Miguel

Iniciamos o 2º semestre de 2022 unidos na luta pelas campanhas salariais. São milhões de trabalhadores, de dezenas de categoriais profissionais, que iniciam a luta por aumento real e ampliação de direitos sociais.

As campanhas com data-base entre julho e dezembro acontecem num momento de crise econômica que vem há anos penalizando os brasileiros, com inflação subindo, juros exorbitantes, queda no consumo, uma taxa de desemprego alta, castigando ainda muito mais a classe trabalhadora.

Apesar deste cenário adverso temos muito a fazer. Precisamos intensificar nossa luta por mudanças na economia, mais empregos e renda, combate à inflação e o preço do gás e da gasolina, política de valorização do salário mínimo, erradicação da fome, valorização do servidor público, menos juros, aposentadoria digna, fortalecimento da democracia, mais investimentos em saúde, educação e moradia.

É muito importante juntar nossas forças e promover a erradicação da fome, combater a carestia e garantir a segurança alimentar.  Defendemos a imediata implementação de políticas que priorizem a retomada do investimento, o crescimento da economia, a geração de empregos, a redução da desigualdade social, o combate à pobreza e a distribuição de renda.

Estamos num momento muito importante da campanha salarial deste ano. Esta campanha salarial exige do movimento sindical e dos trabalhadores esforço redobrado para manter o clima de mobilização, organização e de luta.

Neste momento, é necessário intensificar as nossas lutas,  mobilizar a sociedade, reunir a força da classe trabalhadora nas ruas, com mobilizações e greves se preciso, para promover um futuro de mudanças que transformem o país.

Esse é o nosso novo Brasil pode ser diferente e depende de nós.  A participação de todos é fundamental para garantirmos estas conquistas.

Miguel Torres – presidente da Força Sindical e Sindicato dos Metalúrgicos de São Paulo e Mogi das Cruzes

Miguel

Iniciamos o 2º semestre de 2022 unidos na luta pelas campanhas salariais. São milhões de trabalhadores, de dezenas de categoriais profissionais, que iniciam a luta por aumento real e ampliação de direitos sociais.

As campanhas com data-base entre julho e dezembro acontecem num momento de crise econômica que vem há anos penalizando os brasileiros, com inflação subindo, juros exorbitantes, queda no consumo, uma taxa de desemprego alta, castigando ainda muito mais a classe trabalhadora.

Apesar deste cenário adverso temos muito a fazer. Precisamos intensificar nossa luta por mudanças na economia, mais empregos e renda, combate à inflação e o preço do gás e da gasolina, política de valorização do salário mínimo, erradicação da fome, valorização do servidor público, menos juros, aposentadoria digna, fortalecimento da democracia, mais investimentos em saúde, educação e moradia.

É muito importante juntar nossas forças e promover a erradicação da fome, combater a carestia e garantir a segurança alimentar.  Defendemos a imediata implementação de políticas que priorizem a retomada do investimento, o crescimento da economia, a geração de empregos, a redução da desigualdade social, o combate à pobreza e a distribuição de renda.

Estamos num momento muito importante da campanha salarial deste ano. Esta campanha salarial exige do movimento sindical e dos trabalhadores esforço redobrado para manter o clima de mobilização, organização e de luta.

Neste momento, é necessário intensificar as nossas lutas,  mobilizar a sociedade, reunir a força da classe trabalhadora nas ruas, com mobilizações e greves se preciso, para promover um futuro de mudanças que transformem o país.

Esse é o nosso novo Brasil pode ser diferente e depende de nós.  A participação de todos é fundamental para garantirmos estas conquistas.

Miguel Torres – presidente da Força Sindical e Sindicato dos Metalúrgicos de São Paulo e Mogi das Cruzes