início das suas atividades, na planta de Catalão, a Mitsubishi chegou a empregar 3,5 mil trabalhadores. Hoje, tem por volta de 1.700. A segunda maior empregadora metalúrgica local é a John Deere, fabricante de máquinas agrícolas.