Menu

Mapa do site

Emissão de boleto

Nacional São Paulo

Emissão de boleto

Nacional São Paulo
15 JUL 2024

Imagem do dia

[caption id="attachment_63290" align="aligncenter" width="700"]Centrais e ministro do Trabalho falam sobre igualdade salarial entre homens e mulheres Centrais celebram um ano da lei de igualdade em encontro com ministro Marinho[/caption] As Centrais celebram um ano da lei de igualdade - lei 14.611, importante instrumento de promoção de justiça social e cidadania, durante um encontro realizado, nesta segunda-feira (15), na sede do Dieese - Departamento Intersindical de Estatística e Estudos Socioeconômicos. O encontro contou com a participação do Ministério do Trabalho, Ministério das Mulheres e o movimento sindical representado pelas centrais sindicais. Pelo governo, participaram o ministro do Trabalho e Emprego (MTE), Luiz Marinho, a secretária executiva do Ministério das Mulheres, Maria Helena Guarezi e a secretária da Secretaria Nacional de Autonomia Econômica (SENAEC), Rosane da Silva. [caption id="attachment_63330" align="aligncenter" width="700"]Centrais celebram um ano da lei de igualdade em encontro com ministro Marinho Dirigentes sindicais Centrais celebram um ano da lei de igualdade em encontro com ministro Marinho[/caption] O encontro foi promovido pelo Conselho de Desenvolvimento Econômico e Sustentável (Conselhão) e foi dividido em dois momentos, um com a participação de representantes do setor empresarial. O presidente da Força Sindical, Miguel Torres, defendeu mais oportunidades para as trabalhadoras, além da igualdade salarial que já representa um avanço e que precisa se “transformar em uma realidade”.

"Vamos debater ações para que a Lei da Igualdade seja cada vez uma realidade no mercado de trabalho e também como aumentar as oportunidades de trabalho para as mulheres".
O sindicalista destacou a realização, no próximo dia 27 de julho, da 2ª Conferência Nacional MetalMulheres, na sede da Força Sindical, Rua Galvão Bueno, 782, Liberdade, São Paulo. https://www.youtube.com/watch?v=Z976LVzcOU8 A secretária Nacional de Políticas para as Mulheres da Força Sindical, Maria Auxiliadora dos Santos ressalta que as centrais sindicais defendem que nas negociações coletivas todas as categorias coloquem na pauta a igualdade de oportunidades e a igualdade salarial. “As negociações coletivas das categorias precisam ter em suas pautas de reivindicações essa luta para diminuir cada vez mais a desigualdade entre homens e mulheres", afirma a sindicalista.

Relatórios

Os relatórios elaborados, em parceria, pelo Ministério do Trabalho e das Mulheres apresentam um levantamento fornecido pelas empresas com as diferenças salarias dentro do quadro de funcionários. É “Relatórios de Transparência Salarial e de Critérios Remuneratórios” que serve de base para que o movimento sindical lutar para fazer valer a Lei da Igualdade. De acordo com a lei, empresas com 100 ou mais funcionários ficam obrigadas a divulgar a cada seis meses, em março e setembro, esses dados. Além de enviar os dados ao MTE, as empresas também devem publicar os relatórios em seus sites, nas redes sociais, ou fazendo por meio de canais que garantam a ampla divulgação para empregados, colaboradores e público em geral. Caso constatada a desigualdade salarial entre mulheres e homens, o MTE irá notificar a empresa, para que elabore, em 90 dias, um plano de ação com medidas a serem adotadas.

Governo

No encontro, o ministro Luiz Marinho citou os desafios enfrentados para garantir não apenas a igualdade salarial, mas também a igualdade de acesso às oportunidades.
“Temos que aprofundar esse debate cada vez mais. Quando falamos do desafio da igualdade salarial, suponho também a falta de igualdade no acesso às oportunidades”. Ele citou, como exemplo de desafio a falta de creches. “A ausência de creches para as famílias já é uma restrição à igualdade”, disse.
A secretária executiva do Ministério das Mulheres, Maria Helena Guarezi, destacou a participação das mulheres na sociedade e reforçou a importância da igualdade de acesso às oportunidades.
”Uma coisa que acho importante é que as mulheres não precisam só participar de pautas que dizem respeito às mulheres. Temos que participar de tudo(…) e quero lembrar que se não fosse a maioria das mulheres, talvez o presidente Lula não tivesse assumido aquela cadeira”, disse citando que há dados que mostram que as mulheres foram fundamentais nas eleições."

A lei da igualdade

A lei estabelece diretrizes para que homens e mulheres tenham equiparação salarial no país. Ainda hoje, elas ganham cerca de 22% menos que homens nas mesmas funções, estão, em sua maioria, nas profissões com maior dificuldade de ascensão profissional, além de carregarem as reponsabilidades com os cuidados da casa e com filho, idosos, pessoas com deficiências, ou seja, exercem a chamada dupla jornada. Dados do Dieese mostram que, no mercado de trabalho, as mulheres ocupam apenas 45,8% dos cargos de Liderança. Considerando o recorte racial, mulheres negras representam apenas 9,5% destes cargos. A remuneração média das mulheres nesses cargos é 25% inferior à remuneração dos homens. Além disso, ao se analisar o recorte racial, verifica-se que a remuneração média das mulheres negras (pretas e pardas) é, em média, 38% inferior a remuneração do bancário branco do sexo masculino. Leia também: Setor de Serviços fica estável em maio, diz IBGE

Imagem do dia - Força Sindical

Enviar link da notícia por e-mail

Artigos

Carta de despedida (ou, um até breve)

sexta-feira, 14 de junho de 2013

Artigos

Carta de despedida (ou, um até breve)

Por: Clemente Ganz Lúcio

Despedimo-nos do terceiro mandato na direção técnica do DIEESE. Valeu a pena? Penso que o critério para a resposta está em outra pergunta: desenvolvemos vitalidade institucional para criar respostas aos desafios?
 
NO INFERNO
 
Vamos começar pelo mais difícil pois, neste mandato, experimentamos uma descida ao inferno. Foi uma experiência inédita e dramática! Verdadeiramente insana!
 
Em meados de agostos de 2011, céu de brigadeiro, fizemos o balanço da nossa gestão, identificando os desafios a partir da visão de futuro que tínhamos, naquele momento, para o Dieese. Em síntese, percebíamos, que deveríamos ampliar nossa presença sindical (crescer com o movimento sindical) e alterar ainda mais a estratégia de projetos extrassindicais, leia-se: eliminar a dependência do orçamento corrente dessa fonte de financiamento e aprofundar seu uso para investimento, desenvolvimento e formação. Montamos uma estratégia que compreendia: (a) usar o superávit orçamentário estimado para 2011 e 2012 (b) e mobilizar o movimento sindical para (c) constituir Fundos Financeiros capazes de (d) gerar estabilidade no financiamento do DIEESE; (e) adequar nossa organização administrativa para (f) responder com maior segurança à nova complexidade institucional do DIEESE; (g) ampliar, em todas as áreas, nossa presença sindical. Debatemos no Fórum de Supervisores e na Direção Sindical, naquele ano, essa estratégia, aprovando-a.
 
Em outubro de 2011 nos levaram ao inferno. A crise política na relação entre o governo federal e as organizações sem fins lucrativos nos atingiu de maneira dramática ao travar todos os convênios e contratos com o setor público federal. Saímos de uma execução orçamentária superavitária para um déficit de R$ 3 milhões naquele ano. Tivemos que, em dois meses, “achar” ou “cortar” esse montante para fechar o orçamento do ano. Foi, mais uma vez, na vida institucional, um grande teste de resiliência.
 
Aquilo que fora um vetor importante para superar a crise de 2003 – fontes extrassindicais -, transformara-se em um grande problema.
 
Identificávamos, no cenário desenhado antes da crise, uma tendência de médio prazo de redução da capacidade de realizar superávit em convênios com setor público. Já vínhamos atuando com (a) diversificação de fontes públicas, (b) celebração de contratos onde coubesse e (c) investindo na qualificação da equipe para gestão mais complexa de projetos. Essa estratégia compreendia que o DIEESE capta recurso publico para fazer investimentos no desenvolvimento de trabalhos de interesse sindical e de relevância pública, que deve financiar o custo de sua execução com uma gestão adequada à natureza da fonte de financiamento. A reorganização administrativa deveria melhorar a capacidade de gerir esse tipo de contrato e fonte de financiamento. Superávits orçamentários deveriam lastrear fundos de financiamento e estabilidade financeira.
 
Veio a crise e, em segundos, tudo ficara turvo e parecia desmoronar! O desespero bate à porta com força. O medo, a insegurança, a ansiedade são adversários a serem enfrentados nessas horas. Bem, redesenhamos os cenários possíveis e deslocamos toda nossa atenção para a atuação de curto prazo, conseguindo fechar o ano de 2011 com todas as contas quitadas. Optamos – decisão de alto risco que testava a credibilidade acumulada – por “achar” os R$ 3 milhões junto ao sócios. O movimento sindical entendeu o problema, apoiou-nos e aportou recursos suficientes para encerrarmos o ano. Talvez nem todos tenham consciência da gravidade e extensão da crise, bem como na qualidade da resposta sindical realizada.
 
Reduzimos, também, despesas administrativas e, especialmente, o custo da equipe com os seguintes procedimentos: (a) realocando equipe do escritório nacional para subseções; (b) não substituímos aqueles que pediram para sair; (c) evitamos contratações previstas e necessárias. No primeiro ano cortamos R$ 1 milhão. Debilitamos, com isso, nossa capacidade de gestão.
 
O tempo nessas horas “passa rápido demais, sô!” e, 2012 foi revelando que o pior cenário desenhado transformava-se na nossa melhor perspectiva. Cortamos outro R$ 1 milhão com as mesas ações e buscamos receitas para fechar o orçamento. Em um esforço muito, mas muito grande mesmo, fechamos o ano. As consequências para a gestão foram e ainda são dramáticas.
 
No balanço de 2012 estimamos que conseguimos destravar 1/3 daquilo que imaginávamos poder resolver ao longo do ano quando desenhamos nosso cenário realista. A crise levou a Direção Executiva à encaminhar a prorrogação do mandato da atual Direção Técnica para continuar tratando da crise.
 
Começamos 2013 com um Orçamento deficitário em 1/3 das despesas previstas (aquelas já ajustadas), ou o equivalente a R$ 10 milhões em termos de necessidade de financiamento. Hoje, continuamos lutando para fechar esse orçamento, mas já conseguimos reduzir a necessidade de financiamento para R$ 3 milhões.
 
Há em curso um conjunto de ações que visam reorganizar ou reposicionar os convênios e contratos e buscam fortalecer nossa presença sindical. Porém, com os cortes feitos no escritório nacional, temos limitadíssimas capacidades de operar tudo que deveria e precisa ser realizado. Há muita coisa que estamos deixando de fazer, especialmente no que concerne à gestão da equipe e na articulação da produção técnica.
 
Lutamos, essa é a minha sensação, para construir escadas para sair desse inferno! O problema são as atividades sísmicas que insistem em destruir, a cada tempo, parte dos degraus que, com muito esforço, construímos. É preciso, a todo tempo, levantar-se e voltar à construir! Sem essa persistência e teimosia não sairemos desse inferno. Não há, é verdade, uma única saída. É preciso preparar (ou estar preparado) para algumas possibilidades, mas sabendo que devemos viabilizar, nas escolhas do dia-a-dia, o melhor caminho.
 
Aqui, na solidão intrínseca à atividade de direção, cabe achar energia para fortalecer quem quer desistir, esclarecer quem acha que as coisas não são bem assim, paciência diante daqueles que acreditam que “as coisas não são bem assim”, ou aqueles que diante do que declaramos, pensam, ‘ah! eles sempre acham saída’ ou, ainda, que é dever da direção resolver o problema.
 
É, sem duvida, dever da direção enfrentar o problema. Resolvê-lo, já é um atributo do resultado, no qual, o fracasso é sempre uma possibilidade, ainda mais quando muitos dos fatores que para ele concorrem não estão sob nosso controle.
 
Entendendo que a vida é assim mesmo. O que é importante é não perder a capacidade de testar a hipótese, algumas vezes ocultas nessa formulações, de que a direção está, ou pode estar, errada. No ato de dirigir não podemos deixar de enfrentar essa questão – a possibilidade do erro, para poder minimizar sua ocorrência -, ponderar e decidir. Fazemos isso o tempo todo: decidimos!
 
Creio, em primeiro lugar, que terminamos essa gestão enfrentando bem a crise, mas ainda estamos longe de tê-la resolvido. Esse é um desafio que fica.
 
Em segundo lugar, é fundamental reorganizar administrativamente o DIEESE para uma gestão mais complexa de convênios e contratos com o setor público, bem como construir novas formas de estabelecer a regularidade dessas fontes para a consecução das atividades que devem ser financiadas por esse tipo de recurso.
 
Em terceiro lugar, recuperar a capacidade de gestão da equipe, do processo de produção coletiva, de investimento da formação da equipe, entre outros desafios urgentes.
 
Em quarto lugar, promover a instituição de fundos de estabilidade para o financiamento.
 
 
O QUE DEU ALEGRIA! Ou, o que fizemos nesses três últimos anos.
 
Sem alegria (estado para criar) e atenção (estado para ponderar) não se enfrentam os desafios. Energia para levantar-se todo dia com vontade para enfrentar nossos problemas. O que dá energia é a quantidade e a qualidade da resposta que construímos coletivamente – muitas vezes em um trabalho quase solitário, mas sabendo que estamos juntos, mesmo na distância.
 
Uma crise como essa que enfrentamos poderia nos ter paralisado. Poderia! Mas não paralisou! Fizemos muitas coisas bacanas, concretizando muitas diretrizes do nosso projetos trienal. Vejamos algumas dessas coisas que estão na minha memória.
 
•   Desenvolvemos uma metodologia para tratar da questão da Informalidade, na qual mobilizamos atores sociais para analisar o problema, identificar formas de enfrentá-lo e promover ações conjuntas para superar os entraves identificados. Mais, criamos uma Comissão Interministerial para tratar dos encaminhamentos das propostas em âmbito nacional. Cada piloto traz muita, mais muita coisa bacana e que está sendo gestada. Uma avaliação externa do projeto o qualificou o trabalho como inédito, inclusive em comparação com experiências internacionais.
•   Avançamos no tema da saúde e segurança no trabalho e estamos construindo as bases para uma grande atuação. Inventamos um curso para cipeiros, muito bem avaliado. Estamos implantando um grande projeto de criação de mesas de negociação das condições de trabalhos para o sistema único de saúde e a estruturação de planos de cargos e salários. Apoiamos a criação do Fórum Sindical de SST e o assessoramos.
•   Adaptamos e desenvolvemos uma metodologia para a elaboração de projetos de investimento em economia solidária e hoje atuamos no desenho de um serviço permanente de elaboração e avaliação de projeto de investimento nesse segmento, apoiando uma articulação inédita de um Comitê de Investimento Público nesse segmento.
•   Consolidamos os Observatórios do Trabalho em muitos estados e capitais. Avançamos na formatação de bases de dados e estudos voltados às políticas públicas.
•   Avançamos e concluímos o desenvolvimento do sistema de geometricamente de dados, hoje uma ferramenta consolidada para os Observatórios e uma tecnologia para ser usada no trabalho sindical.
•   Produzimos ótimos estudos sobre trabalho, trabalhadores e políticas públicas no âmbito dos Observatórios do Trabalho.
•   Mantivemos a produção dos anuários dos Trabalhadores, do Sistema Públicos de Emprego (mercado de trabalho, seguro-desemprego, intermediação de mão-de-obra, jovem, economia solidaria, proger); do Trabalho na Micro e Pequena Empresa, da Mulher (será que não esqueci nenhum?).
•   Inventamos e desenvolvemos um trabalho inédito de apoio à estruturação de um sistema estadual de educação profissional na Bahia, com uma produção técnica riquíssima. Muitas publicações, sistema georefenciado de dados, programa de criação de Conselhos e de formação de Conselheiros. Aqui também tem anuários, mapas (e muitas viagens!).
•   Fizemos uma produção inovadora e experimental para pensar a dimensão do trabalho no desenvolvimento local/setorial no Rio de Janeiro, inclusive com a produção de um anuário especifico sobre qualificação profissional, estudos e propostas de pesquisa.
•   Publicamos nosso livro sobre Salário Mínimo, uma publicação de altíssima qualidade técnica.
•   Produzimos um estudo inovador sobre Rotatividade que é ‘fermento na massa’, fazendo crescer a compreensão sobre o problema e abrindo uma agenda de debate, mobilização e negociação para enfrentar o problema. O desdobramento ocorre atualmente com estudos setoriais que estão subsidiando Oficinas sindicais para pensar setorialmente a ação sindical.
•   Fizemos um trabalho muito interessante com o Sindifisco e o Ipea (cooperação) sobre a questão da Tributaria, com debates regionais e publicação de um livro e duas cartilhas. Hoje em curso um trabalho promovido pelo Sindifisco de mobilização de um projeto de iniciativa popular para reforma legislativa de temas relacionados à questão tributaria.
•   Estamos concluindo um estudo/pesquisa sobre o Programa de Alimentação do Trabalhador.
•   Produzimos o Segundo Livro sobre ‘ A Situação do Trabalho no Brasil’, outro clássico do Dieese.
•   Concluímos um trabalho que reuniu bases de dados sobre greves, dispersos em diferentes organizações, constituindo o maior banco de dados sobre greves no Brasil. Gravamos dezenas de depoimentos de dirigentes sindicais sobre greve no Brasil, uma grande base para apoiar os serviços de memória sindical e para publicações futuras.
•   Aperfeiçoamos nossa área de pesquisa sindical, aprimorando-a metodologicamente. Pesquisas d altíssima qualidade foram realizadas e seus resultados divulgados e trabalhos com as direções sindicais.
•   Reorganizamos e ampliamos a Biblioteca do DIEESE, adaptando-a ao padrão MEC para a nossa Escola e reorganizamos nosso Centro de Documentação.
•   Mudamos a sede nacional do DIEESE. Além de conseguir a cessão de um prédio publico, fizemos, na raça a reforma do prédio – reforma realizada pela metade do custo inicialmente estimado. Estamos hoje todos um mesmo prédio, na sede nacional, com espaço para a Escola, para a realização de atividades – auditório e salas de eventos e reuniões, além de estamos melhor instalados e trabalhando em melhores condições.
•   Implantamos sistema eletrônico de pagamentos, melhorando em muito a segurança administrativa na área financeira.
•   Avançamos nos trabalhos do GT PCS, praticamente concluindo grande parte do trabalho demandado, criando um subsidio para as próximas etapas dos debates.
•    Reorganizamos a secretaria de projetos.
•   Criamos o boletim Dieese Comunica e mantivemos sua regularidade.
•   Ampliamos – e mantivemos atualizado – nosso cadastro para mala-direta eletrônica, incluindo movimento sindical, gestores públicos, parlamentares, entre outros.
•   Implantamos a Escola Dieese de Ciências do Trabalho, conseguindo o credenciamento de partida, implantando duas turmas de bacharelado, organizando a equipe de professores.
•   Elaboramos e estamos implantando o projeto da Revista da Escola.
•   Criamos o Conselho Técnico e Científico da Escola  e o Conselho Editorial da Revista, com dezenas de renomados pesquisadores e professores.
•   Retomamos o PCDA, agora com um curso sobre “Trabalho e Desenvolvimento”.
•   Realizamos Conferências no âmbito da escola.
•   Produzimos estudos inovadores sobre mercado de trabalho, prospecção ocupacional, integramos redes que tratam da relação entre educação e trabalho.
•   Desenvolvemos o projeto de uma nova PED e estamos fazendo o teste do questionário.
•   Promovemos uma articulação interinstitucional inédita com o IBGE com vistas a integração da sistema de estatísticas sobre trabalho.
•   Implantamos a integração da PED em Fortaleza ao Sistema PED.
•   Mantivemos a pesquisa de campo mensal em mais de 17 mil domicílios mês na PED. A pesquisa de cesta básica nas 18 capitais e do ICV em São Paulo.
•   Consolidamos o Conselho Político do DIEESE com a presença das Centrais Sindicais.
•   Mantivemos a regularidade das reuniões mensais da Direção Executiva, semestral da DSND e trimestral do Conselho Político, além das reuniões das direções regionais.
•   Construímos uma cooperação inédita com o DIAP e criamos um serviço conjunto no Congresso Nacional. Realizamos dois encontros com parlamentares no Congresso Nacional.
•   Realizamos a consolidamos a Jornada Nacional de Debates como atividade do Dieese em conjunto com as Centrais Sindicais, atividade realizada em todas as capitais e DF, no prazo de duas semanas. Fizemos a Jornada Nacional no Setor Público.
•   Apoiamos o trabalho no FAT, no FGTS, nas comissões do Plano Brasil Maior, no Conselho da Desoneração, entre tantos outros espaços nacionais, setoriais e regionais.
•   Apoiamos as negociações sobre piso mínimo regional.
•   Apoiamos trabalhos de articulação das Centrais Sindicais, nacional e regionalmente.
•   Estivemos presentes em fóruns internacionais por demanda sindical, ou por delegação.
•   Concluímos o trabalho no comitê mundial da ISO 26.000.
•   Assessoramos a construção de propostas unitárias do movimento sindical, como por exemplo, no caso da terceirização, regulamentação da 151, emprego doméstico, saúde suplementar, entre tantos outros.
•   Assessoramos todo o trabalho de elaboração do Compromisso Nacional da Construção, e hoje apoiamos seu desenvolvimento. Iniciamos o apoio à construção do Compromisso no setor de Turismo e Hospitaidade.
•   Assessoramos a Mesa Nacional de Negociação das Centrais Sindicais e Governo.
•   Assessoramos a bancada dos trabalhadores no Conselho de Relações do Trabalho do MTE.
•   Assessoramos o trabalho de verificação da Representatividade das Centrais Sindicais.
•   No Escritório Nacional produzimos 32 Notas Técnicas sobre variados assuntos de interesse sindical. 20 Estudos e Pesquisa, mantendo a divulgação semestral sobre ‘ Resultados das Negociações Coletivas’ , sobre ‘Pisos Salariais’ e o ‘ Balanço Anual sobre Greves’. 24 Boletins e estudos setoriais.
•   Foram 37 Publicações (livros e cadernos).
•   Foram mais de 200 divulgações à imprensa das pesquisas e estudos.
•   Assessoramos mais de 2.000 negociações, 4.800 reuniões, 370 assembléias, participação em mais de 900 outros eventos. Mais de 8.000 atendimentos sindicais, 5.000 atendimentos à sociedade civil, quase 300 atendimentos a órgãos públicos.
•   Nos Escritórios Regionais e Subseções produzimos mais de 1.200 estudos setoriais, 900 estudos sobre temas diversos, mais de 300 estudos e pesquisa, mais de 1.000 releses e boletins.
•   Mais de 700 Seminários e Cursos, mais de 800 palestras.
•   Recebemos mais de 2,2 milhões de visitas no sitio do Dieese na internet.
 
 
Quem somos hoje?
Somos uma equipe de 293 trabalhadores, 188 na área técnica, 55 administrativos, 29 na área de pesquisa, 12 na escola, sendo 7 professores, 3 estagiários e 5 menores aprendizes (exigido pela Lei).
 
Temos uma sede nacional, 18 sedes regionais, 58 subseções, 7 unidades de pesquisa da PED, 10 Observatórios do Trabalho. Isso totaliza mais de 90 unidades de trabalho dispersa no território nacional.
 
 
 
Bem, o tempo para escrever acabou. A memória apresenta sinais de … de …..de
Sei que esqueci muita coisa. Desculpem-me!
 
Quero, antes de encerrar, em nome de toda direção técnica, agradecer:
 
À direção sindical, em nome dos nossos presidentes nesses três anos e meio – Josinaldo (Cabeça), Zenaide e Antônio (Padre), pela confiança, cooperação, apoio e paciência diante das nossas limitações.
 
À equipe pela oportunidade de podermos trabalhar juntos, pelas respostas diante dos desafios, pela presteza diante das urgências, pela serenidade diante das tragédias e, principalmente, pela qualidade do trabalho técnico e compromisso com a vida sindical e a luta dos trabalhadores.
 
Por fim, gostaria de lembrar que nosso próximo Projeto Trienal nos levará aos 60 anos. É hora de reunir, cimentar compromissos, fortalecer utopias para ampliar a capacidade desse patrimônio criado pelo movimento sindical à serviço dos trabalhadores, produzir conhecimento para a intervenção na realidade.
 
Muito obrigado a todos pela vitalidade que, juntos, fomos capazes de desenvolver.
 
Meu sincero sentimento é de que
 
Valeu a pena!
 
Abraço
 
 
Clemente Ganz Lúcio

Morrer pobre não é opção: é uma imposição!
Eduardo Annunciato, Chicão

Morrer pobre não é opção: é uma imposição!

Debate sobre financiamento da Previdência Social não pode ser de cima para baixo
Milton Cavalo

Debate sobre financiamento da Previdência Social não pode ser de cima para baixo

Democracia se constrói com igualdade social e respeito
Eusébio Pinto Neto

Democracia se constrói com igualdade social e respeito

Três indicadores
João Guilherme Vargas Netto

Três indicadores

Prioridades da agenda sindical 2024/25
Clemente Ganz Lúcio

Prioridades da agenda sindical 2024/25

Sobre a Correção do Fundo de Garantia
Eliseu Silva Costa

Sobre a Correção do Fundo de Garantia

Defendemos a criação de um programa emergencial robusto
Nilton Souza da Silva, o Neco

Defendemos a criação de um programa emergencial robusto

Sindicalismo não recua!
Josinaldo José de Barros (Cabeça)

Sindicalismo não recua!

Dia Internacional da Enfermagem: 12 de maio
Jefferson Caproni

Dia Internacional da Enfermagem: 12 de maio

Nossa solidariedade ao Rio Grande do Sul
Gilberto Almazan

Nossa solidariedade ao Rio Grande do Sul

Não ao assédio moral
Paulo Ferrari

Não ao assédio moral

“Combustível do Futuro” e o futuro do trabalho
Sérgio Luiz Leite, Serginho

“Combustível do Futuro” e o futuro do trabalho

Dia Internacional da Mulher: Desafios e compromissos pela igualdade
Maria Auxiliadora

Dia Internacional da Mulher: Desafios e compromissos pela igualdade

Uma questão de gênero
Aparecida Evaristo

Uma questão de gênero

Avanços reais
João Passos

Avanços reais

Comerciário sindicalizado só tem a ganhar
Milton de Araújo

Comerciário sindicalizado só tem a ganhar

Morrer pobre não é opção: é uma imposição!
Artigos 18 JUL 2024

Morrer pobre não é opção: é uma imposição!

Sindicato celebra aniversário com lançamento de livro
Força 18 JUL 2024

Sindicato celebra aniversário com lançamento de livro

Debate sobre financiamento da Previdência Social não pode ser de cima para baixo
Artigos 18 JUL 2024

Debate sobre financiamento da Previdência Social não pode ser de cima para baixo

Sindnapi debate situação do aposentado no Pará
Força 18 JUL 2024

Sindnapi debate situação do aposentado no Pará

Força Sindical envia mais doações para Estrela/RS
Força 18 JUL 2024

Força Sindical envia mais doações para Estrela/RS

Sindicato das Costureiras SP faz assembleia na MRBL Confecções
Força 18 JUL 2024

Sindicato das Costureiras SP faz assembleia na MRBL Confecções

Metabase faz assembleia na CREC-8 para apresentar conquista de prêmio
Força 18 JUL 2024

Metabase faz assembleia na CREC-8 para apresentar conquista de prêmio

STF prorroga até setembro prazo de suspensão da desoneração da folha
Imprensa 17 JUL 2024

STF prorroga até setembro prazo de suspensão da desoneração da folha

Vozes da CLT: ministra explica diferença entre contribuição sindical e assistencial
Imprensa 17 JUL 2024

Vozes da CLT: ministra explica diferença entre contribuição sindical e assistencial

Fequimfar participa de debate sobre prevenção de assédio sexual no trabalho
Força 17 JUL 2024

Fequimfar participa de debate sobre prevenção de assédio sexual no trabalho

Eleições metalúrgicas em São Paulo e Mogi das Cruzes
Artigos 17 JUL 2024

Eleições metalúrgicas em São Paulo e Mogi das Cruzes

Centrais realizam reuniões sobre agenda legislativa nos estados
Força 17 JUL 2024

Centrais realizam reuniões sobre agenda legislativa nos estados

Manifestação nacional contra os juros altos será dia 30 de julho
Força 17 JUL 2024

Manifestação nacional contra os juros altos será dia 30 de julho

Lei da Igualdade Salarial: Borracheiros apontam conquistas nos Acordos Coletivos
Força 17 JUL 2024

Lei da Igualdade Salarial: Borracheiros apontam conquistas nos Acordos Coletivos

Igualdade salarial: Sindnapi ressalta impactos da Lei na aposentadoria
Força 17 JUL 2024

Igualdade salarial: Sindnapi ressalta impactos da Lei na aposentadoria

Federação dos Metalúrgicos SP realiza assembleia
Força 16 JUL 2024

Federação dos Metalúrgicos SP realiza assembleia

Subsede do Sindnapi em Goiânia completa um ano de casa nova
Força 16 JUL 2024

Subsede do Sindnapi em Goiânia completa um ano de casa nova

Centrais celebram um ano da lei de igualdade em encontro com ministro Marinho
Força 15 JUL 2024

Centrais celebram um ano da lei de igualdade em encontro com ministro Marinho

Setor de Serviços fica estável em maio, diz IBGE
Força 15 JUL 2024

Setor de Serviços fica estável em maio, diz IBGE

Economia brasileira cresceu 0,25% em maio
Imprensa 15 JUL 2024

Economia brasileira cresceu 0,25% em maio

Caixa libera PIS/Pasep para nascidos em setembro e outubro
Imprensa 15 JUL 2024

Caixa libera PIS/Pasep para nascidos em setembro e outubro

Taxa Assistencial: recomendações do MPT aos Contabilistas
Força 15 JUL 2024

Taxa Assistencial: recomendações do MPT aos Contabilistas

Democracia se constrói com igualdade social e respeito
Artigos 15 JUL 2024

Democracia se constrói com igualdade social e respeito

Metalúrgicos da Braita aprovam PLR 2024
Força 12 JUL 2024

Metalúrgicos da Braita aprovam PLR 2024

Férias escolares mais divertidas nas colônias conveniadas ao SINPOSPETRO-RJ
Força 12 JUL 2024

Férias escolares mais divertidas nas colônias conveniadas ao SINPOSPETRO-RJ

Vídeos 12 JUL 2024

Sinttrar inaugura simulador em parceria com o Sest Senat

Borracheiros marcam presença no Dia da Luta Operária
Força 12 JUL 2024

Borracheiros marcam presença no Dia da Luta Operária

No 9 de Julho, Clemente e Maeno cobram ambientes de trabalho seguros
Força 12 JUL 2024

No 9 de Julho, Clemente e Maeno cobram ambientes de trabalho seguros

Heróis da Saúde: SinSaúdeSP premia Airton Cano, do Sindicato dos Químicos do ABC
Força 12 JUL 2024

Heróis da Saúde: SinSaúdeSP premia Airton Cano, do Sindicato dos Químicos do ABC

Vendas no varejo avançam 1,2% em maio, impulsionadas por hiper e supermercados
Imprensa 12 JUL 2024

Vendas no varejo avançam 1,2% em maio, impulsionadas por hiper e supermercados

Aguarde! Carregando mais artigos...