Menu

Mapa do site

Emissão de boleto

Nacional São Paulo

Emissão de boleto

Nacional São Paulo
25 ABR 2024

Imagem do dia

8⁰ Congresso Internacional de Direito Sindical 8⁰ Congresso Internacional de Direito Sindical

Imagem do dia - Força Sindical

Enviar link da notícia por e-mail

Direitos Humanos e Cidadania

PEC das Domésticas completa cinco anos, mas informalidade ainda é alta

quarta-feira, 4 de abril de 2018

Direitos Humanos e Cidadania

PEC das Domésticas completa cinco anos, mas informalidade ainda é alta

Atualmente, menos de 30% das domésticas têm carteira assinada. ‘A emenda foi o resgate de uma dívida que o país tinha’, diz ministra sobre PEC das Domésticas.
PEC das Domésticas completa cinco anos, mas informalidade ainda é altaCrédito: Divulgação

Cinco anos atrás, em 3 de abril de 2013, era aprovada a lei que equiparava os direitos dos empregados domésticos aos dos demais trabalhadores. A chamada PEC das Domésticas estabelecia, por exemplo, jornada de trabalho de 44 horas semanais e pagamento de horas extras. Os direitos foram ampliados em 2015, quando tornou-se obrigatório o recolhimento do FGTS e o pagamento de seguro-desemprego. Apesar da legislação, a informalidade continua alta. Segundo especialistas, em grande parte resultado da recessão no país.

Em 2013, o Brasil tinha 1,855 milhão de trabalhadores domésticos formalizados. Em 2017, o número passou para 1,876 milhão, aumento de apenas 21 mil registros. Quando leva-se em conta o total de domésticos, com e sem registro, o Brasil saiu de 5,9 milhões, em 2013, para 6,3 milhões, em 2017: um aumento de 400 mil trabalhadores.

Mesmo com o número ainda pequeno de carteiras assinadas, Hildete Pereira de Melo, economista e professora da UFF, considera a PEC muito importante para garantir segurança trabalhista às mulheres, que representam a maior parte dos domésticos:
— Foi um momento de Justiça para as mulheres. O trabalho doméstico, que foi ignorado por anos, só ganhou regulamentações no século XXI.
Entre 2015 e 2016, o número de trabalhadores domésticos diminuiu. Passou de 6,2 milhões para 6,1 milhões, sendo que o total de profissionais registrados caiu de 2 milhões para 1,9 milhão. João Saboia, professor do Instituto de Economia da UFRJ, destaca os efeitos da crise:
— Até 2014, a economia ainda crescia. Mas, em 2015, a crise chegou com força total. De um modo geral, todos os postos de trabalho com carteira assinada sofreram cortes. Em 2017, o mercado de trabalho deu alguns sinais de melhora, entretanto, o ritmo de recuperação ainda é muito inferior ao volume de perdas.
Quanto à renda, em 2013, a média dos rendimentos era de R$ 826. Em 2017, passou para R$ 852, abaixo do salário mínimo nacional, que na época era de R$ 937. No caso dos formais, houve um ligeiro aumento no período, passando de R$ 1.112, em 2013, para R$ 1.198, em 2017.
Para Mario Avelino, presidente do Instituto Doméstica Legal, o cumprimento das normas precisa melhorar:
— A PEC foi e é muito boa, e não só para o trabalhador. O empregado ganha em direitos, e o empregador fica tranquilo com suas obrigações. Mas ainda é preciso maior conscientização sobre a lei e fiscalização sobre o cumprimento dela.

‘A emenda foi o resgate de uma dívida que o país tinha’, diz ministra sobre PEC das Domésticas
Para Delaíde Arantes, houve melhora na condição social e na autoestima, mas ainda há o que evoluir em equiparação de direitos com demais trabalhadores
Delaíde Arantes, ex-empregada doméstica que virou ministra do Tribunal Superior do Trabalho (TST), diz que a PEC permitiu às trabalhadoras uma segunda opção durante a crise no mercado de trabalho. Mas destacou que elas ainda não têm os mesmos direitos dos trabalhadores rurais e urbanos.
Cinco anos após a promulgação da PEC das Domésticas, o que comemorar?
– A emenda veio tarde, mas foi essencial. Foi o resgate de uma dívida que o país tinha com as trabalhadoras domésticas. Digo assim porque as mulheres são maioria. A emenda trouxe melhoria na condição social e na autoestima das trabalhadoras. Durante a crise e a alta do desemprego, muitas procuraram serviço doméstico como segunda opção, e, sem as garantias da emenda, isso não seria possível. A principal vantagem foi a igualdade quase plena dos direitos.

Não foi plena? O que falta?
– Não foi plena porque a Constituição continua classificando os trabalhadores entre domésticos, rurais e urbanos. Isso não foi alterado, e, por isso, a CLT não se aplica automaticamente aos domésticos. O que a emenda fez foi estender uma série de direitos dos demais aos domésticos, como FGTS e Previdência. Em algum momento, precisamos fazer a equiparação total.

Que tipo de direito os domésticos não têm?
– A cobrança de multa por atraso do acerto das verbas rescisórias, por exemplo. Como a CLT não se aplica aos domésticos na sua totalidade, os advogados precisam analisar a emenda, regulamentação que veio depois, para ver se há direito correspondente.

Qual o impacto da PEC na formalização da categoria?
– Houve aumento da formalidade, mas não atingiu o esperado. Isso tem relação com a conscientização do empregador.

Qual o impacto da reforma trabalhista para os trabalhadores domésticos?
– Negativo. A flexibilização de direitos atinge em alto grau os terceirizados, os trabalhadores mais vulneráveis. Considero precários os contratos introduzidos pela reforma, como intermitente e autônomo. A princípio, eles não se aplicam aos domésticos, mas vejo chance de isso acontecer.

 

Fonte: jornal O Globo

Últimas de Direitos Humanos e Cidadania

Todas de Direitos Humanos e Cidadania
Congresso da IndustriALL será em 2025, Fequimfar participa da organização
Força 24 MAI 2024

Congresso da IndustriALL será em 2025, Fequimfar participa da organização

RJ: frentistas rejeitam acordo e mantém processo contra empresa
Força 24 MAI 2024

RJ: frentistas rejeitam acordo e mantém processo contra empresa

Peritos Criminais: Servidores SP e Dieese avaliam perdas salariais
Força 24 MAI 2024

Peritos Criminais: Servidores SP e Dieese avaliam perdas salariais

Força e sindicatos enviam doações ao RS
Força 24 MAI 2024

Força e sindicatos enviam doações ao RS

Dieese: 77% dos acordos salariais tiveram ganho real em abril
Imprensa 23 MAI 2024

Dieese: 77% dos acordos salariais tiveram ganho real em abril

Força Sindical participa de debate sobre tributação em evento do G20
Força 23 MAI 2024

Força Sindical participa de debate sobre tributação em evento do G20

Federação dos Servidores SP participa de Plenária das Centrais, em Brasília
Força 23 MAI 2024

Federação dos Servidores SP participa de Plenária das Centrais, em Brasília

SINPOSPETRO-RJ presente na Plenária Nacional das Centrais Sindicais em Brasília
Força 23 MAI 2024

SINPOSPETRO-RJ presente na Plenária Nacional das Centrais Sindicais em Brasília

Força Sindical e Sindicatos enviarão nesta sexta, 24, mais doações ao RS
Força 23 MAI 2024

Força Sindical e Sindicatos enviarão nesta sexta, 24, mais doações ao RS

Sem comunicação prévia eleição de CIPA é impugnada
Força 23 MAI 2024

Sem comunicação prévia eleição de CIPA é impugnada

Saiba mais sobre as Agendas Legislativa e Judiciária
Força 23 MAI 2024

Saiba mais sobre as Agendas Legislativa e Judiciária

Centrais apresentam Agendas Legislativa e Jurídica ao Congresso
Força 23 MAI 2024

Centrais apresentam Agendas Legislativa e Jurídica ao Congresso

Centrais lançam Agenda Jurídica durante Plenária Nacional
Força 22 MAI 2024

Centrais lançam Agenda Jurídica durante Plenária Nacional

Eletricitários SP somam força a Plenária das Centrais em Brasília
Força 22 MAI 2024

Eletricitários SP somam força a Plenária das Centrais em Brasília

MTE simplifica registro sindical com novas ferramentas online
Imprensa 22 MAI 2024

MTE simplifica registro sindical com novas ferramentas online

“22 de Maio por Mais Direitos” tem adesão do Sincomerciários de Jundiaí
Força 22 MAI 2024

“22 de Maio por Mais Direitos” tem adesão do Sincomerciários de Jundiaí

Pauta da Classe Trabalhadora pede medidas para reconstrução do RS
Força 22 MAI 2024

Pauta da Classe Trabalhadora pede medidas para reconstrução do RS

Renault/Horse: 15º dia de greve na luta por melhores condições de trabalho
Força 22 MAI 2024

Renault/Horse: 15º dia de greve na luta por melhores condições de trabalho

Veja fotos da Plenária Nacional das Centrais Sindicais
Força 22 MAI 2024

Veja fotos da Plenária Nacional das Centrais Sindicais

Vídeos 22 MAI 2024

Miguel Torres: Todo apoio aos trabalhadores da Renault no Paraná

Solidariedade aos trabalhadores da Renault
Força 22 MAI 2024

Solidariedade aos trabalhadores da Renault

Plenária Nacional das centrais sindicais!
Força 22 MAI 2024

Plenária Nacional das centrais sindicais!

Sindicalismo não recua!
Artigos 22 MAI 2024

Sindicalismo não recua!

Trabalhadores fazem protesto na empresa Líder, em Mauá
Força 21 MAI 2024

Trabalhadores fazem protesto na empresa Líder, em Mauá

Metalúrgicos de Mococa enviam doações para o Rio Grande do Sul
Força 21 MAI 2024

Metalúrgicos de Mococa enviam doações para o Rio Grande do Sul

Metalúrgicos da Força vão à Brasília
Força 21 MAI 2024

Metalúrgicos da Força vão à Brasília

Presidente do SINPOSPETRO-RJ visita postos de combustíveis na madrugada
Força 21 MAI 2024

Presidente do SINPOSPETRO-RJ visita postos de combustíveis na madrugada

Seminário valoriza atuação e memoria metalúrgica
Força 21 MAI 2024

Seminário valoriza atuação e memoria metalúrgica

Subsede do Sindnapi em Porto Alegre fica fechada por tempo indeterminado
Força 20 MAI 2024

Subsede do Sindnapi em Porto Alegre fica fechada por tempo indeterminado

Tragédia no Sul, o chamado da natureza
Artigos 20 MAI 2024

Tragédia no Sul, o chamado da natureza

Aguarde! Carregando mais artigos...