Menu

Mapa do site

Emissão de boleto

Nacional São Paulo

Emissão de boleto

Nacional São Paulo
25 ABR 2024

Imagem do dia

8⁰ Congresso Internacional de Direito Sindical 8⁰ Congresso Internacional de Direito Sindical

Imagem do dia - Força Sindical

Enviar link da notícia por e-mail

Artigos

O futuro dos sindicatos

quarta-feira, 21 de fevereiro de 2018

Artigos

O futuro dos sindicatos

Por: Ruth Coelho Monteiro

O Imposto Sindical foi instituído pelo Governo de Getúlio Vargas, como uma forma de sustentação do modelo de estrutura sindical confederativo, baseado no modelo italiano da época de Mussolini, que estabelecia o tripartismo nas relações do trabalho, com a participação do Estado como mediador entre os empregados e os empregadores e a criação dos sindicatos oficiais, de trabalhadores e patronais, correspondentes para cada setor da economia, organizados em federações estaduais e confederações nacionais, sob o princípio da unicidade sindical.

Essa nova organização, inserida na Consolidação das Leis do Trabalho – CLT, veio substituir os sindicatos então existentes, de orientações anarquistas, comunistas e socialistas, que eram ferozmente combatidos e perseguidos tanto pelos patrões como pelo Estado que representava os interesses da burguesia nacional, sendo considerada a questão social como um caso de polícia. Para criar um novo modelo de desenvolvimento nacional, com a industrialização, o Governo de Getúlio necessitava de estabilidade nas relações de trabalho, criando assim, no plano político, o trabalhismo, com o suporte do Partido Trabalhista Brasileiro – PTB e da Justiça do Trabalho.

Essa contribuição, de cunho obrigatório e natureza tributária (com 20% destinada ao Ministério do Trabalho), consolidou a estrutura sindical oficial no Brasil e criou uma rede de serviços para os trabalhadores, alternativa ao Estado e de cunho privado, tanto por parte dos sindicatos de trabalhadores – como assistência jurídica, à saúde, à educação, formação profissional e lazer -, como pelos sindicatos patronais – concentrado no sistema “S” (Sesc, Senac, Senai, Sesi, Senat, Senar, Sest, Sebrae, etc…), que ainda recebe cerca de 3% do total das folhas de pagamento para o seu custeio.

Com essa contribuição, a associação e mensalidade sindical tornou-se apenas um complemento da arrecadação das entidades e possibilitou o aparecimento de ricas estruturas sindicais – nas maiores cidades onde havia a concentração de trabalhadores – com pequeno número de associados. Possibilitou também, graças ao rateio obrigatório de 15% para as Federações e 5% para as Confederações, que essas entidades passassem a desempenhar papel preponderante nos dissídios coletivos para os sindicatos pequenos (muitas vezes por elas criados) e nas raras negociações coletivas. Da mesma forma isso possibilitou o enfraquecimento da democracia interna sindical em todos os níveis, com minorias de trabalhadores e de sindicatos decidindo sobre as suas direções e políticas.

Com muita luta dos partidos de esquerda, aliados aos democratas de centro, foi possível a retomada da direção dos sindicatos e dos movimentos populares, o que levou à redemocratização do Brasil e à Constituição Federal de 1988; o movimento sindical teve, então, mais ferramentas para voltar a fortalecer-se. Além de manter a unicidade sindical, o imposto (que passou a denominar-se Contribuição Sindical), a “Constituição Cidadã” criou a contribuição confederativa para a manutenção da mesma estrutura sindical. Apesar de naquele momento já haverem sido criadas as centrais sindicais, provavelmente a forte influência das Confederações (que naquele momento se viam ameaçadas) e do setor patronal, junto aos integrantes da Assembléia Nacional Constituinte, não permitiu a inclusão dessa nova estrutura sindical no sistema jurídico nacional.

O reconhecimento legal das centrais sindicais só veio muitos anos depois da sua reconstrução e quando elas já tinham sua legitimidade reconhecida tanto pelos trabalhadores, como pelo setor patronal e pelo Governo, fazendo parte dos organismos tripartites de políticas públicas, desde o Governo de José Sarney, substituto dos acordos de Tancredo Neves eleito no processo da Campanha das”Diretas Já”, que tinha no Conselho Nacional de Direitos da Mulher a representação da Força Sindical, com Nair Goulart.

Desde então, o movimento sindical vem dividindo-se em correntes que vão desde a simples manutenção do status quo , com direções provenientes e coniventes com o antigo regime (que adaptaram-se à nova realidade pelo simples instinto de sobrevivência), os revolucionários (sempre presos ao passado e atados aos seus dogmas) e uma terceira corrente que pretende transformar a situação dos trabalhadores dentro da realidade histórica concreta que vivemos e mudar a relação capital x trabalho pelo aprofundamento da democracia política, social, econômica e cultural. Mas os Sindicatos, Federações e Confederações, continuaram a sua existência e aumentaram a sua arrecadação, agora com a contribuição assistencial (prevista na CLT), ou confederativa (prevista na Constituição Federal) ou, mais tarde, a contribuição negocial, com pouca ou quase nenhuma destinação para as centrais sindicais, pois ainda não percebiam claramente (a maioria dos sindicatos de base) a sua importância.

Com a legalização das centrais sindicais, foi negociado o repasse de 50% de toda a arrecadação da contribuição sindical que destinava-se originalmente ao Ministério do Trabalho (20% da arrecadação de um dia de trabalho dos trabalhadores com carteira assinada, autônomos e profissionais liberais de todo o território nacional). Não é preciso dizer a importância política e o espaço que o sindicalismo conseguiu ocupar, nacional e internacionalmente, em virtude dessas condições. Elegeu parlamentares em todos os níveis, prefeitos e ocupou secretarias de governos municipais, estaduais e federal, sem falar na organização de vários setores sociais, discriminados ou marginalizados que careciam de apoio e que foram empoderados graças à influência do movimento sindical, através das centrais, junto aos diversos governos que se alternam após a abertura política no Brasil.

O grande problema foi a falta de sintonia e unidade dentro do próprio movimento sindical, (dividido e subdividido em visões de estratégias, muito mais que ideologicamente) que deixou passar várias oportunidades para modificar a sua estrutura, de forma a acompanhar as mudanças nas empresas, para poder seguir representando o novo tipo de trabalhador exigido pelas empresas cada vez mais competitivas e globalizadas, com profundas transformações tecnológicas e na organização da produção. Vários fóruns, como o Fórum Nacional do Trabalho, projetos de lei, como o dos deputados federais Paulinho (Solidariedade) e Bebeto (PSB), não conseguiram ser aprovados porque as centrais sindicais não chegaram a um acordo unitário quanto à forma de organização dos trabalhadores e a sustentação financeira dos sindicatos e suas estruturas superiores.

Então veio a lei da reforma trabalhista que acabou com a Contribuição Sindical, num momento adverso, com um Governo ilegítimo, embora legal, um Congresso Nacional eleito pelo povo, mas em sua maioria representante dos interesses das bancadas BBB (boi, bala e bíblia) onde ruralistas, evangélicos e policiais direitistas uniram-se contra um projeto de ampliação dos direitos dos trabalhadores e dos excluídos em geral. Fica claro que o fim da Contribuição Sindical obrigatória veio para enfraquecer principalmente as centrais sindicais, que não tem a prerrogativa de representar as categorias nas negociações coletivas, mas também pode enfraquecer as federações e confederações mais acomodadas. Com o enfraquecimento das centrais, o diálogo social tripartite, em todos os Conselhos e espaços públicos conquistados certamente vai diminuir, o que é um atraso para a democracia.

As soluções propostas até agora, de aprovação da Contribuição Sindical por assembléia ou inserção na Convenção Coletiva são paliativas já que podem ser questionadas judicialmente e os juízes podem condenar os sindicatos à devolução das importâncias recolhidas sem o consentimento expresso do trabalhador, caso este entre com reclamação trabalhista. No mesmo sentido, apesar da orientação do Ministério do Trabalho de que o assunto seja decidido entre patrões e empregados durante a negociação coletiva, sempre dependerá da aprovação de uma assembléia onde não estarão todos presentes.

Uma opção (que muitos sindicalistas estão defendendo) seria transformar a negociação coletiva somente para os associados do Sindicato, como é nos Estados Unidos. Mas isso não se encaixaria na nossa legislação trabalhista atual, ou na Constituição Federal, pois para trabalho igual deve existir salário igual e os aumentos conquistados para os associados seriam estendidos a todos os trabalhadores, ou pela própria empresa, ou em ações de equiparação salarial na Justiça.

A alternativa imediata, que já está sendo tomada por vários sindicatos, é ir de empresa em empresa ou fazendo assembléia, quando possível, ou colhendo as assinaturas dos trabalhadores, de concordância com o desconto. Mais eficaz ainda é a sindicalização dos trabalhadores pois o trabalhador filiado tem que cumprir o Estatuto Social e nele sempre existe a cláusula de obrigatoriedade das contribuições que garantem a sustentação do sindicato. Mas isso nem sempre é possível, dependendo da pulverização da categoria e das relações entre os sindicatos e as empresas que, na sua maioria, cometem as práticas e atos antissindicais, sem uma legislação punitiva.

A médio e longo prazo, seria importante retomar a discussão sobre a forma mais eficiente de organização sindical que o Brasil precisa, seguindo a evolução da organização do trabalho nas empresas nacionais e transnacionais, com Contratos Nacionais de Trabalho, negociados pelas centrais sindicais em seus diversos setores de atividade, com Convenções Coletivas de Trabalho negociadas pelas Confederações ou Secretariados das Centrais e as Federações transformarem-se em Sindicatos Estaduais, por ramo de atividade, negociando tanto Convenções como Acordos Coletivos, tendo como sua base os Sindicatos Locais. Seria uma forma de unificar direitos, fortalecer a negociação coletiva e racionalizar os recursos, ao mesmo tempo que definir nos marcos legais a forma de sustentação das entidades sindicais não só pelos trabalhadores, mas pela sociedade, num reconhecimento da importância dessa organização para o desenvolvimento e a paz social.

Ruth Coelho Monteiro é Secretária Nacional de Cidadania e Direitos Humanos da Força Sindical

 

Sindicalismo não recua!
Josinaldo José de Barros (Cabeça)

Sindicalismo não recua!

Tragédia no Sul, o chamado da natureza
Eusébio Pinto Neto

Tragédia no Sul, o chamado da natureza

Cabeça de bacalhau
João Guilherme Vargas Netto

Cabeça de bacalhau

Dia Internacional da Enfermagem: 12 de maio
Jefferson Caproni

Dia Internacional da Enfermagem: 12 de maio

Não à desvinculação das aposentadorias
Milton Cavalo

Não à desvinculação das aposentadorias

Nossa solidariedade ao Rio Grande do Sul
Gilberto Almazan

Nossa solidariedade ao Rio Grande do Sul

Não ao assédio moral
Paulo Ferrari

Não ao assédio moral

Um inovador primeiro passo
Clemente Ganz Lúcio

Um inovador primeiro passo

“Combustível do Futuro” e o futuro do trabalho
Sérgio Luiz Leite, Serginho

“Combustível do Futuro” e o futuro do trabalho

Dia Internacional da Mulher: Desafios e compromissos pela igualdade
Maria Auxiliadora

Dia Internacional da Mulher: Desafios e compromissos pela igualdade

Uma questão de gênero
Aparecida Evaristo

Uma questão de gênero

Avanços reais
João Passos

Avanços reais

Comerciário sindicalizado só tem a ganhar
Milton de Araújo

Comerciário sindicalizado só tem a ganhar

Apagão de responsabilidade
Nilton Souza da Silva, o Neco

Apagão de responsabilidade

Viva a república
Zoel Garcia Siqueira

Viva a república

Congresso da IndustriALL será em 2025, Fequimfar participa da organização
Força 24 MAI 2024

Congresso da IndustriALL será em 2025, Fequimfar participa da organização

RJ: frentistas rejeitam acordo e mantém processo contra empresa
Força 24 MAI 2024

RJ: frentistas rejeitam acordo e mantém processo contra empresa

Peritos Criminais: Servidores SP e Dieese avaliam perdas salariais
Força 24 MAI 2024

Peritos Criminais: Servidores SP e Dieese avaliam perdas salariais

Força e sindicatos enviam doações ao RS
Força 24 MAI 2024

Força e sindicatos enviam doações ao RS

Dieese: 77% dos acordos salariais tiveram ganho real em abril
Imprensa 23 MAI 2024

Dieese: 77% dos acordos salariais tiveram ganho real em abril

Força Sindical participa de debate sobre tributação em evento do G20
Força 23 MAI 2024

Força Sindical participa de debate sobre tributação em evento do G20

Federação dos Servidores SP participa de Plenária das Centrais, em Brasília
Força 23 MAI 2024

Federação dos Servidores SP participa de Plenária das Centrais, em Brasília

SINPOSPETRO-RJ presente na Plenária Nacional das Centrais Sindicais em Brasília
Força 23 MAI 2024

SINPOSPETRO-RJ presente na Plenária Nacional das Centrais Sindicais em Brasília

Força Sindical e Sindicatos enviarão nesta sexta, 24, mais doações ao RS
Força 23 MAI 2024

Força Sindical e Sindicatos enviarão nesta sexta, 24, mais doações ao RS

Sem comunicação prévia eleição de CIPA é impugnada
Força 23 MAI 2024

Sem comunicação prévia eleição de CIPA é impugnada

Saiba mais sobre as Agendas Legislativa e Judiciária
Força 23 MAI 2024

Saiba mais sobre as Agendas Legislativa e Judiciária

Centrais apresentam Agendas Legislativa e Jurídica ao Congresso
Força 23 MAI 2024

Centrais apresentam Agendas Legislativa e Jurídica ao Congresso

Centrais lançam Agenda Jurídica durante Plenária Nacional
Força 22 MAI 2024

Centrais lançam Agenda Jurídica durante Plenária Nacional

Eletricitários SP somam força a Plenária das Centrais em Brasília
Força 22 MAI 2024

Eletricitários SP somam força a Plenária das Centrais em Brasília

MTE simplifica registro sindical com novas ferramentas online
Imprensa 22 MAI 2024

MTE simplifica registro sindical com novas ferramentas online

“22 de Maio por Mais Direitos” tem adesão do Sincomerciários de Jundiaí
Força 22 MAI 2024

“22 de Maio por Mais Direitos” tem adesão do Sincomerciários de Jundiaí

Pauta da Classe Trabalhadora pede medidas para reconstrução do RS
Força 22 MAI 2024

Pauta da Classe Trabalhadora pede medidas para reconstrução do RS

Renault/Horse: 15º dia de greve na luta por melhores condições de trabalho
Força 22 MAI 2024

Renault/Horse: 15º dia de greve na luta por melhores condições de trabalho

Veja fotos da Plenária Nacional das Centrais Sindicais
Força 22 MAI 2024

Veja fotos da Plenária Nacional das Centrais Sindicais

Vídeos 22 MAI 2024

Miguel Torres: Todo apoio aos trabalhadores da Renault no Paraná

Solidariedade aos trabalhadores da Renault
Força 22 MAI 2024

Solidariedade aos trabalhadores da Renault

Plenária Nacional das centrais sindicais!
Força 22 MAI 2024

Plenária Nacional das centrais sindicais!

Sindicalismo não recua!
Artigos 22 MAI 2024

Sindicalismo não recua!

Trabalhadores fazem protesto na empresa Líder, em Mauá
Força 21 MAI 2024

Trabalhadores fazem protesto na empresa Líder, em Mauá

Metalúrgicos de Mococa enviam doações para o Rio Grande do Sul
Força 21 MAI 2024

Metalúrgicos de Mococa enviam doações para o Rio Grande do Sul

Metalúrgicos da Força vão à Brasília
Força 21 MAI 2024

Metalúrgicos da Força vão à Brasília

Presidente do SINPOSPETRO-RJ visita postos de combustíveis na madrugada
Força 21 MAI 2024

Presidente do SINPOSPETRO-RJ visita postos de combustíveis na madrugada

Seminário valoriza atuação e memoria metalúrgica
Força 21 MAI 2024

Seminário valoriza atuação e memoria metalúrgica

Subsede do Sindnapi em Porto Alegre fica fechada por tempo indeterminado
Força 20 MAI 2024

Subsede do Sindnapi em Porto Alegre fica fechada por tempo indeterminado

Tragédia no Sul, o chamado da natureza
Artigos 20 MAI 2024

Tragédia no Sul, o chamado da natureza

Aguarde! Carregando mais artigos...