A coluna da jornalista Camila Mattoso, no jornal Folha S. Paulo destaca ainda que em encontro com lideranças da Central, na segunda (29), ex-governador admitiu 'hipótese federal'
Lula fala sobre os 30 anos da Força Sindical

A jornalista Camila Mattoso, no jornal Folha S. Paulo, apurou que o ex-presidente Lula (PT) será convidado de honra no evento de encerramento do Congresso Nacional da Força Sindical, que será realizado na quarta-feira (8). Ele falará na sede do Sindicato dos Metalúrgicos, em São Paulo.

No evento, Miguel Torres será oficializado como presidente da Força, cargo que ocupará pelos próximos quatro anos. Ele substitui Paulinho da Força, presidente do Solidariedade.

A Força é uma das centrais sindicais que fizeram reunião com Geraldo Alckmin (de saída do PSDB) na segunda-feira (29) e que têm incentivado a formação de uma chapa presidencial encabeçada pelo petista com o tucano como vice.

No encontro, definido por Alckmin como histórico, o ex-governador disse que se preparava para ser candidato a governador de São Paulo novamente, mas que surgiu a "hipótese federal, que caminha".

Ele também disse que o Brasil precisa de acordos e coligações, e citou o acerto a partir do qual Olaf Scholz, do SPD, foi escolhido como sucessor da primeira-ministra Angela Merkel, CDU.

O social-democrata SPD, os liberais do FDP e os ambientalistas do Verde se uniram em torno de Scholz, esquerdista, que assumirá o posto que nos últimos 16 anos foi ocupado por uma conservadora, em transição que se desenha pacífica.

A leitura do contexto político da Alemanha soou aos líderes sindicais como referência positiva à possibilidade de ser vice do petista.

Lula fala sobre os 30 anos da Força Sindical

A jornalista Camila Mattoso, no jornal Folha S. Paulo, apurou que o ex-presidente Lula (PT) será convidado de honra no evento de encerramento do Congresso Nacional da Força Sindical, que será realizado na quarta-feira (8). Ele falará na sede do Sindicato dos Metalúrgicos, em São Paulo.

No evento, Miguel Torres será oficializado como presidente da Força, cargo que ocupará pelos próximos quatro anos. Ele substitui Paulinho da Força, presidente do Solidariedade.

A Força é uma das centrais sindicais que fizeram reunião com Geraldo Alckmin (de saída do PSDB) na segunda-feira (29) e que têm incentivado a formação de uma chapa presidencial encabeçada pelo petista com o tucano como vice.

No encontro, definido por Alckmin como histórico, o ex-governador disse que se preparava para ser candidato a governador de São Paulo novamente, mas que surgiu a "hipótese federal, que caminha".

Ele também disse que o Brasil precisa de acordos e coligações, e citou o acerto a partir do qual Olaf Scholz, do SPD, foi escolhido como sucessor da primeira-ministra Angela Merkel, CDU.

O social-democrata SPD, os liberais do FDP e os ambientalistas do Verde se uniram em torno de Scholz, esquerdista, que assumirá o posto que nos últimos 16 anos foi ocupado por uma conservadora, em transição que se desenha pacífica.

A leitura do contexto político da Alemanha soou aos líderes sindicais como referência positiva à possibilidade de ser vice do petista.